Arquivos de tags: protesto contra o Pontal do Estaleiro

Porto Alegre: “Não ao Pontal do Estaleiro”

Um beleza ameaçada. A indignação dos centenas de entidades manifestantes de Porto alegre vem cresce à medida que a votação para a alterar a lei e autorizar a construção de seis prédios na orla do Guaíba vai sendo adiada. A votação esteve marcada para o dia 10 de setembro, mas foi transferida para depois das eleições.

“Os vereadores que concorriam à reeleição não queriam se queimar, por isso adiaram a decisão, mas  temos uma lista dos 17 que querem aprovar a construção desta barreira na orla do Guaiba”, diz o representante da Associação dos Moradores do Bairro Chácara das Pedras (Amachap), professor Filipe de Oliveira. Segundo Oliveira há incoerência na intenção dos parlamentares que querem aprovar o projeto, “pois pouco  tempo atrás, a Vila Cai Cai foi retirada do local devido a veemente proibição de morar lá, por diversos motivos, que estão sendo ignorados agora, para aceitar o projeto dos ricos”.

A causa do manifesto se fundamenta em diversas problemas que o empreendimento implica, incluindo os problemas ambientais, urbanísticos, éticos e legais. A bióloga Gabriela Cattani, defendeu a causa, afirmando que “a orla do Guaíba é uma área de preservação permanente e, segundo as Leis Federais que defendem estes perímetros, nada pode ser contruído nestes locais”.

O advogado Christiano Ribeiro, representante do Conselho Municipal do Meio Ambiente (Comam) afirmou que o protesto desta quarta-feira será silencioso, entretanto, as entidades aguardam a possibilidade de poder ter a palavra no plenário e manifestarem sua opinião. Disse ainda que o empreendedor adquiriu o terreno em um leilão, quando não era permitida a construção de prédios residenciais, consequentemente, por um valor mais baixo, e hoje, pretende burlar a lei já existente e lucrar com estes prédios.

Integram a campanha “Não ao projeto Pontal do Estaleiro” as seguintes entidades: Agapan, Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho, Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Independência (Amabi), Movimento Viva Gasômetro, Associação Moinhos Vive, Associação dos Moradores do Bairro Ipanema (Ambi), Associação dos Moradores da Auxiliadora (Ama), Centro Comunitário de Desenvolvimento da Tristeza, Vila Assunção, Vila Conceião e Pedra Redonda (CCD), Defesa Civil do Patrimônio Histórico (Defender), Associação dos Moradores da Cidade Baixa, Associação Comunitária Jardim Isabel Ipanema (Ascomjip), Conselho Estadual da Umbanda e dos Cultos Afro-Brasileiros do RS (Ceucab/RS), Associação dos Moradores do Sétimo Céu (AMSC), Movimento Petrópolis Vive, União pela Vida (UPV), ONG Solidariedade, Movimento Higienópolis Vive, Associação dos Moradores do Bairro Chácara das Pedras (Amachap),  Instituto Biofilia, Associação dos Moradores da Bela Vista (AMOBELA), Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (INGÁ) e  o Conselho Gestor dos Moradores da Vila Assunção (CVMA).

As entidades estão se organizando para criar um calendário de vigília na Câmara Municipal, para toda quarta-feira, estarem presentes manifestando o repúdio a aprovação da alteração desta lei.

O projeto prevê a construção de um complexo arquitetônico (6 prédios) de 60 mil metros quadrados na área do antigo Estaleiro Só. Cada prédio terá volume igual ao nosso Hospital das Clínicas.

Por que ser contra ao projeto “Portal do Estaleiro”

1 – Questão Ambiental -Se aprovado, causará grande impacto ao ambiente natural da região: formarão uma barreira artificial impedindo a passagem dos ventos para a cidade e da luz do sol para a vizinhança, aumento da produção de esgoto cloacal que na região é ligado ao pluvial.

2 – Questão Urbanística – problemas de trânsito pela Av.Padre Cacique, que já terá aumento de fluxo de automóveis pela inauguração do Barra Shopping Sul.

3 – Vocação da Orla – Lazer e recreação é a vocação de qualquer orla no mundo. A construção do empreendimento inviabilizaria a implantação de um grande Parque, que é um anseio da população, independente de classe social. A Orla do Guaíba pertence a toda população da cidade.

4 – Questão Ética e Legal – O empreendedor, quando adquiriu o terreno em leilão, pagou um valor mais baixo por estar impedida por lei municipal a construção de prédios residenciais na área. Agora quer que se mude a lei para auferir maiores lucros. Caso a lei seja alterada, o município estará sendo irresponsável com as pessoas que irão residir ali!

Depois de 20 anos de luta, a Orla do Guaíba, o mais nobre, valioso e cobiçado patrimônio público de Porto Alegre, continua ameaçada pelos poderes Executivo e Legislativo municipais, a serviço dos interesses dos setores imobiliário e da construção civil.

%d blogueiros gostam disto: