Arquivos de tags: preservativo

Camisinha: mais publicidade

A Hypermarcas, que adquiriu as marcas de preservativos Jontex e Olla, vai investir pesado em publicidade para alcançar a meta de dobrar a venda de camisinhas num prazo médio.

Isso porque o consumo de preservativos no Brasil está bem abaixo do que o registrado em outros países: é comprada no país 1,7 camisinha per capita por ano, contra 10 no Japão, 8 na Grécia e 4,5 nos EUA, de acordo com dados da Nielsen estudados pela empresa.

CAMISINHA NACIONAL
A Hypermarcas, que é brasileira, conseguiu adquirir a Jontex da Johnson & Johnson depois de um processo competitivo em que se habilitaram empresas de países como Inglaterra e Austrália. Hoje, cerca de 80% das camisinhas consumidas no país são importadas.

Monica Bergamo

Camisinha faz promoção “Volta ao Mundo Preserv”

A linha Preserv, da Blausiegel, começa a divulgação da campanha nacional “Volta ao Mundo Preserv” que sorteará 4 viagens. Os participantes premiados irão para um dos destinos: África, Europa, Oceania ou EUA, com direito a acompanhante, roteiro especialmente elaborado e um cartão de crédito com R$ 5 mil para gastar como desejar.

Com duração até 22 de setembro de 2009, a campanha veiculará comerciais em programas de TV!, além de chamadas na rádio Jovem Pan e no site Virgula. Já as mídias impressas serão: Sexy, Playboy, VIP, Men’s Health, Placar, Maxim, TPM, G Magazine, DOM, Junior, Aimé e DJ Mag.

Para participar, o interessado precisa cadastrar o cupom de participação que vem nos preservativos da Linha Preserv e responder a pergunta: “Qual a camisinha leva você para conhecer os melhores lugares do mundo?”. Para participar clic aquiPromoção PRESERV

Mais Informações no site da Preserv.

NF

Aids: jovens estão usando mais preservativos

Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira traz uma boa notícia sobre o combate à Aids no Brasil e no mundo: os jovens estão mais conscientes e usando mais preservativos. Mas o estudo revela também que cerca de nove milhões de pessoas infectadas ainda não recebem os medicamentos necessários para o tratamento da doença.

O parceiro nem sempre é o mesmo, mas cada vez mais os jovens só namoram com o preservativo. O uso de camisinha aumentou entre jovens em vários países. “As pessoas estão mais conscientes, se cuidam mais até mesmo por medo da doença”, opina a estudante Priscila Pereira.A Aids é uma epidemia e um risco no mundo todo: não existe sequer uma região livre do vírus. A maior incidência é no sul da África e a menor, na Ásia Oriental. No total, a cada dia, são 7.500 novas infecções.

Trinta e três milhões de pessoas têm Aids, 1,7 milhão na América Latina; o Brasil, que tem maior população do continente, tem 600 mil infectados.

O número de mortes pelo mundo caiu nos últimos dois anos: foram 2 milhões de casos em 2006, 200 mil a mais que em 2007. Daí vem a importância do tratamento. “Se há 20 anos a gente ficava imóvel, esperando a morte, nós aprendemos que temos que fazer nosso movimento para buscar qualidade de tratamento e qualidade de vida“, diz a profesora Jenice Pizão.

No Brasil, quase todo mundo tem acesso a avaliação clínica e remédios, mas só cerca de 80% dos pacientes levam o tratamento a sério. “Ou o paciente faz o tratamento correto e vai usufruir dos resultados, ou faz o tratamento não muito correto e deixa de ver esses bons resultados, que são favoráveis a ele”, afirma o infectologista Dalcy Albuquerque Filho.

Para a Unaids, o problema no Brasil ainda é cultural. Além da resistência ao tratamento, muita gente tem medo de fazer o teste e descobrir que está doente. “A questão da discriminação acaba impedido as pessoas mais vulneráveis, como profissionais do sexo e grupos gays, de chegar aos serviços de saúde e fazer um acompanhamento sistemático”, explica Eduardo Barbosa, diretor adjunto do programa de DST e AIDS da instituição.

%d blogueiros gostam disto: