Arquivos de tags: Obama

Gaiatice: livraria exibe Obama com macacos

Foto

Na vitrine da B&N, Obama e os macacos

A célebre rede de livrarias Barnes & Noble, uma das maiores do mundo, pediu desculpas públicas por exibir na vitrine da loja em Coral Gables, Flórida, semana passada, um livro sobre macacos em meios a livros escritos pelo presidente Barack Obama e sobre ele.

A B&N atribui a “um cliente” a “piada cruel, colocando um título inapropriado na vitrine em frente à rua”. Na nota oficial, a rede diz ainda que o livro dos macacos foi removido tão logo “ficamos sabendo” e que “tomaremos providências para isso não se repita”.

Há dias, o tablóide nova-iorquino New York Post pediu desculpas por charge comparando Obama a um macaco.

CH

Lula e Dilma com Obama dia 26 de março

O presidente Lula  deve ter o primeiro encontro com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 17 de março, em Washington, segundo informou o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, em entrevista ontem à Rede Eldorado de Rádio.

De acordo com Garcia, na véspera, 16 de março, Lula participará de um evento sobre biocombustíveis em Nova York, promovido pelo Wall Street Journal, ao lado da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Dilma será a principal palestrante do evento que reunirá presidentes de empresas brasileiras e americanas em Washington, mesmo dia do encontro previsto entre Lula e Obama.

A Presidência da República informou que há previsão de o presidente ir para os Estados Unidos nesse período, mas a viagem só deve ser confirmada no começo de março.

Obama convidou Lula, num telefonema de 25 minutos no fim de janeiro, para visitá-lo em Washington durante a viagem. Obama deve discutir uma ampliação das relações bilaterais entre os dois países, durante o encontro. No momento da posse do presidente americano, Obama telefonou para Lula e disse que desejava trabalhar em coordenação com o Brasil para reforçar a paz e a estabilidade no continente.

Em entrevista recente ao jornal The Wall Street Journal, Michael Shifter, vice-presidente do Inter-American Dialogue, afirmou que a “cooperação com o Brasil será crucial para qualquer progresso na agenda do hemisfério”. “O Brasil, o maior exportador de carne, frango, açucar e café, quer que os Estados Unidos os ajude no comércio em troca do carisma de Lula em ajudar a melhorar a imagem do país na América Latina, que passou por um grande declínio depois da administração de George Bush”, informou o jornal.

Charge: o sonho e o pesadelo

Circula na internet um resumo em charge, pelo ótimo traço de Zédassilva, do pepino que espreita o novo presidente americano, Barack Obama.

Ancelmo

Irmão de Obama é preso com maconha, na África

George Obama de 24 anos , irmão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi preso no Quênia neste sábado por posse de drogas, informou a polícia local à “CNN”.

O inspetor chefe Augustine Mutembei disse que Obama foi detido com maconha, conhecida como Bhang no país. Segundo ele, o homem resistiu à prisão. Obama está detido na delegacia de Huruma, na capital Nairobi.

Um correspondente da emissora conversou com o irmão do presidente dentro da cela. Ele teria negado as acusações. – Eles me tiraram da minha casa. Eu não sei por que fui detido – disse Obama.

O queniano e o presidente praticamente não têm contato, mas já foram apresentados antes. Ele foi um dos poucos parentes do presidente que não compareceram à posse em Washignton. Na biografia “Dreams from My Father”, Barack Obama descreve que conhecer George foi doloroso. Na viagem ao Quênia, o democrata foi apresentado a diversos parentes pela primeira vez.

Os irmãos Obama têm o mesmo pai, que deixou a mãe do democrata quando o filho ainda era pequeno. O pai dos irmãos morreu em um acidente de carro quando George tinha apenas 6 meses. Atualmente, George vive em uma favela queniana.

Obama liga para Lula e diz que virá ao Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou nesta segunda-feira para o presidente  Lula da Silva para reafirmar que pretende desenvolver ações em comum para a paz e a estabilidade no continente. Obama afirmou que já instruiu sua equipe econômica para entrar em contato com os parceiros brasileiros e tentar aproximar a posição dos dois países para a próxima reunião do G-20, em abril, em Londres.

O presidente americano também disse que uma das áreas nas quais Brasil e Estados Unidos podem desenvolver parceria é em relação aos biocombustíveis. Para Obama, os americanos têm muito a se beneficiar com a cooperação nesse setor. O telefonema, que ocorreu às 18h15m, durou cerca de 25 minutos.

Lula parabenizou o colega pela posse e destacou a parte do discurso de Obama na qual ele fez menção à necessidade de os países ricos darem mais atenção aos pobres. Para Lula, se isso se concretizar, a imagem dos Estados Unidos no mundo e na América Latina, especificamente, pode mudar para melhor.

Embora tenha feito vários discursos defendendo o fim do embargo a Cuba, nesta segunda Lula não tocou no tema durante a conversa. Para o mandatário brasileiro, a boa relação com os Estados Unidos pode contribuir para um bom ambiente político na região. Lula propôs que os dois países tenham em pauta cinco assuntos: paz mundial, relações com a América Latina, G-20, África e mudanças climáticas.

O presidente americano disse que pretende se encontrar com Lula e propôs aproveitar a viagem que o brasileiro fará a Nova York, em março, para um seminário de investidores. De Nova York, Lula poderia ir a Washington.

Lula convidou Obama a visitar o Brasil. A ideia inicial é que o americano viesse ao país em abril, mas  Obama disse que há a possibilidade da visita ocorrer durante o verão americano, entre julho e setembro.

AGB

Obama: o jovem que escreve seus discursos

É o próprio Barack Obama quem diz: Jon Favreau é o meu “mind reader”. Aos 27 anos (e não parece um ano mais velho que isso), com muito café e muitas latas de Red Bull, Favreau não sabe apenas ler os pensamentos de Obama. Sabe também passá-los para o papel, estruturá-los, para que Obama os devolva às multidões, em frases eletrizantes. O discurso de posse também é seu. Passou semanas e semanas trabalhando nele. Hoje, tornou-se no mais jovem “speechwriter” presidencial.

A revista “Newsweek” escreveu que Jon Favreau tem o pior e o melhor trabalho na história dos redatores de discursos. O pior, porque o seu patrão é alguém que, na verdade, não precisaria da sua ajuda, já que escreveu sozinho não apenas dois “best-sellers” “Dreams from My Father” (“A Minha Herança”) e “The Audacity of Hope” (“Audácia da Esperança”), como o discurso que o levou para a fama nacional, em 2004, na Convenção Nacional Democrata. “Ao mesmo tempo, o mesmo patrão é capaz de discursar de uma forma que faz o seu auditório ficar arrepiado.” E não deve haver muito melhor do que isto para quem ganha a vida a escrever para os outros.

Favreau tinha apenas 23 anos, recem formado no College of the Holy Cross em Worcester (Massachusetts). Conta o “New York Times” que Obama estava ensaiando o discurso da Convenção, nos bastidores, quando Favreau, que fazia parte da equipe do candidato democrata às presidenciais, John Kerry, o interrompeu: havia um problema de ritmo no discurso. “Ele olhou para mim, um bocado confuso, tipo: ‘Quem é este garoto?’”, conta Favreau.

O “garoto” era já speechwriter de Kerry, por puro acaso. Estava na hora certa no local certo, no momento em que a campanha do democrata estava prestes a implodir.

Favs, como é conhecido entre os amigos, decorou o discurso de 2004 palavra por palavra, andou sempre com os livros de Obama debaixo do braço, em particular a autobiografia “Dreams from My Father”. E o dono da voz confundiu-se com a voz do dono.

Quando Obama venceu a nomeação democrata contra Hillary Clinton (que atacara os dons de oratória do rival: “As campanhas fazem-se com poesia, mas a governaça é com prosa”), os dois levaram meia hora para chegar à frase que abriria o discurso de vitória: “Diziam que este dia nunca chegaria”.
Quando Obama enfrentou a polêmica com um discurso sobre o racismo que incendiou negros e brancos e foi qualificado de histórico por centenas de jornais – “A raiva é real, é poderosa e o simples fato de desejar que desapareça, ou condená-la sem entender suas raízes, só serve para aumentar o abismo da falta de entendimento que existe entre as raças” -, a pluma de Favreau já estava cumprindo seu trabalho. Cinco meses depois, em Denver, quando Obama colocou no bolso os delegados democratas com seu discurso para uma platéia de 38 milhões de telespectadores – “Temos mais riqueza que ninguém, mas isso não nos torna ricos. Temos as maiores forças armadas da terra, mas não é isso que nos faz fortes. Nossas universidades e nossa cultura são a inveja do mundo, mas não é por isso que o mundo se aproxima de nós. É o espírito americano, essa promessa americana que nos empurra quando o caminho se torna incerto. Essa promessa constitui nossa maior herança” -, Favreau também havia feito seu trabalho. Na noite em que Obama ganhou as eleições e pronunciou um discurso em Chicago – “Se ainda resta por aí alguém que duvida que os EUA são um lugar onde tudo é possível…” – que comoveu milhões de cidadãos, Favreau também tinha pronto o da derrota, caso seu chefe perdesse.

O discurso que Obama pronunciou nesta terça-feira ficará para a história como seu discurso, mas Favreau também levará sua parte de reconhecimento. Nos EUA, os redatores que escrevem para outras pessoas são chamados de fantasmas (“ghost writers”). Robert Schlesinger, escreveu em seu blog que a chave do sucesso de um fantasma é saber captar a voz de seu chefe, que tenham trabalhado muito tempo lado a lado e que o chefe confie plenamente nele.

Favreau estava sempre com Obama. Deitava-se às três da manhã, levantava-se às cinco. Ia para os Starbucks encher-se de cafeína para aguentar o sono enquanto escrevia no seu computador. Desde que Obama ganhou as presidenciais, em 4 de Novembro, que o ritmo ficou ainda mais frenético, para preparar o discurso de posse.

“O que faço é sentar-me com ele durante meia hora. Escrevo tudo o que ele diz. Refaço, escrevo. Ele escreve, refaz. É assim que o produto fica acabado.” Quando trabalhamos com o senador Obama, o principal ator do discurso é ele, diz.

EUA:

Obama recebe o OK de Boa sorte da filha menor

Revista Time: Obama o homem do ano


A revista Time, uma das mais influentes dos Estados Unidos, deu ao ao presidente eleito do país, Barack Obama, o prêmio de personalidade do ano de 2008. No ano passado, o vencedor foi o então presidente russo Vladimir Putin.

Obama superou o secretário do Tesouro, Henry Paulson, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, a governadora do Alasca, Sarah Palin e o cineasta chinês Zhang Yimou. O prêmio da revista é dado à pessoa que, na visão da Time, mais influenciou o ano.

“Chegou ao cenário americano como um trovão, realocou nossa política, fez em pedacinhos décadas de sabedoria convencional e superou séculos de ordem hierárquica social”, diz a revista, ao explicar alguns dos motivos da escolha.

Sobre Obama, que será o 44º presidente da história dos EUA a partir de 20 de janeiro, a publicação americana afirma também que, além desses fatos simbólicos, sua vitória eleitoral ocorreu em um
momento de crise e ele “reagiu de uma maneira sem precedentes para formar uma Administração que proporcione confiança a um mundo em pleno abalo”.

Uma foto do presidente eleito dos EUA será a capa do próximo número da “Time”, um lugar que antes ocuparam outras personalidades políticas ou artísticas, como o atual primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, o próprio George W. Bush, e o cantor e compositor irlandês Bono, entre outros.

Revista Time

Obama chama promotor negro para Justiça

O presidente eleito dos EUA, Barack Obama, escolheu Eric Holder (foto) para ser secretário de Justiça, segundo a revista “Newsweek”, que cita duas “fontes confiáveis da equipe de transição”. Holder, de 57 anos, foi secretário-adjunto durante o governo Clinton.

Se confirmado pelo Senado, que é dominado pelos democratas, ele se tornará o primeiro negro a chefiar o Departamento de Justiça dos EUA. Nascido em Nova York e graduado na Universidade de Columbia, Holder trabalhou durante muitos anos como promotor federal, um trabalho no qual ganhou reputação de inimigo da corrupção no setor público. É considerado um centrista na maioria dos casos.

A “Newsweek” diz que o anúncio oficial da nomeação não acontecerá antes dos do secretário do Tesouro e do secretário de Estado.

Newsweek

Obama: louça brasileira no banquete da posse

Banquete na Casa Branca - foto ilustrativa

Um empresa brasileira, a companhia de peças de metais St. James, vai fornecer seus produtos para a cerimônia de posse de Barack Obama na Presidência dos Estados Unidos no dia 20 de janeiro.

Quase 700 objetos como jarras, samovares, bandejas, açucareiros e baixelas da marca acabam de ser encomendados pela Casa Branca.

Os produtos, segundo Ricardo Saad, sócio-diretor da empresa, são moldados por artesãos e a empresa convidou Claudia Moreira Salles e Ari Lyra para desenvolverem peças da nova coleção da marca.

%d blogueiros gostam disto: