Arquivos de tags: Jorge Amado

Band quer apresentar a novela “Tocaia Grande”

A Bandeirantes se prepara para anunciar a apresentação da novela “Tocaia Grande”, produção da extinta Rede Manchete que foi exibida de 16 de outubro de 1995 a 10 de setembro de 1996. Inspirada na obra de Jorge Amado, foi adaptada por Duca Rachid , Mario Teixeira e Marcos Lazarini, autor de ³Água na Boca².
Tocaia Grande é a história da fundação de uma cidade no sul da Bahia numa época em que as plantações de cacau eram adubadas com sangue. A história conta a disputa pela terra e pelo domínio político entre coronéis.

“Tocaia Grande” será exibida na faixa das 22 horas. Portanto, a emissora já estuda um novo horário para o programa “CQC”. O Custe o que Custar poderá entrar as 21h00 ou depois da novela.

Livro inédito de Jorge Amado – A Hora da Guerra

Para matar a saudade de sua prosa, a editora Companhia das Letras lança livro inédito de Jorge Amado – A Hora da Guerra, leia sinopse abaixo:
A ‘Hora da Guerra’ é uma pequena trincheira”, define Jorge Amado, no texto que comemora o aniversário de um ano da coluna que manteve diariamente entre 1942 e 1945, no jornal O Imparcial, de Salvador. Reunidas pela primeira vez em livro, as 103 melhores crônicas dessa coluna revelam um escritor engajado no esforço dos aliados para derrotar o nazifascismo na Europa, na África e na Ásia.
Mas a compreensão que Jorge Amado tinha daquele momento crucial da história ia muito além da frente político-militar. Entre as rajadas que dispara contra Hitler, Mussolini, Franco e Plínio Salgado – e as louvações que dirige a Stálin -, ele defende, nos mais variados campos de atividade, valores caros à civilização, como a liberdade, a tolerância e a paz.
Assim, encontramos nessas páginas artigos que elogiam o papel humanista dos artistas e intelectuais, a atuação das mulheres no esforço de guerra, os romances recém-lançados de José Lins do Rego e Ilya Ehrenburg, a “grande arte” dos quadros de Lasar Segall e a participação de estrelas como Clark Gable e Ernest Hemingway no front, entre vários outros. A retórica veemente é muitas vezes associada a um humor bem brasileiro, como quando o escritor baiano chama o ditador espanhol de “Chico Franco, o gaiato de Madri”.
É sua perspectiva calorosa e humanista, sempre em defesa do homem comum, particularmente daqueles mais desafortunados, que aproxima estas crônicas militantes da prosa lírica dos romances de Jorge Amado.
Com seleção de Myriam Fraga, diretora da Fundação Casa de Jorge Amado, e da antropóloga Ilana Seltzer Goldstein, Hora da Guerra traz um prefácio esclarecedor do historiador Boris Fausto e um caderno com 31 imagens históricas da guerra e das personalidades citadas nas crônicas.

Casa de Zélia e Jorge Amado será memorial

Os filhos de escritora Zélia Gattai e do escritor Jorge Amado, Paloma e João Jorge, confirmaram hoje a intenção de criar um memorial em homenagem a seus pais, na tradicional casa da família, no Rio Vermelho.

Zélia Gattai morreu ontem, aos 91 anos. O prefeito João Henrique Carneiro (PMDB-BA), uma das muitas personalidades políticas que estiveram hoje no velório de Zélia, anunciou sua adesão à proposta e disse que criará uma comissão municipal para apoiar o projeto.

O dia chuvoso em Salvador não impediu que centenas de políticos, intelectuais e populares comparecessem ao velório, todos lamentando a perda de Zélia e ressaltando o papel de destaque que ela e Jorge Amado ocuparam na cena cultural baiana e nacional. “Os que conviveram com Jorge e Zélia sentem muito a falta que eles fazem”, disse o artista plástico Mario Cravo Neto.

A cerimônia de despedida a Zélia começou no fim da tarde em uma das capelas do Cemitério Jardim da Saudade, mas a cremação só deverá ocorrer nesta segunda-feira, com a entrega das cinzas à família prevista para terça-feira.

AE

%d blogueiros gostam disto: