Arquivos de tags: Folha SP

Por que Nelson Motta saiu da “Folha”

Segundo o jornalista Ricardo Kotscho a saida do colunista Nelson Motta da Folha agora se esclarece. Diz o decano jornalista:

” – Se não tivesse ido ao supermercado na terça-feira não ficaria sabendo por que o colunista Nelson Motta deixou abruptamente a coluna carioca da “Folha” nas sextas-feiras.

Em sua lacônica coluna de despedida Motta nada esclareceu, e o jornal também não se preocupou em dar uma satisfação aos leitores.

Foi o seguinte, como me contou um velho amigo testemunha dos fatos com quem cruzei no supermercado.

Na coluna anterior, “O rei e o leão”, o jornalista, compositor e produtor musical Nelson Motta criticou a crítica do jornal que criticou o show de Caetano Veloso e Roberto Carlos em São Paulo.

Até aí, não teria nada demais, até porque o jornal bem que gosta de uma polêmica. Acontece que a direção do jornal foi informada que Nelson Motta havia trabalhado na produção deste show.

Cobrado por seus superiores por ter omitido esta informação, ele se aborreceu e disse tchau, não admitindo que colocassem em dúvida a sua ética profissional.

O caso Motta-”Folha” pode nos recomendar uma reflexão sobre os caminhos e interesses cruzados entre jornalismo e entretenimento, cada vez mais comuns. Em um dos seus livros, o jornalista e professor José Arbex já definiu esta prática como “shownalismo” .

Ricardo Kotscho

PF: Repórter da Folha teve prisão decretada


Autora do furo que revelou, em 26 de abril, que a Polícia Federal (PF) estava investigando e poderia prender Daniel Dantas e Nagi Nahas por crimes financeiros, a repórter Andréa Michael, da sucursal da Folha de S.Paulo em Brasília, também teve sua prisão preventiva solicitada como parte da Operação Satiagraha, colocada em marcha na manhã da última terça-feira, 8. A PF ainda solicitou autorização à Justiça para realizar uma operação de busca e apreensão de documentos em sua casa. A alegação é vazamento de informação sigilosa.

“Além de Dantas, os principais alvos da investigação da PF são o sócio dele Carlos Rodemburg, sua irmã e também parceira de negócios, Verônica Dantas, além do empresário e especulador Naji Nahas”, escreveu Andréa. A PF confirmou que a informação da repórter era correta: todas as pessoas citadas por ela foram presas na Operação Satiagraha. A Polícia, contudo, não pediu a prisão de nenhum dos policiais que passaram a informação à jornalista.

De acordo com a Polícia Federal, as informações foram passadas para a jornalista por um grupo que queria alertar Daniel Dantas sobre a operação. Por isso, a prisão da jornalista foi pedida. O procurador da República Rodrigo De Grandis não concordou com o pedido de prisão feito pela PF, mas corroborou o pedido de busca e apreensão na casa da repórter. O objetivo, segundo ele, era saber quem foi sua fonte. O juiz Fausto Martin De Sanctis respeitou o princípio constitucional que garante ao jornalista o sigilo da fonte e não acolheu o pedido.

Para o criminalista Alberto Zacharias Toron, o pedido de prisão da jornalista é uma violência. “Enquanto não há regra que proíba o jornalista de publicar material sigiloso, não se pode falar em crime.

IstoÉ adultera foto comprada à Folha

A revista “IstoÉ”, publicação da Editora Três, adulterou uma fotografia adquirida da Folha. A imagem foi publicada pela revista na edição do final de semana, ao lado da reportagem “O MST contra o desenvolvimento”.

A revista apagou digitalmente a expressão “Fora Serra”, referência ao governador José Serra (PSDB-SP). A frase aparecia, na foto original, pichada numa placa de trânsito por integrantes do MST na rodovia Arlindo Bétio, que liga SP a MS e PR. Eles participavam de um ato contra a privatização da Cesp (Companhia Energética do Estado de São Paulo).

Em e-mail enviado ontem à Folhapress, agência de notícias do Grupo Folha, o editor-executivo da agência IstoÉ, César Itiberê, confirmou a adulteração e pediu desculpas.

“Houve realmente manipulação por photoshop [programa de computador] da imagem dos sem-terra, com intenção absolutamente estética.” Ele afirmou, por telefone, que “não houve nenhuma ordem [superior], nenhuma orientação política, nenhum dolo. Houve um mal-entendido”.

FSP

%d blogueiros gostam disto: