Arquivos de tags: Embrião Congelado

Embrião congelado: “trigêmea” nasce 11 anos após irmãs

São 11 anos que separam os nascimentos da pequena Ryleigh Shepherd das irmãs Bethany e Megan.

As três jovens inglesas são consideradas, tecnicamente, trigêmeas – já que foram concebidas ao mesmo tempo, por fertilização in vitro -, mas só em dezembro de 2009 é que os pais, que moram em Walsall, no Reino Unido, decidiram que dariam à luz a terceira filha. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail.

Segundo a reportagem, em 1994, Lisa Shepherd descobriu que suas chances de fertilização natural eram muito pequenas. Ela tomou remédios para aumentar a possibilidade de engravidar, mas nada deu certo. Foi então que tomou uma decisão com o marido, Adrian, e, em setembro de 1998, uma clínica coletou 24 óvulos da mulher.

Pelo menos 14 óvulos foram fertilizados com sucesso , sendo dois implantados no útero de Lisa e os demais foram congelados. O tratamento foi um sucesso e as duas meninas nasceram.

Após nove anos, o casal, feliz com o sucesso do tratamento e um pouco mais livre após o crescimento das gêmeas, decidiu ter mais um filho. “Nós perguntamos às meninas o que elas achavam de ter mais um membro na família, e elas realmente queriam”, diz Lisa ao site.
Ryleigh nasceu em novembro com 3,1 kg e saudável. Segundo a reportagem, especialistas dizem não conhecer outro caso com uma diferença tão grande de embriões fertilizados no mesmo tratamento.

Trigêmeas:
Por terem sido fertilizadas no mesmo momento, as meninas podem ser chamadas tecnicamente de trigêmeas segundo a médica Helena Corleta, coordenadora do Núcleo de Reprodução Humana do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre. Mas o termo causa estranhamento na prática, já que elas não se desenvolveram juntas, no mesmo útero, observa.
Segundo Helena, não há um limite de tempo para o congelamento de embriões, o que diminui o espanto com o caso da menina britânica. Contudo, Helena afirma que o maior tempo entre o congelamento e a transferência do embrião foi cinco anos.

“No momento em que (o embrião) congela, para o metabolismo celular, e ele retorna quando descongela e ele vai readquirir a capacidade de dividir a célula”, diz a médica. Sobre a quantidade de embriões fecundados, Helena explica que hoje em dia o procedimento envolve muito menos óvulos, mas o número ainda é alto. “Congelamos somente embriões muito bons. Temos que congelar pelo menos oito para garantirmos a fertilização”.

A especialista explica ainda que, naturalmente, um óvulo fertilizado tem entre 16% e 20% de se desenvolver um feto, por isso dois embriões foram transferidos no caso de Lisa, o que é bem comum. “O Brasil permite até quatro, mas normalmente transferimos somente dois, o que oferece 40% de chance de gravidez única”.
Fonte:Terra

%d blogueiros gostam disto: