Arquivos de tags: DST

Mulheres terão 20 milhões de camisinhas grátis em 2012

O Ministério da Saúde começa a distribuir em maio o primeiro lote dos 20 milhões de preservativos femininos que serão entregues ao longo do ano.

As populações prioritárias serão definidas de acordo com critérios de vulnerabilidade a doenças sexualmente transmissíveis (DST), incluindo a aids e as hepatites virais.
No público-alvo estão profissionais do sexo, mulheres em situações de violência doméstica e/ou sexual, pessoas com HIV/aids, usuárias de drogas e seus parceiros e pacientes do DST.

Também se enquadram pessoas de baixa renda e usuárias do serviço de atenção à saúde da mulher que tenham dificuldade em negociar o uso do preservativo masculino com o parceiro.
Segundo o ministério, esta é a primeira aquisição feita pelo governo de camisinhas femininas de terceira geração, fabricadas com borracha nitrílica.
Foram gastos R$ 27,3 milhões, sendo o preço unitário R$ 1,36.

O preservativo feminino chegou ao mercado brasileiro em 1997, quando a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou a comercialização do produto no país.
As 20 milhões de unidades a serem distribuídas este ano representam um aumento de 25% em relação à compra de toda a série histórica, que totaliza 16 milhões de camisinhas.

Uma pesquisa feita pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais em 2008 mostrou que cerca de 90% das mulheres sexualmente ativas no Brasil conhecem ou pelo menos já ouviram falar da camisinha feminina.

Camisinha: mais publicidade

A Hypermarcas, que adquiriu as marcas de preservativos Jontex e Olla, vai investir pesado em publicidade para alcançar a meta de dobrar a venda de camisinhas num prazo médio.

Isso porque o consumo de preservativos no Brasil está bem abaixo do que o registrado em outros países: é comprada no país 1,7 camisinha per capita por ano, contra 10 no Japão, 8 na Grécia e 4,5 nos EUA, de acordo com dados da Nielsen estudados pela empresa.

CAMISINHA NACIONAL
A Hypermarcas, que é brasileira, conseguiu adquirir a Jontex da Johnson & Johnson depois de um processo competitivo em que se habilitaram empresas de países como Inglaterra e Austrália. Hoje, cerca de 80% das camisinhas consumidas no país são importadas.

Monica Bergamo

%d blogueiros gostam disto: