Arquivos de tags: cias aéreas

UE autoriza criação da maior cia aérea mundial

A Comissão Europeia, reguladora da concorrência no Velho Continente, autorizou nesta terça-feira (27) a fusão das companhias aéreas americanas United e Continental, que dará origem a um líder mundial no setor.

A transação, avaliada em US$ 3 bilhões, “não impedirá de forma significativa a concorrência efetiva” na Europa, segundo comunicado da Comissão.

Combinadas, elas terão acesso a 370 destinos em 59 países, com negócios avaliados em US$ 29 bilhões, uma frota de 700 aparelhos e 87.000 empregados em todo o mundo.

“A investigação da Comissão confirmou a complementaridade das redes United e Continental para ligações transatlânticas entre o espaço econômico europeu e os Estados Unidos e o fato de a operação de concentração não representar nenhum problema para nenhuma ligação em particular”, segundo comunicado de Bruxelas.

A operação deverá ainda ser aprovada por acionistas e pelas autoridades competentes nos Estados Unidos que, em 2001, impediram a fusão da United com a US Airways.

Brasil Econômico

Negado pedido da Azul para usar Santos Dumont

A tentativa da Azul Linhas Aéreas de driblar as restrições no Santos Dumont por vias judiciais foi frustrada. Ontem, o mandado de segurança impetrado pela companhia para iniciar voos no aeroporto central do Rio de Janeiro foi negado pela juíza Iolete Maria Fialho de Oliveira, da 16ª Vara da Justiça Federal da 1ª Região.

A Azul não informou se recorrerá da decisão, que é de primeira instância.

A empresa entrou com mandado de segurança na semana passada para operar voos entre Santos Dumont e Viracopos, em Campinas (SP). Atualmente, o aeroporto carioca está limitado a operações para o aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e para voos feitos com turboélices de até 50 lugares. Essas restrições, entre outras, foram impostas em março de 2005 pela portaria 187 do antigo Departamento de Aviação Civil (DAC) – substituído pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) – com o objetivo de transferir voos do Santos Dumont para o então ocioso aeroporto do Galeão.

A Anac vem trabalhando para extinguir essa portaria. No dia 22 do mês passado, organizou audiência pública sobre o tema. A agência, segundo sua assessoria de imprensa, responderá a todos os argumentos apresentados durante a reunião e estima que tomará uma decisão sobre a abertura do Santos Dumont até março.<

A agência argumenta que sua lei de criação estabelece a liberdade para que as empresas aéreas façam quaisquer rotas, desde que obedeçam limitações de segurança e de capacidade dos aeroportos. Esse argumento também foi usado pela Azul em sua ação judicial.

A Azul iniciou suas operações comerciais em dezembro e é uma das principais interessadas em voar no Santos Dumont por causa de sua localização privilegiada. O plano da companhia é servir 22 cidades a partir do local, com cerca de 90 voos diários. A empresa inclusive alterou seu plano de frota visando operar no aeroporto. Inicialmente, compraria apenas aviões do modelo 195 da Embraer, mas incluiu na encomenda jatos 190 com a justificativa de que eles se adaptam melhor às pistas do Santos Dumont, que estão entre as mais curtas do país. A Azul tem cinco aviões em operação.

O principal opositor a mudanças no Santos Dumont é o governo estadual do Rio de Janeiro, para quem a abertura do aeroporto central esvaziaria o Galeão. A TAM, líder de mercado, endossa a posição. “Porém se esta (a liberação do aeroporto) for a decisão das autoridades aeronáuticas, temos aviões preparados para isso e seremos competitivos”, diz a aérea em nota.

Roberta Campassi/Valor

Anac aumenta indenizações pagas a passageiros

As empresas aéreas terão 180 dias para se adaptar às novas regras estipuladas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para indenização de passageiros. Os valores, que hoje são de R$ 14,2 mil no caso de morte ou lesão e de R$ 609 no caso de problemas com bagagem ou atrasos, passarão para R$ 40,9 mil e R$ 1,7 mil, respectivamente. A decisão da Anac de atualizar os valores do indexador que determina as indenizações seguiu uma recomendação do Ministério Público de São Paulo.

De acordo com a resolução publicada no Diário Oficial da União da última quinta-feira, cada unidade da Obrigação do Tesouro Nacional (OTN) deverá valer R$ 11,7. O Código Brasileiro de Aeronáutica estabelece que, no caso de morte ou lesão, as companhias aéreas devem pagar o equivalente a 3,5 mil OTNs e, em casos de atraso ou dano da bagagem, 150 OTNs.

A Anac também estabeleceu que o valor unitário da OTN deverá ser atualizado de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPC-A).

Agencia Brasil

%d blogueiros gostam disto: