Arquivos da Categoria: Copa do Mundo

Desempregado Maradona quer treinar time brasileiro

Maradona e Mancuso dizem que adoram o Brasil

Desligado da seleção argentina, Maradona pode até continuar sua até agora curta carreira de treinador no futebol brasileiro. Isso é o que diz seu fiel escudeiro e auxiliar técnico, o ex-jogador Alejandro Mancuso.

O ex-volante de Palmeiras e Flamengo conheceu Maradona pela primeira vez em um amistoso entre Brasil e Argentina, em 93, e fez o gol da equipe azul e branca no empate por 1 a 1, no Monumental de Nuñez. Depois, jogaram juntos a Copa de 94, viraram amigos inseparáveis e passaram a trabalhar juntos, em 2008. Mancuso, inclusive, trajava as mesmas roupas que Maradona ao participar da comissão técnica argentina na disputa da Copa-2010.

‘Por enquanto vamos continuar juntos. Vamos descansar e analisar quais são as melhores propostas’’, disse Mancuso à reportagem, antes de responder se recebeu convites do Brasil.

‘Talvez sim [risos]. Não me pergunte mais sobre isso, hein?’’, disse o ex-atleta, para depois dizer que a dupla já conversa sobre trabalhar no Brasil e vê com bons olhos a oportunidade.

‘Já conversei com Diego sobre isso [trabalhar no Brasil]. Falei já muito bem do Brasil pra ele, sobre como é bom o trabalho com as pessoas aí. Temos relacionamento muito bom com os brasileiros. Mas vamos analisar tudo com calma.’’

Mancuso negou ser o pivô da saída de Maradona da seleção. ‘Não houve acordo. Eles queriam mandar embora algumas pessoas que trabalhavam conosco, e não queríamos isso

WSCOM Online

Muricy Ramalho é o novo técnico da seleção brasileira

Acabou o mistério: Muricy Ramalho é o novo técnico da seleção brasileira. Ele está neste momento reunido com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, no Itanhanga Golf Club, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, acertando detalhes do contrato.

Muricy já havia sido sondado ainda na noite de quinta-feira, no Maracanã, após a vitória do Fluminense sobre o Cruzeiro por 1 a 0. Resta saber se ele irá conciliar o comando da seleção com o do Fluminense.

Ao longo da semana, seu nome foi um mais cotados, ao lado do técnico do Corinthians Mano Menezes, para assumir o posto. Nesta quinta, o comandante tricolor alcançou, pelo sexto ano consecutivo, a liderança do Campeonato Brasileiro. No vestiário do Maracanã, após a vitória sobre o Cruzeiro, ele chegou a brincar dizendo que um trio com Felipão, Mano e ele próprio seria uma boa alternativa para a seleção.

Eleito o melhor técnico do Brasileirão entre 2005 e 2008, Muricy tem como ponto alto da carreira o tricampeonato nacional com o São Paulo (2006, 2007 e 2008), depois de ter sido vice com o Inter em 2005. Como jogador, nos tempos em que ainda era cabeludo, foi um talentoso meia do tricolor paulista entre 1973 e 1979, com 26 gols em 177 jogos.

Em recente entrevista ao jornal O Globo, o treinador disse que sua maior frustração foi não ter participado da Copa do Mundo de 1978. Segundo ele, o sonho só não foi realizado por causa de uma lesão que sofreu nos tempos em que o técnico Coutinho definia o grupo que jogaria na Argentina.

Muricy Ramalho jogador São Paulo arquivoMuricy nos tempos de jogador (Foto: Gazeta Press)

– É uma coisa que me marcou e que eu não esqueço. Era a minha oportunidade, faltava um ano, e com certeza eu iria. Não ia ser titular, porque o titular era o meu ídolo Zico, eu ia ser reserva dele. Já estava bom  – comentou o ex-jogador, que também defendeu o Puebla, do México, entre 1979 e 1985.

Muitas vezes rabugento em entrevistas coletivas, Muricy também se tornou famoso por suas frases. Com o lema “isso aqui é trabalho”, não foram poucas as pérolas até mesmo em momentos de  alegria, como na comemoração do tricampeonato com o São Paulo em 2008.

– Faz uns 20 anos que estou com sorte, é muita para um cara só. Fica em casa para ver se a sorte vai te ajudar. Tem que trabalhar – disse na ocasião.
A carreira de Muricy como treinador começou como auxiliar de Telê Santana no São Paulo. Além das passagens pelo tricolor paulista, pelo Fluminense e pelo Internacional, Muricy também treinou Guarani (1997),  Ituano (1999), Botafogo-SP (1999), Santa Cruz (2000), Náutico (2001/2002), Figueirense (2002), Internacional (2003), São Caetano (2004) e Palmeiras (2009/2010). No exterior, trabalhou no  Shangai Shenhua, da China, em 1993.

Seu primeiro título foi o bicampeonato pernambucano pelo Náutico em 2001/2002. Em 2003, foi campeão gaúcho pelo Inter. No ano seguinte, levou o São Caetano à conquista do Paulistão. Em 2005, foi mais uma vez campeão estadual pelo Inter. Em 2006 deu início à campanha do tri nacional pelo São Paulo, sequência que só foi interrompida com o quinto lugar pelo Palmeiras no ano passado.

Pacaembu é o preferido para Copa 2014

Antigo estádio pode pintar em 2014 (Ari Ferreira)

O comitê paulista apresentará três estádios para a Copa-14 no encontro de hoje com o presidente do Comitê Local e da CBF, Ricardo Teixeira, no Palácio dos Bandeirantes. O Pacaembu passou a preferido para substituir o Morumbi, que segue nos planos, apesar do veto da Fifa. Mas o único projeto concreto é o da Arena Palestra Itália.

O jogo de abertura está descartado. O Piritubão, por ora, não será avaliado. A Prefeitura e o Estado, dada a exigência da Fifa de um estádio para 65 mil pessoas, não encontraram parceiros para uma Parceira Público Privada (PPP).

O Pacaembu ganha um novo status justamente por ser a alternativa para uma PPP. Contudo, o comitê não confirma a participação da Odebrecht nem da Galvão Engenharia para a revitalização.

Uma proposta da Prefeitura previa R$ 250 milhões para as obras.

Mas isto há um ano. O Município também não assume a retomada das negociações com o Corinthians, em parceria com a Lusoarenas ou a Arena Amsterdã – com a qual tem um acordo formal –, para a administração das propriedades (camarotes, restaurantes, estacionamento…).

Já os dados da nova Arena Palestra Itália foram entregues há mais de 15 dias ao secretário de Economia e Planejamento do Estado e coordenador do Comitê paulista da Copa-14, Francisco Vidal Luna.

– O Palmeiras se colocou à disposição para os jogos. Mas não ficaremos frustrados se isso não ocorrer – comentou o presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo.

O Morumbi só voltará a ter reais chances com muita articulação política, como do presidente Lula. Ou caso a CBF e a Fifa entendam como frágeis as demais possibilidades.

OPÇÕES PAULISTAS PARA A COPA DE 2014


PACAEMBU
Passa a ser o preferido, única alternativa para uma PPP. Existe um projeto de revitalização de R$ 250 milhões. Mas sem atendimento ás especificações da Fifa. A estrutura arquitetônica do estádio é tombada pelo Condephaat. Odebrecht e Corinthians já mostraram interesse, mas nunca cravaram participação

PALESTRA ITÁLIA
Há o terreno, o projeto e os investidores. A construção está para começar e os dados foram pedidos pelo Comitê para avaliação. A capacidade de público será de cerca de 45 mil pessoas. viável para primeira fase e oitavas. Há metrô e trem nas cercanias.

MORUMBI
O Comitê insiste no estádio, não mais para a abertura, dada a reforma em curso e dos inúmeros projetos de mobilidade urbana no entorno. Mas CBF e Fifa já o vetaram, inclusive com nova carta ao Governo do Estado. O São Paulo mantém obras independentemente da participação em 2014.

PIRITUBÃO
Falta o projeto do estádio e a Prefeitara eo Estado ainda não encontraram aliados para uma parceria público-privada. Gente no Governo já diz que a possibilidade foi descartada, por conta do aproveitamento restrito do estádio pós-Copa e das dificuldades de mobilidade urbana.

MSN/Alessandro da Mata SP

Larissa Riquelme fica nua para os espanhóis

A paraguaia que havia prometido posar nua se a seleção do seu país passasse pela Espanha nas quartas, posou com as cores da Espanha para a capa de uma revista espanhola. Dessa vez, segundo ela, seu objetivo era apenas animar a Espanha.

O título da publicação insinua que Larissa tenha “virado a casaca”. Na foto, os maquiadores pintaram a bandeira da Fúria em seu bumbum. Na última terça-feira, a modelo chegou a anunciar que havia recusado uma proposta para um ensaio sensual com uma bandeira da Espanha. Segundo ela seria uma traição ao seu país.

Larissa Riquelme ficou conhecida como a Musa da Copa, depois de ser flagrada por câmeras de TV com um celular entre os seios. Com a boa parti

cipação do Paraguai, a modelo se empolgou e prometeu que posaria nua em caso de vitória da seleção latina nas quartas de final. No entanto, mesmo com a derrota dos paraguaios, Larissa não se intimidou e fez um ensaio pra lá de sensual como recompensa ao esforço dos jogadores.

Roshie Photography

Goleiro da Espanha beija ao vivo reporter da TV

O goleiro Casillas fez de tudo ontem na final da Copa – impediu gols ‘feitos’ da Holanda, chorou (muito) e levantou a taça em meio aos companheiros da seleçao espanhola. Mas a imagem que mais circulava ontem a noite foi o beijo que Casillas deu em Sara Carbonero, reporter da TV espanhola que foi entrevistá-lo ao vivo após a vitória.

A reporter Sara Carbonero é namorada do goleiro desde fevereiro e foi pega de surpresa. O vídeo está no YouTube, com mais de 400,000 views.

BlueBus

Fifa terá decreto para se proteger da pirataria na Copa 2014

Logo da Copa de 2014
Logomarca da Copa de 2014

O decreto presidencial que criará um comitê para atuar em defesa da propriedade intelectual e dos direitos comerciais da Federação Internacional de Futebol (FIFA) em relação à Copa de 2014 está pronto e será assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos próximos dias.

O texto, em fase final de análise na Casa Civil, servirá para o Brasil cumprir o compromisso assumido com a federação de criar mecanismos contra a pirataria e contra o “marketing de emboscada”, que é a associação irregular às marcas da Copa.

Na última quinta-feira (8), o presidente Lula apresentou a logomarca da Copa 2014. Pelas regras atuais, o logotipo ou qualquer expressão registrada pela Fifa não podem ser usados por empresas que não sejam patrocinadoras ou parceiras da federação. Isso significa que não é possível para uma loja, por exemplo, nem mesmo usar o termo “Promoção da Copa do Mundo”.

A Fifa já adotou providências para garantir seus direitos, informou o advogado Pedro Bhering, que representa a Fifa no Brasil na área de propriedade intelectual. Ele disse que 45 marcas relativas ao evento já foram registradas no Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI). Entre as marcas registradas estão termos como “Copa do Mundo”, “Copa do Mundo 2014”, “Mundial 2014”, “Brasil 2014” e outras.

A lei 9.279/1996, da propriedade industrial, diz que reproduzir ou imitar uma marca em um produto pode resultar em multa e prisão de um a três meses. A mesma punição é dada para quem vende esses produtos.

A preocupação com irregularidades no Brasil é maior, conforme especialistas, uma vez que a “indústria da pirataria” e o consumo desses produtos no Brasil é maior do que em outros países onde as competições foram realizadas anteriormente. Em uma pesquisa da Câmara de Comércio Internacional feita em 2007, o Brasil é apontado como o quarto país com ambiente mais desfavorável à proteção da propriedade intelectual. A África do Sul, que realizou o evento neste ano, ficou em 45ª posição no ranking.

Mariana Oliveira/G1/SP

Telão do Soccer City: ‘Vejo você no Brasil’

Dunga: o rancor da imprensa

O terceiro tempo já começou e será muito mais desagradável do que o segundo, o inesquecível pesadelo em Nelson Mandela Bay, Port Elizabeth, África do Sul.

A seleção argentina e especialmente o seu técnico, Diego Maradona, foram literalmente humilhados pelos alemães em campo e nas manchetes da imprensa internacional. Mesmo assim, foram recebidos no domingo (4/7) com muito respeito. Dez mil torcedores foram ao aeroporto de Ezeiza, Buenos Aires, solidarizar-se com o ídolo caído.

Nosso fiasco no gramado foi muito menor, o placar foi menos vexatório, a mídia mundial não nos espezinhou, apenas lamentou, mas aqui a indignação contra Dunga e seus pupilos é gritante.

Há um clima generalizado de malhação e uma raivosa caça aos bodes expiatórios que não condiz com a nossa cordialidade e bonomia. E quem está vocalizando a exibição de rancor é a imprensa.

Convém lembrar que no mesmo dia em que nossos guerreiros/cervejeiros foram obrigados a engolir a laranjada holandesa, a Folha de S.Paulo publicava uma sondagem segundo a qual Dunga tinha 69% de aprovação popular.

Erro de tabulação, inconstância da opinião pública ou perfídia de uma imprensa que esquece os verdadeiros culpados pela lambança – os cartolas – e investe apenas contra seus medíocres prepostos?

Faxina nos bastidores

Dunga foi desastrado e desastroso no trato com a imprensa, disso não há menor dúvida. Mas quem escolheu Dunga e deu-lhe cobertura em todas as crises foi o chefão da CBF, Ricardo Teixeira.

No antigo Japão quem cometia o haraquiri era o chefe supremo, aquele que escolhia o responsável pelo fracasso (quando não os dois).

Maradona soube interpretar magistralmente a vocação melodramática argentina, por isso está sendo amparado, ao menos neste início da ressaca. A imprensa o ataca por tabela para atingir seus padrinhos, o casal Kirchner, empenhado numa queda de braço com os meios de comunicação.

Mas a indicação do casmurro, bronco, zangado e incompetente Dunga contrariou radicalmente todos os arquétipos e paradigmas da alma brasileira; infame foi quem o preferiu, contrariando toda a lógica e esmagadoras evidências.

Qual o grande grupo brasileiro de mídia que terá a coragem de peitar o caudilho Ricardo Teixeira?

De nada adiantará a renovação total do plantel de jogadores para o Mundial de 2014 sem o indispensável saneamento dos bastidores do futebol. E para levar este processo às últimas conseqüências será preciso repensar o papel dos jornalistas na cobertura do espetáculo desportivo.

Por Alberto Dines. Observatório da Imprensa

CBF demite Dunga e toda equipe técnica

Dunga  não é mais técnico da Seleção (Foto: Reuters)

Dunga não é mais técnico da Seleção (Foto: Reuters)

Deu no LANCEPRESS!

A CBF anunciou neste domingo a destituição de toda a comissão técnica da Seleção Brasileira. O que não significa que alguns membros da comissão que comandou a equipe na Copa de 2010 não fiquem para um novo ciclo. A destituição oficial serviu muito mais como uma resposta a Dunga e Jorginho, que chegaram ao Brasil com o discurso de ficarem na CBF. Ricardo Teixeira deu seu recado imediato, ao contrário do que aconteceu em 2006, quando esperou para conversar com Carlos Alberto Parreira e não anunciou publicamente uma destituição da comissão técnica.

Da comissão técnica da Copa de 2010, são funcionários da CBF o técnico Dunga, o auxiliar Jorginho, o supervisor Américo Faria, o administrador Guilherme Ribeiro e o assessor de imprensa Rodrigo Paiva. Os dois primeiros não têm mais função e serão demitidos. Américo Faria pode até continuar como diretor de seleções, mas talvez deixe a Seleção principal. Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol do Vasco, é nome cotado para assumir a função. Rodrigo Paiva, por conta da Copa de 2014, também pode se afastar da Seleção e cuidar apenas do Mundial e da assessoria institucional da CBF.

Todos os demais membros que foram destituídos eram prestadores de serviço. Ganhavam apenas enquanto estavam trabalhando, quando a Seleção se reunia. São eles: José Luiz Runco (médico), Paulo Paixão e Fábio Mahseredjian (preparadores físicos), Marcelo Cabo e Taffarel (observadores), Luís Rosan e Odir Souza (fisioterapeutas), Barreto (roupeiro) e Denis (massagista). Muitos destes já foram destituídos outras vezes e podem voltar para um novo ciclo. Tudo dependerá muito de quem assuma o comando da Seleção na próxima semana.

Os problemas que Dunga criou ao longo de quatro anos já desgastavam o técnico com a direção da CBF. Ele entrou em rota de colisão com patrocinadores, reclamou de stands montados na Granja Comary, brigou com a principal parceira da CBF (Rede Globo) e criava constantes atritos com jornalistas. Assim, já era intenção trocar de técnico, mesmo se o Brasil tivesse vencido a Copa.

O desempenho, obviamente, não agradou. A CBF gastou muito para manter a Seleção isolada, da maneira que Dunga queria. A Seleção perdeu na mesma fase que em 2006 e teve um desempenho pior do que o de Parreira. Com um detalhe: por causa da negociação do período de preparação naquela Copa, o prejuízo financeiro foi bem menor.

Dunga é recebido com aplausos

Dunga chegou a Porto Alegre por volta das 11h30min deste domingo, acompanhado pelo preparador físico Paulo Paixão. Após desembarcar em um voo fretado que fez escala em Florianópolis, devido ao fechamento do Aeroporto Salgado Filho durante boa parte da manhã, o técnico da Seleção Brasileira foi recebido por amigos e por cerca de 50 torcedores. Muito requisitado para cumprimentos e fotos, chegou até a ser aplaudido.

Diferentemente do que falou durante toda a Copa, de que o Mundial seria o ponto final da sua passagem pela Seleção, Dunga cogitou continuar o trabalho. Em rápida entrevista no aeroporto, revelou que vai se reunir com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, para definir o futuro.

— Vou descansar, e daqui a uma semana ou duas, quando o presidente voltar da África, vamos conversar. Vai depender do que ele conversar conosco. Trabalhei com jogadores de excelente nível, perdemos somente seis partidas, fomos campeões da Copa América. Quando a equipe começou a se acertar na Copa, tivemos essa fatalidade — lamentou.

Dunga considerou positivo o trabalho, lamentou os desfalques de Elano e Ramires na partida contra a Holanda e deu uma declaração forte sobre o sentimento após a derrota para a Holanda:

— A sensação é de que um pedaço de nós ficou na África do Sul. As coisas estavam correndo bem, mas o futebol é assim. Pelo primeiro tempo que o Brasil tinha jogado, parecia que íamos passar. Na bola parada, que era um dos nosso fortes, acabamos sofrendo o gol. Mas a população viu o nosso trabalho. Tínhamos projetado resgatar esse amor à Seleção Brasileira, formar uma Seleção parecida com o povo, trabalhadora. Em alguns momentos, tivemos que ser mais duros, porque era necessário para proteger a Seleção.

Tranquilo, o treinador descartou guardar qualquer mágoa após três anos e meio no cargo.

— É um trabalho que deve ser mantido para a Seleção. Não tenho mágoa de forma nenhuma. Gostaríamos de ir mais à frente, mas temos que saber perder e saber ganhar. Outras vezes sorrimos e outros choraram, esta é a nossa vez de ir às lágrimas.

RÁDIO GAÚCHA E CLICESPORTES

%d blogueiros gostam disto: