Arquivo do dia: maio 21, 2012

SAÚDE: Consumo de café reduz o risco de morte, aponta novo estudo

Um estudo publicado na edição de 17 de maio do New England Journal of Medicine mostrou uma relação inversa
entre consumo de café e risco de morte por doença cardíaca, respiratória, acidentes, diabetes e infecções. Os
resultados mostraram ainda que quanto maior o consumo de café, menor o risco de morte por estas causas.

No estudo, os autores cruzaram as informações de mais de 400 mil participantes de outro amplo estudo americano,
o National Institutes of Health (NIH)–AARP Diet and Health Study, com dados de mortalidade obtidos em média
14 anos depois. As informações alimentares e de hábitos de vida dos participantes foram obtidas através de
questionários e incluíam a quantidade de café consumida diariamente e o tipo de café (cafeinado ou descafeinado).

Após ajuste para diversas variáveis, incluindo tabagismo, consumo de álcool e índice de massa corporal, o consumo de
café se mostrou inversamente proporcional ao risco de morte. Em relação a homens e mulheres que não consumiam
café, aqueles que consumiam 3 ou mais copos* ao dia apresentaram redução de 10% no risco de morte. Apesar de
não ter sido encontrado uma associação entre café e risco de morte por câncer entre mulheres, homens que consumiam
mais de 6 copos ao dia tiveram um discreto aumento no risco da doença.
Todas as análises do estudo excluíram o efeito de fatores potenciais de confusão como tabagismo ou obesidade,
portanto a associação observada entre consumo de café e mortalidade se deve unicamente ao efeito da bebida. Porém,
uma observação interessante do estudo foi que o grupo que consumia mais café também apresentava hábitos de vida
menos saudáveis com maior consumo de cigarro, bebidas alcoólicas (>3/dia) e carne vermelha, menos atividade física
vigorosa e menor consumo de frutas, verduras e carne branca.

Dois terços dos participantes que consumiam café declararam tomar a bebida cafeinada, mas na análise final, o
consumo de café descafeinado também resultou em um risco menor de morte.
* No estudo, o parâmetro utilizado foi a quantidade de café medida por copo (250 mL) que comporta uma quantidade
um pouco maior do que uma xícara (240 mL).
Título original: Association of Coffee Drinking with Total and Cause-Specific Mortality
Periódico: The New England Journal ofMedicine
Autor(es): Freedman ND, et al.
Tipo de Estudo:Retrospectivo

Mulher quer indenização na justiça por ter casado com homem de p… pequeno

Karla Dias Baptista, 26 anos, advogada e residente no município de Porto Grande no Amapá decidiu processar seu ex-marido por uma questão até então inusitada na jurisprudência nacional. Ela processa Antonio Chagas Dolores, comerciante de 53 anos, por insignificância peniana.

Embora seja inédito no Brasil os processos por insignificância peniana são bastante frequentes nos Estados Unidos e Canadá. Esta moléstia é caracterizada por pênis que em estado de ereção não atingem oito centímetros. A literatura médica afirma que esta reduzida envergadura inibe drasticamente a libido feminina interferindo de forma impactante na construção do desejo sexual.

O casal viveu por dois anos uma relação de namoro e noivado e durante este tempo não desenvolveu relacionamento sexual de nenhuma espécie em função da convicção religiosa de Antonio Chagas. Karla hoje o acusa de ter usado a motivação religiosa para esconder seu problema crônico. Em depoimento a imprensa a denunciante disse que “se eu tivesse visto antes o tamanho do ‘problema’ eu jamais teria me casado com um impotente”.

A legislação brasileira considera erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge quando existe a “ignorância, anterior ao casamento, de defeito físico irremediável, ou de moléstia grave”. E justamente partindo desta premissa que a advogada pleiteia agora a anulação do casamento e uma indenização de R$ 200 mil pelos dois anos de namoro e 11 meses de casamento.

Antonio que agora é conhecido na região como Toninho Anaconda, afirma que a repercussão do caso gerou graves prejuízos para sua honra e também quer reparação na justiça por ter tido sua intimidade revelada publicamente. O fato é que se o gato não come o bife. Ou o gato não é gato. Ou o bife não é bife.

Fonte: Revista Nova

Curso para atuar em indústrias do mercado veterinário e agronegócio

 

A Quiron Comunicação & Conteúdo (www.quironcomunicacao.com.br), empresa especializada em desenvolver soluções em comunicação e marketing para os mercados veterinário, de saúde humana e agronegócio,  acaba de lançar em São Paulo o Curso Preparatório para Atuação na Indústria Veterinária e Agronegócio. O conteúdo e formato do curso tem a chancela e aprovação do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal – SINDAN – e contam com o apoio da Sociedade Paulista de Medicina Veterinária.

O curso  tem por objetivo orientar e preparar estudantes e recém-formados em Medicina Veterinária para os desafios do mercado de trabalho, capacitando-os para o ingresso e  atuação na esfera corporativa, em indústrias ou laboratórios farmacêuticos. “Atualmente, o mercado oferece ao profissional alternativas ao atendimento clínico ou ao trabalho no campo. No entanto as empresas ainda encontram grandes dificuldades na hora de contratar jovens para ocupar cargos administrativos e de gerência de produtos”, diz Ricardo Oliveira, diretor presidente da Quiron, idealizador do curso e mestre em parasitologia veterinária pelo ICB-USP (Instituto de Ciência Biomédicas da Universidade de São Paulo) e em marketing pela Escola de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM).  Para André Prazeres, gerente de marketing da König do Brasil, indústria fabricante de medicamentos e suplementos nutricionais veterinários, essa dificuldade é um entrave para o desenvolvimento do setor. “Apesar de todo o crescimento do mercado pet, temos dificuldades para encontrar médicos veterinários capacitados a trabalharem nas empresas. As faculdades não preparam os alunos para a área corporativa, que está em ascensão”, diz ele.

Segundo Ricardo Oliveira, o curso vai ao encontro dessa necessidade ao  mostrar como as empresas do setor estão estruturadas  e abordar temas como planejamento de carreira, tendências do mercado brasileiro e mundial, competências necessárias por área, capacitação em vendas e liderança, comunicação, marketing e administração. “Essa iniciativa preenche essa lacuna ao oferecer um excelente treinamento inicial, facilitando a colocação desses profissionais”, diz Milson da Silva Pereira, Diretor do Sindan.

O curso terá uma carga horária de 93 horas/aula, sendo 100% presencial. As aulas serão ministradas 2 vezes por semana à noite, na sede do Instituto Quallitas em São Paulo, com duração de  4 meses. Os melhores alunos terão seus currículos encaminhados para o banco de talentos do Sindan.

Mais informações no site www.quironcomunicacao.com.br/cursos ou no telefone (11) 3722-6448.

%d blogueiros gostam disto: