Arquivo do dia: abril 30, 2012

SAÚDE: 19 tipos de câncer podem estar relacionados ao trabalho, diz Inca

Casos mais comuns são leucemia, câncer de pulmão, no nariz, de pele, na bexiga, na pleura e na laringe

Um levantamento divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) identificou 19 tipos de câncer que podem estar relacionados ao trabalho. Além dos vilões já conhecidos como amianto, radiação solar e agrotóxicos, o estudo inclui 112 substâncias cancerígenas identificadas no ambiente profissional, como poeiras de cereal e de madeira. O estudo mostra também que os casos mais comuns da doença são leucemia, câncer de pulmão, no nariz, de pele, na bexiga, na pleura e na laringe.

Cabeleireiros e funcionários de salões de beleza estão entre as ocupações com alto risco de desenvolvimento de câncer, devido ao contato direto com tinturas, formol e outras químicas. De acordo com a coordenadora do estudo, Ubirani Otero, o documento serve como alerta para a população, sobretudo, os trabalhadores e para as autoridades, que devem reavaliar as políticas públicas hoje existentes. Ela explicou que a relação “câncer e trabalho” no Brasil está subdimensionada, o que prejudica o plano de ação de enfrentamento. “É importante que o médico pergunte sobre o tipo de ocupação do paciente com câncer e que as pessoas prestem mais atenção a que tipo de substâncias estão expostos no seu dia a dia e que informem aos seus médicos sobre isso”, ponderou.

De acordo com o estudo, cerca de 46% dos casos de câncer relacionados ao trabalho não são notificados por falta de mais informação a respeito. Dos 113,8 mil benefícios de auxílio-doença nessa situação, dados pela Previdência Social, apenas 0,66% estavam registrados como tendo relação ocupacional.

Em países com mais pesquisas sobre o tema e políticas públicas voltadas para a doença relacionada ao trabalho, como Espanha e Itália, casos de câncer ocupacional variam entre 4% e 6% do total e na maioria das estimativas dos países industrializados esse tipo de tumor corresponde a uma média de 5% das ocorrências.

Ainda segundo a pesquisadora, a crescente inserção de mulheres em certos setores do mercado, antes exclusivos dos homens, apontam para a necessidade de novas políticas voltadas para a saúde feminina. “Hoje há muitas mulheres trabalhando em postos de gasolina, com maior exposição ao benzeno; na construção civil, trabalhando com telhas de amianto, cimento; como mecânicas, ou seja, em várias novas situações de risco”.

Para o diretor do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, Guilherme Franco Netto, a publicação é inédita e mostra o tamanho do desafio para os trabalhadores, gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), do Ministério do Trabalho e da Previdência no diagnóstico, prevenção, assistência e vigilância nessa área. “Esse documento permite que organizemos integradamente (governos e órgãos de saúde) os conjuntos de ações para combater o câncer relacionado ao ambiente de trabalho. Hoje, as medidas são muito pontuais. Além de nos dar suporte técnico, mostra uma dívida (do Estado) com a sociedade, que deve ser prontamente sanada”.

Guilherme Netto lembrou ainda que após o boom industrial da década de 70, somente agora casos de câncer, antes incomuns, estão aparecendo e que é fundamental diagnosticá-los, notificar e prevenir para que novas ocorrências não surjam.

Ainda segundo ele, os sindicatos têm um papel vital principalmente no processo de prevenção. “Ninguém do mercado vai apresentar uma lista dos problemas que um empregado pode ter em função de determinado trabalho. O papel do sindicato, por exemplo, é muito importante nesse sentido para alertar os trabalhadores sobre essas substâncias”, completou Netto.

Landell de Moura entra para o Livro dos Heróis da Pátria

O Livro dos Heróis da Pátria tem um novo integrante. O 11º homenageado da lista brasileira é o padre Roberto Landell de Moura, nascido em Porto Alegre em 1861. Um dos pioneiros na criação do telefone sem fio ou rádio, ele morreu em 1928. A inscrição sancionada pela presidente Dilma, segundo publicação no Diário Oficial da União no dia último dia 27 de abril, é pelos 150 anos do seu nascimento, completados em 21 de janeiro de 2011.

Localizado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília, o Livro dos Heróis da Pátria, de acordo com a Lei 11.597/07, destina-se ao registro perpétuo do nome dos brasileiros ou de grupos de brasileiros que tenham oferecido a vida à Pátria, para sua defesa e construção, com dedicação e heroísmo. A distinção só pode ser concedida no mínimo 50 anos depois da morte do homenageado.

Por seu pioneirismo nas telecomunicações, o padre Landell de Moura é considerado o “patrono dos Radioamadores Brasileiros”.

Também estão na lista Alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes; Zumbi dos Palmares; Marechal Manuel Deodoro da Fonseca; Dom Pedro I; Marechal Luís Alves de Lima e Silva, Duque de Caxias; Coronel José Plácido de Castro; Almirante Joaquim Marques Lisboa, Marquês de Tamandaré; Almirante Francisco Manuel Barroso da Silva, Barão do Amazonas; Alberto Santos Dumont e José Bonifácio de Andrada e Silva.

A íntegra do texto publicado no Diário Oficial

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA

LEI Nº 12.614, DE 27 DE ABRIL DE 2012
Dispõe sobre a inscrição do nome do Padre Roberto Landell de Moura no Livro dos Heróis da Pátria.

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º Inscreva-se o nome do Padre Roberto Landell de Moura no Livro dos Heróis da Pátria, depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves.

Parágrafo único. A inscrição far-se-á pelo transcurso do sesquicentenário (150) de nascimento do homenageado, celebrado em 21 de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 27 de abril de 2012; 191º da Independência e 124º da República.

Britânicos põe a venda as suas tradicionais cabines telefônicas

A tradicional cabine telefônica do Reino Unido, ou "boxes" como são conhecidas, vão deixar de fazer parte da paisagem (Foto: Getty Images)
(FOTO: GETTY IMAGES)

 

As tradicionais cabines telefônicas vermelhas que ainda existem em algumas ruas do Reino Unido poderão ser adquiridas por qualquer cidadão pelo preço de 1.950 libras (R$ 5.881), informa nesta sexta-feira o diário “The Times”.

Segundo o periódico, a companhia BT planeja desfazer-se de 60 cabines do modelo “K6”, produzido em 1936 para comemorar o 25º aniversário da coroação do rei George V.

É a primeira vez desde a década de 1980 em que a antiga empresa pública, privatizada nessa década, põe à venda as clássicas cabines, que foram desenhadas pelo arquiteto inglês Giles Gilbert Scott.

Embora Scott odiasse a cor vermelha com a qual foram pintadas, seu design se tornou muito popular entre o público, e atualmente algumas destas velhas cabinas em desuso, algumas doadas pela BT a entidades sem fins lucrativos, são reutilizadas como centros de informação, “esculturas” ou pequenos estabelecimentos comerciais.

“Agora se pode comprar um ícone do design do século XX para a casa ou o jardim, ou ainda como presente para alguém que já tem tudo”, disse ao periódico a diretora do departamento de cabines telefônicas da multinacional, Katherine Ainley.

Nos anos 60, havia 70 mil cabines do modelo “K6” no Reino Unido, que progressivamente foram substituídas por novos modelos.

Atualmente, restam 11 mil dessas cabines vermelhas no país, e há outras 51 mil de um tipo mais moderno, muitas das quais geram prejuízo pela queda do uso.

´Época/Negócios

%d blogueiros gostam disto: