Arquivo do dia: dezembro 19, 2011

Juan o Primeiro Bebê do Mundo a Nascer a Partir de uma Incubadora de embriões

Juan o Primeiro Bebê do Mundo a Nascer a Partir de uma Incubadora de embriões

Juan, um bebê de cinco meses, se tornou o primeiro concebido no mundo com a ajuda de um novo método de seleção de embriões, o “Embryoscope ‘, que aumentou em 20% as chances de sucesso da FIV (FIV) e diminuiu o risco de gravidez múltipla e aborto.

O Embryoscope permite observar o pequeno embrião em tempo integral, Juan nasceu em 04 de junho Hospital Obispo Polanco de Teruel, foi exibido na quarta-feira por seus pais, Ana e David, em conferência de imprensa quem também participuo foi o presidente e fundador do Instituto Valencia Infertilidade (IVI), Remohi José, ginecologista Carmina Vidal e biólogo Marcos Meseguer.

O Embryoscope é uma incubadora de embriões avançados que permite ver o embrião a cada segundo, desde o momento da fertilização em tele-transferência do útero da mãe, permitindo uma melhoria substancial nos resultados da implantação do embrião e, portanto, um maior número de gestações com sucesso.

Com essa técnica, muitas mulheres serão capazes de realizar seus sonhos de mãe, Ana, 31, explicou, visivelmente comovida, o “longo processo” que levou ao nascimento de Juan, e indicou que a criança é muito alegre, simpática e muito carinhosa.

Estou orgulhosa que meu bebê é o primeiro no mundo a ter nascido com esse método, mas utilizando essa técnica, muitas mulheres serão capazes de realizar seus sonhos, disse Anne, enquanto o pai do bebê, Davi 30 anos, tem se mostrado uma criança.

Cientistas anunciam descoberta de sistema que mantém vivas células cancerígenas

Pesquisadores americanos anunciaram nesta segunda-feira que descobriram como manter células cancerígenas vivas em laboratório, uma notícia que gera expectativas entre os cientistas acerca de uma possível descoberta que possa transformar o tratamento do câncer.

Até o momento, a comunidade científica era incapaz de fazer com que as células cancerígenas se desenvolvessem por muito tempo em condições semelhantes ao corpo humano. Os cientistas utilizavam tecidos de biópsia congelados para fazer o diagnóstico e recomendar um tratamento.

O avanço aumenta a esperança de que algum dia os cientistas consigam experimentar remédios em laboratório para matar o câncer nas células cancerígenas de uma pessoa, antes de oferecer ao paciente uma terapia mais adequada.

“Isso será o máximo para a medicina personalizada”, afirma o principal autor da pesquisa, Richard Schlegel, presidente do departamento de patologia do Georgetown Lombardi Comprehensive Cancer Center.

“Os tratamentos serão específicos para seus tecidos. Obteríamos tecido normal e cancerígeno de um paciente em particular e selecionaríamos a terapia específica”, afirmou Schlegel à AFP.

“Estamos realmente emocionados com as possibilidades do que possamos fazer com isto”, acrescentou.

O método, descrito na edição on-line da revista científica American Journal of Pathology, parte de um simples método utilizado na pesquisa com células-tronco, disseram os especialistas.

Utilizando esta técnica, que combina células alimentadoras de fibroblasto para manter o tumor vivo e inibidores Rho-quinasa (ROCK) para permitir que se reproduzam, mantiveram-se vivos diversos tipos de cânceres de pulmão, mama, próstata e cólon por um período de dois anos.

Quando tratadas com ambos, tanto as células normais quanto as células cancerígenas voltaram a um estado de “células-tronco”, disse Shlegel. Isso permitiu aos pesquisadores comparar diretamente as células vivas, pela primeira vez.

Os dois elementos haviam sido previamente separados em pesquisas com células-tronco, de acordo com David Rimm, professor de patologia da Universidade de Yale, que escreveu um comentário que acompanha o artigo.

Rimm alertou que é necessário demonstrar o processo para que outros laboratórios possam reproduzir os resultados e que as tentativas de usar diferentes terapias que matam as células cancerosas deixaram de ser “apenas especulação”.

Se outros cientistas puderem reproduzir as experiências – já existem três laboratórios nos Estados Unidos que trabalham com isso -, o avanço poderá ser o prenúncio de uma transformação há muito esperada na maneira como as células cancerígenas são estudadas.

O estudo foi publicado depois de dois anos de pesquisa em colaboração com cientistas dos NIH (Institutos Nacionais de Saúde) e foi financiado pelo NIH, o departamento de Defesa, a Universidade de Georgetown e o Instituto Nacional do Câncer.

“Um tumor de um paciente é diferente do câncer de outro paciente e esta é uma razão importante falada por tantos ensaios clínicos”, informou Marc Symons, cientista no centro da Oncologia e de Biologia das Células no Instituto Feinstein de Investigação Médica de Manhasset, em Nova York.

“Acredito que é justo dizer que revoluciona a forma como pensamos os tratamentos de câncer”, acrescentou Symons, que não participou da pesquisa.

O câncer é a principal causa de morte no mundo e responsável pelo falecimento de 7,6 milhões de pessoas em 2008, segundo os últimos dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Paul McCartney vai lançar album de covers e libera música inédita

Paul McCartney anunciou que vai lançar um disco de covers no ano que vem em comunicado em seu site oficial nesta segunda-feira. O ex-beatle também liberou uma música inédita em parceria com Eric Clapton, uma das poucas canções originais do disco. My Valentine foi publicada as 10h de hoje e poderá ser ouvida até o mesmo horário desta terça, somente por usuários premium.

O disco, ainda sem nome, será lançado em 7 de fevereiro, com músicas que inspiraram sua carreira, muitas delas que o artista ouviu pela primeira vez sendo tocadas por seu pai ao piano.O trabalho terá apenas duas músicas inéditas, parcerias com os velhos amigos do cantor, Clapton e Stevie Wonder. O CD também conta com a participação de Diana Krall e de sua banda, envolvidos na produção.

McCartney declarou que estava pensando no trabalho há 20 anos e que decidiu “no final era como ‘se eu não fizer isso agora, jamais vou fazê-lo’.

“São músicas nas quais John e eu baseamos muitas de nossas coisas”, explicou o ex-beatle. “Eu sempre pensei que artistas como Fred Astaire eram muito legais. Compositores como Harold Arlen, Cole Porter, todos esses caras – eu só pensei que as músicas era mágicas”, explicou McCartney.

O artista de 69 anos gravou pela primeira vez um álbum participando somente nos vocais e explicou que o processo de produção foi natural e quase orgânico. “Me lembrou o jeito que trabalhávamos nos Beatles”, disse. O site de Paul é http://www.paulmccartney.com

Padre veta presépio com “José e Maria despidos”

Fotos mostram o presépio antes e depois de serem retirados os elementos, a pedido do padre da cidadeUm presépio artesanal montado em Tiradentes, região do Campo das Vertentes em Minas Gerais, foi alvo de censura por um padre da cidade. No cenário, além da representação de animais e do menino Jesus, estavam estátuas em madeira de José e Maria e um símbolo da paz ao fundo – que remete ao período hippie e também à “cruz de Nero”, que seria uma afronta aos cristãos.

.
Segundo Mariana Cavalcanti, presidente do Conselho Municipal de Turismo, parte da obra foi removida, por exigência da autoridade católica. O padre teria pedido à prefeitura da cidade que retirasse o presépio, localizado no Largo das Forras, no Centro, alegando que o tal símbolo da paz “era coisa de nazista e que José e Maria estavam despidos”.
O presépio foi montado por artistas plásticos da Oficina de Agosto, após decisão em uma reunião entre o órgão que Mariana preside, a Associação Empresarial, a Secretária de Turismo e o Centro Cultura Yves Alves. “No ano passado, a decoração não estava bacana e convidaram a Oficina para montar o presépio da cidade”, conta.

Após ver que o cenário havia sido mexido sem o conhecimento dos autores, Mariana postou a foto do presépio alterado no Facebook, gerando dezenas de comentários. Muitos dos internautas ficaram revoltados com a alteração, alegando desrespeito aos artistas.

Um dos autores, Antônio Carlos Bech, afirma a intenção do símbolo era a representação da paz. Além disso, segundo ele, José e Maria não estão despidos, mas com a roupa esculpida na própria madeira. Para ele, os artistas deveriam ter sido comunicados sobre a retirada de elementos. “Tudo foi feito com o custo da Oficina. Eles deveriam ter nos procurado e a gente faria algo. Foi meio ‘ditador’”, opina.
Para o católico Daniel Dias, 34, a “cruz de Nero” não poderia estar no mesmo cenário que Jesus. “Comemoramos o nascimento de Cristo e colocaram um símbolo anti-cristão, uma cruz de cabeça para baixo, uma agressão aos cristãos”, disse. O imperador romano seria o idealizador do modelo de cruz com os braços em “V”, que seria o “sinal do cristão quebrado”.

O secretário de Turismo de Tiradentes, Felipe Barbosa, afirmou que a câmara municipal da cidade enviou uma carta à secretaria, reclamando do presépio. “A parte católica da cidade não achou viável o presépio, então trocamos (os elementos), usamos a casinha de sapê e forramos com serragem. Colocamos um presépio ‘normal'”, disse.
A reportagem tentou entrar em contato com o padre que foi contra o presépio, mas não foi possível localizá-lo.
O Tempo

Atuns em conserva têm novo regulamento para comercialização

Legislação inédita também contempla a espécie bonito e busca oferecer produtos de melhor qualidade para os consumidores.

 As conservas de atuns e de bonitos destinadas ao comércio nacional e internacional contam com um novo regulamento técnico de identidade e qualidade. A nova regra está descrita na Instrução Normativa nº 46, publicada no Diário Oficial da União (DOU), no dia 16 de dezembro (sexta-feira).

A nova legislação elaborada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estabelece que os produtos devem conter, no mínimo, 54% de carne em relação ao peso líquido declarado. As definições de conserva, recipiente hermético, esterilidade comercial, sangacho, caldo vegetal, cristais de estruvita e salmora fraca também são apresentadas no texto.

A IN determina as espécies da matéria-prima (fresca ou congelada) e classifica as conservas, de acordo com a sua forma de apresentação, em sólido, em pedaços ou ralado. Os meios de cobertura permitidos são azeite ou óleo, ao natural, em salmoura com óleo comestível, em molho e vinho branco.

O regulamento técnico trata, ainda, dos ingredientes opcionais que podem compor os alimentos e informa os requisitos obrigatórios para o processamento de atuns e bonitos em conserva. Os peixes utilizados na elaboração devem ser submetidos aos métodos de inspeção prescritos no Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA). Os lotes que não cumprirem com os padrões exigidos e apresentarem irregularidades, como nível de histamina superior ao permitido e número total de embalagens defeituosas acima do índice de aceitação, serão rejeitados.|Marcos Giesteira/MA.

%d blogueiros gostam disto: