Malária: breve a vacina


Doença atinge mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo. Vacina evitou a malária em 56% dos casos, a maior porcentagem já encontrada nesse tipo de estudo

Anopheles albimanus, um mosquito vetor da malária (Foto: James Gathany/CDC)

Pesquisadores podem finalmente ter conseguido desenvolver uma vacina contra uma das doenças que mais matam nos países em desenvolvimento. Segundo um estudo publicado nesta terça-feira (18) na revista científica The New England Journal of Medicine, uma vacina obteve pela primeira vez bons índices de eficiência contra a malária.

Até o atual estágio da pesquisa, que está em sua terceira fase, a vacina conseguiu reduzir pela metade os riscos de infecção em bebês de 5 a 17 meses de vida por malária. A vacina tem uma eficácia em 56% dos casos de malária clínica e em 47% dos casos de malária severa. O estudo também indicou uma taxa de mortalidade de malária bastante pequena. Apenas dez crianças, das 8 mil que participaram do estudo, morreram da doença.

A vacina contra a malária vem sendo desenvolvida nos últimos 25 anos e, aliada a outros tratamentos, pode ajudar a erradicar um mal que atinge mais de 200 milhões de pessoas por ano em todo o mundo, em especial em países da África. Segundo o epidemiologista Eliseu Waldman, da Faculdade de Saúde Pública da USP, mesmo uma eficácia de 50% já é uma boa notícia. “É uma potencial boa notícia, uma potencial alternativa. Até chegar de fato à vacina falta chão. Mesmo com essa eficácia, ela pode ser considerada uma opção no futuro em lugares em que a malária é endêmica e em que as medidas profiláticas não ajudam muito, como repelentes e mosquiteiros. Na selva, por exemplo, é uma luta inglória contra o mosquito.”

O resultado final do estudo será publicado apenas em 2014, mas a expectativa dos bons resultados já faz a Organização Mundial da Saúde (OMS) cogitar a possibilidade de utilizar a vacina em países africanos em 2015, caso a eficácia se confirme. A vacina está sendo desenvolvida por uma parceria público-privada entre a GlaxoSmithKline e a Gates Foundation, fundação de Bill Gates que investe recursos para a melhoria das vidas de crianças africanas.

O próximo passo é avaliar por quanto tempo dura a imunidade da vacina. Além disso, alguns resultados merecem ser analisados com atenção. Os resultados mostraram uma incidência maior de meningite em crianças que tomaram a vacina, um ponto que os pesquisadores não conseguiram explicar, mas que pode ser um dado aleatório, sem nenhuma relação com a vacina. Outro dado que ainda preocupa é a incidência de reações, entre elas febre e, em alguns casos mais raros, convulsões (0,1% dos casos), indicando que a vacina merece um estudo mais detalhado.

Segundo a OMS, no mundo todo ocorrem 225 milhões de casos de malária por ano. Desses, 800 mil são fatais. A doença é considerada um dos principais obstáculos para o desenvolvimento dos países da África Subsariana. No Brasil, a doença tem maior incidência no território da Amazônia Legal. O Ministério da Saúde calcula que houve cerca de 300 mil casos de malária no país em 2009.

Época

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: