Novo ministro da Agricultura contratou ilegalmente vereador como secretário parlamentar


Matéria do jornal O Estado de Minas

Brasília – O ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi renunciou ao cargo, mas deixou na pasta peças-chaves para seus negócios nebulosos. Funcionários do segundo escalão escolhidos pelo ex-ministro são apontados como interlocutores de empresas ligadas ao quarto ministro demitido do governo da presidente Dilma Rousseff.

Já o novo chefe da pasta, deputado federal Mendes Ribeiro (PMDB-RS), chega à Esplanada prometendo transparência. Mas na Câmara Ribeiro Mendes, líder do PMDB no Congresso, mantém um gabinete com nomeações ilegais.

O parlamentar gaúcho emprega o cabo eleitoral e vereador de Pântano Grande (RS) Ivan Trevisan (PMDB). Ele foi nomeado secretário parlamentar em dezembro de 2008, mesmo ano em que ganhou uma das 32 cadeiras no Legislativo municipal. Trevisan está em seu terceiro mandato e desdobra-se ainda como presidente da Associação dos Vereadores do PMDB no Rio Grande do Sul. Segundo a Câmara, a contratação é proibida porque representa acúmulo de função. Só do Legislativo federal, Trevisan já recebeu cerca de R$ 150 mil. Em entrevista ao Estado de Minas, o novo ministro explicou a contratação do conterrâneo e assegurou que, no ministério, não terá o compromisso de manter ninguém.

No gabinete do deputado, Ivan Trevisan é quase desconhecido. Os funcionários demoraram a se lembrar do secretário, que fica no Sul. No escritório político em Porto Alegre, a informação é de que ele só atende pelo celular. Trevisan confirmou que ocupa os três cargos, mas não quis detalhar por telefone as atividades nem informar os horários de trabalho. Solicitou que as perguntas fossem encaminhadas por e-mail. “Realizo minhas atividades com muita tranquilidade, pois existe compatibilidade de horário para os deveres”, respondeu. Ele afirmou que, no mínimo uma vez por semana, vai até o escritório de Porto Alegre e “sempre que tem demanda” viaja a Brasília. Trevisan disse que não recebe dinheiro da associação do PMDB. “O cargo dá prestígio e oportunidade para o crescimento.”

Ivan Trevisan mora em Pântano Grande, a duas horas da capital, e, segundo colegas vereadores, nunca falta ao trabalho. Pelo Legislativo municipal, ele recebe por mês R$ 2,3 mil. As reuniões plenárias ocorrem a cada 15 dias. Pelo gabinete, o vereador ganha cerca de R$ 4,5 mil. Ele declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um patrimônio de R$ 42,8 mil, representado por um terço de uma casa no Centro da cidade de pouco mais de 10 mil habitantes.

Mendes Ribeiro informou que caberia à Câmara fiscalizar a contratação e que, durante a nomeação, não houve qualquer impedimento. “Não existe incompatibilidade. O Ivan é uma pessoa muito ativa profissionalmente e politicamente”, disse. Também esclareceu que nessa quinta-feira mesmo recebeu um ofício da Casa pedindo a revisão da contratação e determinando que Ivan escolha um dos cargos. O vereador e secretário parlamentar terá 10 dias para comprovar que abriu mão da vaga na Câmara Municipal ou pedir exoneração do cargo de secretário parlamentar. A assessoria de imprensa da Câmara informou que vereadores não podem acumular cargos, porque seguem as normas dos deputados federais. Uma recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou o entendimento.

Aliados

Além do problema com o funcionário, Mendes terá que lidar com o legado do antecessor. Wagner Rossi pediu demissão depois que o Estado de Minas revelou, na terça-feira, que ele usava frequentemente o jatinho da empresa de agronegócios Ourofino, com sede em Ribeirão Preto (SP). E, apesar de ter deixado a pasta, mantém grande influência, especialmente com a presença de aliados na Secretaria de Defesa Agropecuária, nos departamentos de Fiscalização de Insumos Pecuários, Inspeção de Produtos de Origem Animal e de Saúde Animal, além da Consultoria Jurídica, responsável pelos pagamentos milionários de dívidas perdidas na Justiça, e da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, comandada por Ricardo Saud, que também é sócio de uma das subsidiárias do Grupo Ourofino.

Alana Rizzo/Denise Rothenburg

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Abc  On agosto 19, 2011 at pm:22 pm

    No mesmo gabinete do deputado federal Mendes Ribeiro tem outro caso ilegal tb: o secretário parlamentar Gilberto Capoani Jr é filho do deputado estadual do RS, Gilberto Capoani. Isso é nepotismo, que é vedado pela Súmula 13 do STF! Pelo jeito é farra…..

  • paulinho  On agosto 19, 2011 at am:16 am

    já começou bem….
    http://paulinhopc.wordpress.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: