Arquivo do dia: março 17, 2011

RBS e ESPM-Sul fazem parceria

 

A  RBS assinou nesta quinta-feira, 17, parceria com a ESPM-Sul, tornando-se empresa madrinha da instituição e de seus cinco cursos de graduação.

O  acordo servirá para integrar o meio acadêmico com o mercado de trabalho. Por meio do projeto, a RBS possibilitará a troca de experiência entre os estudantes com os profissionais nas áreas de administração, marketing e comunicação. O acordo comemora os 25 anos da ESPM na Região Sul e 60 anos no Brasil.

A parceria vai possibilitar aos acadêmicos vivenciar, em diversas plataformas, o dia a dia da profissão, além de acesso a diferentes espaços e aprendizagem, contribuindo com sua formação como também a realização de pesquisa dando aos alunos acesso a atividades reais da empresa, além de poder participar de seus processos seletivos.

Profissionais especializados da RBS também poderão emprestar seu conhecimento através de palestras e briefings na ESPM.

Chegou a TwitTV

Loducca lança canal de TV na internet
Home do site que dá acesso à TwitTV

TwitTV é um canal de TV transmitido pela internet em que a grade da programação é controlada em tempo real pelos assuntos mais comentados no Twitter.

Para cada trending topic o site busca e exibe o vídeo mais recente do YouTube relacionado com o assunto. São canais do mundo todo com os Top10 tweets. O visitante pode ainda filtrar os tópicos por países e cidades do mundo. Atualmente para o Brasil existem filtros de São Paulo e Rio de Janeiro.

O mash-up pode ser acessado aqui. Ponha no da Bethânia!

Cesar Giobbi

Asbrav ajuda na preservação ambiental

Encerrar um ciclo histórico de comportamento humano que prejudica o planeta está se tornando uma decisão cada vez mais consciente na vida pessoal e profissional das pessoas.

Uma atitude mais participativa é fundamental. É importante saber que equipamentos de ar condicionado, geladeiras, freezers e bebedouros funcionam com a presença dos chamados “fluídos refrigerantes”, cuja tecnologia vem sendo substituída por composições que causam baixo impacto ambiental.

Ainda estão em uso muitos equipamentos que foram fabricados com as composições antigas desses fluídos, cuja fuga para a atmosfera precisa ser evitada, pois as consequências da liberação de um único freezer, por exemplo, é equivalente a um ano de queima de gasolina de um carro de passeio.

Toda a empresa que trabalha com a manutenção desses equipamentos deve utilizar a máquina recolhedora de fluídos e encaminhar para reciclagem após a coleta. Todo o consumidor deve buscar empresas de manutenção que utilizem essas máquinas, tanto para conserto como para descarte.

Desde 2009 o Rio Grande do Sul possui um Centro de Refrigeração de Gás, local para onde são levadas as máquinas recolhedoras e o composto é então reciclado conforme as normas do Plano Nacional para Eliminação de Gases.

Aproximadamente 180 máquinas provenientes do Ministério do Meio Ambiente já foram distribuídas pela Associação Sulbrasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (Asbrav).  Restam ainda outras para distribuir à empresas de manutenção de aparelhos de climatização e  refrigeração.  Mesmo empresas não associadas podem procurar a entidade para concorrer ao recebimento desses equipamentos.

É fundamental a colaboração de todos, para isto os técnicos de manutenção podem buscar informações pelo telefone (51) 3342-2964 com a Asbrav sobre o Centro de Reciclagem e a obtenção de máquinas recolhedoras. Já os consumidores, devem buscar a manutenção com técnicos que fazem o encaminhamento adequado dos fluídos.

Coerente com a atenção que vem dando a problemas que afetam o meio ambiente, a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) dá seu apoio à campanha realizada pela Asbrav. Desta forma, a entidade ganha espaço para divulgar a próxima realização do Fórum Internacional de Gestão Ambiental, que dá ênfase à preservação dos recursos hídricos.

CURSOS:

Curso de Mecânico de Refrigeração e Ar Condicionado para não sócios, mas tem interesse na capacitação, as matrículas vão de 16 a 31 de março. As aulas iniciam dia 18 de abril, com a carga horária de 120 horas, sempre de segunda à quarta-feira, das 19h às 22h. O programa é dividido em duas grandes áreas que são: refrigeração e eletricidade. Entre as habilidades o aluno aprende a identificar problemas de dimensionamento elétrico e mecânico, analisar o ciclo de refrigeração, identificar falhas e apresentar soluções para equipamentos em geral entre outros.

As aulas tem tido uma grande procura. O curso de Instalação de Split teve as vagas rapidamente esgotadas. No programa estão: aplicação, vantagens e desvantagens do sistema split, noções de carga térmica, seleção de equipamentos, instalação, interligação de tubulações e rede de dreno, processos de pressurização, desidratação, dimensionamento elétrico de instalações, interligação elétrica, partida, teste de funcionamento e manutenção preventiva e corretiva.

Um aspecto fundamental a ser observado para quem busca profissionalização é avaliar a qualidade dos cursos. Desde 1995 a ASBRAV oferece cursos em sua área de mercado, sendo que o diretor de ensino e treinamento é doutor em engenharia mecânica da UFRGS e os instrutores são profissionais com vivência prática e teórica em suas matérias. Empresários do setor estão preocupados com o aparecimento de cursos rápidos que não oferecem conhecimento suficiente e adequado aos alunos.

– Os cursos de dois dias não possibilitam o conhecimento na área de segurança do trabalho, por exemplo. Isso pode gerar riscos tanto para o instalador, quanto para quem contrata o serviço, pois material de baixa qualidade, usado por falta de conhecimento, pode danificar o ar condicionado e até causar danos na rede elétrica – explica o diretor do Grupo Setorial Ar Condicionado da ASBRAV, Eduardo Castro de Oliveira.

Informações e Inscrições na sede da ASBRAV em Porto Alegre
Rua Arabutan 324 – Bairro Navegantes
Fone (51) 3342-2964 / 3342-9467 / 9151-4103
E-mail: asbrav@asbrav.org.brEste endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. – http://www.asbrav.org.br

Sem-teto recebe herança ao descobrir que é filho de multimilionário

O holandês Jerry Winkler, de 28 anos, vivia nas ruas de Amsterdã quando descobriu, no ano passado, que era o único filho de um homem de negócios multimilionários com quem sua mãe tivera uma aventura amorosa.

A vida de Winkler, um ex-dependente de drogas, teve então uma reviravolta. “Foi um giro de 180 graus… Um dia estou dormindo nas ruas e poucos dias depois dormia em um apartamento no centro de Amsterdã, tinha dinheiro no banco… Pude voltar a viver”, contou ele em entrevista à BBC.

Apesar de ter comprovado ser o único filho biológico do empresário Alfred Winkler (de quem adotou o sobrenome após a descoberta), Jerry não tinha, pela lei holandesa, direito à herança , por não ser registrado como filho.

Ainda assim, recebeu uma ajuda da fundação para a qual o pai biológico havia deixado sua fortuna ao morrer.

“Decidiram que por razões morais deveriam me dar uma porcentagem, que para mim é muito dinheiro”, diz, sem especificar o valor que recebeu.

Infância

A infância de Jerry foi traumática. Quando sua mãe foi diagnosticada com um tumor cerebral, ele foi viver com um homem que pensou que era seu pai.

Mas a relação com a nova família era difícil e ele acabou em um abrigo para menores.

Durante cinco anos ele foi levado de uma casa a outra até cair na delinquência e na dependência às drogas.

Foi após uma discussão familiar que ele descobriu que o homem que acreditava ser seu pai não era quem pensava.

“Tive uma série de brigas com minha madrasta e meu padrasto, e logo depois meu padrasto me disse que não era meu pai biológico”, conta Jerry.

“Por um lado eu pensei ‘Agora entendo porque estavam tão contra mim’, mas também foi como se tivessem me dado outro golpe”, afirma. “Primeiro sua mãe morre e depois seu pai diz que não é seu pai”, observa.

A partir de então, passou a se dedicar à tarefa de tentar encontrar seu verdadeiro pai.

Investigação

Primeiro descobriu que sua mãe havia tido um caso amoroso no trabalho.

As pistas o levaram ao diretor da companhia, Alfred Winkler, um empresário milionário que havia morrido sem deixar herdeiros.

“Meu segundo nome é Alfred, e nunca soube porque minha mãe havia me dado esse nome, então era uma pista”, disse.

Logo depois, encontrou um artigo em um jornal de 2006 sobre o homem que poderia ser seu pai e entrou em contato com o jornalista que o escrevera.

“Combinamos de nos encontrar e assim que eu cheguei ele viu que eu me parecia muito com a pessoa que ele havia entrevistado”, disse.

Alfred Winkler havia deixado sua fortuna a uma fundação, cujos advogados, após ouvir a história de Jerry, pediram que ele se submetesse a um exame de DNA.

O exame mostrou uma probabilidade de 99,999% de que ele fosse filho de Alfred Winkler.

“Nunca esquecerei esse momento. O advogado me chamou e quando me contou o resultado comecei a chorar, a sentir-me furioso, louco, tudo ao mesmo tempo”, conta.

Para Jerry, mais que o dinheiro que recebeu, o que mais o emocionou foi finalmente saber quem era seu pai.

“Todos queremos saber de onde viemos. Ainda que lamentavelmente meu pai já estivesse morto, posso comparar sua história com a minha e ver como somos parecidos”, disse.

O dinheiro recebido por ele o permitiu “ter uma casa, um carro, sair de férias… e uma geladeira cheia de comida”, observa.

“Às vezes, quando desperto pela manhã em minha própria cama, ao lado de minha namorada, tenho que me beliscar para ver se estou acordado. Não sei se é real ou um conto de fadas”, diz.

Inspirado por sua própria história, Jerry também criou uma fundação “para jovens sem-teto que não têm meios para fazer algo de suas vidas”.

%d blogueiros gostam disto: