Amantes de padres pedem ao Papa fim do celibato


imagem meramente ilustrativa

Stefania Salomone, uma funcionária administrativa de Roma com 42 anos, já teve duas relações com padres católicos.

Ela decidiu criar um site para encontrar mulheres com a mesma experiência e hoje está em contato com cinco dezenas: 40 assinaram uma carta aberta dirigida ao Papa Bento XVI para lhe pedir o fim do celibato obrigatório.

Se dizem “mulheres de todas as partes de Itália que estiveram ou estão numa relação com um padre ou um religioso”, habituadas a viver “em segredo” e a experimentar “diariamente as dúvidas, os medos e as inseguranças dos nossos homens”. Um padre, escrevem estas italianas, “precisa de viver com os outros seres humanos, experimentar sentimentos, amar e ser amado”.

A carta está na Internet desde o fim de Março, quando o tema do celibato voltou à agenda do Vaticano a propósito das denúncias de abusos sexuais. A ideia de escrever ao Papa surgiu depois de Bento XVI  ter reafirmado “o valor sagrado do celibato”.

A obrigatoriedade do celibato, dizem as 40 mulheres, não é uma lei divina, mesmo que a Igreja a apresente como “vontade de Deus”. É antes uma “regra humana”, introduzida por “razões de interesse econômico e de conveniência”, que não se encaixa na vida de muitos padres e faz com que a maioria destas relações acabe “em vergonha”. É por saberem isso que elas pedem a Bento XVI para admitir que talvez estes homens só consigam cumprir plenamente os seus deveres de padres quando as suas vidas forem completadas com o casamento

A missiva foi  traduzida e publicada em sites espanhóis e ingleses e noticiada pela agência on-line GlobalPost. Apesar de o texto ser apoiado por 40 mulheres, apenas três signatárias publicaram os seus nomes. Para além de Stefania Salomone, assinam Antonella Carisio, de 41 anos, e Maria Grazia Filippucci. O Vaticano recusa comentar.
Quando descobertos, os padres tendem a abandonar as mulheres, sendo-lhes muito difícil deixar a Igreja.

Um anel de noivado

Antonella Carisio conta ter tido um caso com um padre brasileiro que dormia frequentemente em sua casa. Edecir Calegari, que conheceu quando ambos geriam o centro de juventude da sua paróquia, quis até ser apresentado ao filho dela e ao resto da família como seu companheiro. A relação acabou por ser descoberta e denunciada por outro padre e o seu amante foi transferido para Roma: “Quando ele se foi embora até me deu um anel de noivado”.

Entretanto, Calegari regressou ao Brasil como missionário, algo que prometera nunca fazer. Carisio “era uma amiga e uma confidente, mas nunca estive apaixonado por ela”, diz o padre, questionado pela GlobalPost. Calegari afirma lamentar “profundamente” o que aconteceu e garante que defende o celibato.

Mas também há os que escolhem as mulheres: segundo a revista La Civiltà Cattolica, desde o Concílio Vaticano II (1962-65) perto de 60 mil padres deixaram a Igreja para casar.

Publico/PT

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • Noviça Rebelde  On novembro 24, 2010 at pm:59 pm

    Estou apaixonada por um padre maravilhoso. Não tivemos qualquer contato físico, entretanto, sonho com um dia poder sentir seus lábios.
    Tinha uma vida estável e tudo mudou desde quando me apaixonei. Não sei mais o que devo fazer. Sinto-me responsável pelo desembaraço de nossas vidas. Não sei qual será a sua escolha… nem a minha… mas no meu mundo, eu o desejo em silêncio todos os dias…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: