UNINGÁ: patricinhas recebem bolsas do ProUni


Em Maringá, no Paraná, três jovens de famílias que moram em bairros nobres da cidade ganharam um benefício que é o sonho de milhares de estudantes: a bolsa integral do ProUni – o programa federal para universitários carentes.

As três alunas que estudam medicina na Uningá, de graça, desde 2008, com bolsa do ProUni, deixaram de pagar, juntas, quase R$ 300 mil em mensalidades. O valor mensal é de R$ 3.200.

As jovens moram em casas confortáveis, com vários carros na garagem: um deles vale R$ 55 mil. O patrimônio pertence a três famílias conhecidas de Maringá, no norte do Paraná.

Visite o site do Fantástico

Belisa Stival, Camila Colombari Medeiros e Milena Lacerda Colombari estão no quarto ano de medicina na Uningá, uma faculdade particular com sete mil alunos.

Mas como isso é possível? A reportagem do “Fantástico” passou duas semanas em Maringá, investigando esse escândalo.

Segundo o Ministério da Educação, Milena Colombari começou a receber bolsa integral do ProUni em 2005, quando fazia biomedicina na Uningá. Em 2008, foi para medicina e continuou estudando de graça.

Milena mora com os pais e o irmão numa casa com piscina. O pai dela é dono de um bufê, inaugurado em outubro do ano passado. Apuramos que, para uma festa de quatro horas com 200 convidados, o pai de Camila cobra R$ 7 mil, valor que seria suficiente para pagar com sobras dois meses de faculdade da filha.

Procuramos a estudante de medicina. Ela acha justo receber o ProUni. “Esse ano até a gente passou por certas dificuldades. Nem viagem pra praia a gente não foi. Antes era comum ir”, comenta Milena.

Existem regras rígidas para conseguir a bolsa integral do ProUni, como ter cursado o ensino médio em escola pública ou ter sido bolsista integral em colégio particular. E o principal: comprovar que a renda mensal familiar, por pessoa, não passa de um salário mínimo e meio: R$ 765.

Por telefone, o pai de Milena Colombari reconhece que atualmente a família ganha mais que esse valor. “Minha renda hoje está um pouco acima disso. Nunca mais ninguém pediu pra gente estar fazendo isso ou aquilo, apresentando esse ou aquele documento”, diz o pai.

Camila Colombari Medeiros, que também estuda medicina de graça na Uningá com verba do ProUni, vive num sobrado com a mãe e uma irmã. Segundo o MEC, ela começou a receber bolsa em 2008.

Encontramos Camila indo pra faculdade num carro que custa pelo menos R$ 30 mil se for zero quilômetro.

Repórter: Você tem bolsa do ProUni?
Camila: Tenho.
Repórter: Não tem problema algum de ter bolsa e ter carro?
Camila: Esse aqui foi presente do meu pai.

Belisa Stival, que desde 2008 também estuda sem pagar nada, geralmente anda de carro popular. Mas o pai é dono de veículo zero quilômetro, avaliado em R$ 50 mil. A família, de quatro pessoas, mora numa casa de dois andares.

Parentes na seleção
É a própria instituição de ensino que decide quem recebe a bolsa do ProUni e que encaminha a lista para o Ministério da Educação.

As três jovens de Maringá – que ganharam bolsa integral mesmo não sendo pobres – têm parentes em cargos importantes na faculdade.

Belisa é filha de Ney Stival, o diretor de ensino da Uningá. Camila é filha de Vânea Colombari, coordenadora de cursos profissionalizantes. Já Milena é sobrinha de Vânea.

As três universitárias têm ainda outro benefício do ProUni: a chamada bolsa permanência. É uma espécie de mesada, de R$ 300 por mês. O dinheiro vai para a conta de alunos com bolsa integral de cursos que tenham seis horas ou mais de aulas por dia.

Segundo o MEC, Milena, que tem pai dono de bufê, recebe os R$ 300 desde abril de 2008. Belisa e Camila, desde agosto de 2008.

Por telefone, a coordenadora da Uningá Vânea Colombari se defendeu. “Dependo exclusivamente desse rendimento que eu tenho dentro da instituição, não tenho condições financeiras nenhuma de bancar a mensalidade da minha filha”, argumenta Vânea.

A própria faculdade informou que Vânea Colombari ganha R$ 2.900 por mês. Com essa renda, a filha dela – Camila – não poderia ter bolsa integral do Prouni.

O salário de Ney Stival não foi divulgado. O  pai de Belisa e diretor de ensino da Uningá, diz que não há irregularidades.

Repórter: Por que elas têm bolsa do ProUni?

Ney: Tinha bolsa sobrando.Ricardo Benedito de Oliveira, diretor geral da faculdade, deu a mesma justificativa.

Ricardo: A única procura que teve foi dessas duas moças, que casualmente são filhas de funcionários.

O diretor alegou ainda que a documentação apresentada pelas bolsistas atendia aos requisitos do MEC.

“A instituição não tem uma equipe de investigação pra saber se o fulano que há um tempo morava de aluguel, hoje mora num palacete”, diz o diretor.

Pelas regras do ProUni, a faculdade tem obrigação de pedir ao aluno que reapresente – pelo menos uma vez por ano – a documentação comprovando a baixa renda.

Investigação e punições
Na sexta-feira, um dia depois da entrevista do diretor geral, a Uningá enviou uma retificação dizendo que Belisa e Camila não tiveram o benefício mantido pelo Prouni em 2010, por não apresentarem a documentação necessária. O Ministério da Educação desmentiu essa informação: a faculdade cancelou as duas bolsas apenas na sexta-feira, depois de saber que o “Fantástico” preparava esta reportagem.

“Se for constatada a irregularidade, a instituição vai ser desvinculada, podendo inclusive responder judicialmente e até criminalmente pelos fatos”, afirma Simone Horta, coordenadora de supervisão do ProUni.

O futuro de todos os alunos de medicina da Uningá é incerto. O MEC considera que o curso – criado em 2007 – é deficiente e não pode funcionar. Apesar disso, a faculdade conseguiu um mandado de segurança. Mês passado, a Justiça decidiu pelo fechamento do curso de medicina. A faculdade recorre.

Atualmente, 450 mil estudantes fazem faculdade graças ao ProUni. No ano passado, devido a irregularidades, 1.700 bolsas foram canceladas e 15 instituições desvinculadas do programa.

Quanto às três jovens de Maringá, o MEC avisa: além de não estudar mais de graça, elas podem perder outras mordomias.

“Elas devem responder judicialmente, devendo inclusive ressarcir os cofres públicos durante o período que estiveram com a bolsa. Se for constatada má fé, elas podem responder criminalmente por esses atos”, avisa Simone Horta.

G1

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • _  On junho 18, 2010 at pm:13 pm

    E adianta todo mundo ficar chingando e ficar falando mal e nao se mobilizam e vão atras de saber se a justiça está sendo feita?? Cruza os braços e fala: corruptos, idiotas e blá bla, mas ninguém tem coragem de levantar a bunda da cadeira se mobilizar e ir atrás. Estamos todos sendo hipócritas tanto quanto essas garotas.

  • Lauhra  On junho 15, 2010 at am:48 am

    Que bom, o fantástico ter feito essa descoberta.Por que é um absurdo.Tantas pessoas humildes precisando estudar e não conseguem, enquanto patricinhas pegam o lugar de quem realmente precisa.
    Há! assim é muito fácil viver, Com mordomia total.
    enquanto os pobres além de não conseguirem uma bolsa do prouni. Se matam de trabalhar pra poder viver e ainda ganham pouco.
    As vezes as pessoas esquecem que nem todos tem casa,comida e carro na garagem. Afinal o que se passa na cabeça dessas pessoas que contribuíram pra essa “desonestidade”?

  • cristiana  On junho 2, 2010 at pm:13 pm

    Eu achei isso um absurdo

  • japa  On maio 19, 2010 at am:04 am

    Mas e aí ? vão ser presas ? afinal isso é crime , tanto da parte das 3 como dos funcionários parentes delas . Sinceramente isso que dá ir pelo ”jeitinho brasileiro” de fazer as coisas , quando o governo faz algo que presta , criou o Prouni, aparecem essa escória do povo brasileiro pra querer se dar bem as custas do dinheiro público !! O senhor funcionário da UNINGÁ cujo nome não me lembro ainda teve a cara de pau de dizer que ”ESTAVA SOBRANDO” e ”QUAL O PROBLEMA? ESTÁ PREJUDICANDO A QUEM ?” ahhhhh sinceramente isso é um tapa na cara das autoridades e do MEC !!!!! primeiramente não existe ”SOBRAR” bolsas caso elas não sejam ocupadas o MEC automaticamente deve ser informado para que sejam destinadas a outras instituições ou repassadas para outros cursos , que por sinal esse valor de 3,200 reais cobreria mais de 7 pessoas do curso que eu pretendia fazer mas não tenho condições de pagar !!!!! Espero que todos que cometem esse crime , que por sinal acontece em todo o Brasil, sejam punidos severamente e ressarçam os cofres públicos ! Vamos tentar fazer desse um país melhor para se viver pessoal , nada de ”jeitinho brasileiro” vamos denunciar as autoridades e as emissoras pelo menos assim todo o Brasil vai ver as sacanagem que estão por baixo dos panos !!!!

  • marina  On maio 13, 2010 at am:44 am

    MEU FILHO ESTUDA EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA -BOLIVIA E PRETENDE TRANSFERIR PARA O BRASIL .CURSA O 7º SEMESTRE DE MEDICINA.GOSTARIA MUITO DE SABER SE ACEITAM A TRANSFERENCA. POIS SOU PROFESSORA DA REDE ESTADUAL DE MS. E ENCONTREI UMA LEI QUE DIZ:FILHO DE FUNCIONÁRIO PUBLICO TEM DIREITO A TRANSFERENCIA INDEPENDENTE DE VAGA.CASO ACEITEM A ESTUDAR O CASO TRANSFERENCIA DESDE JA AGRADEÇO A ATENÇÃO. ABRAÇO

  • Ana  On maio 9, 2010 at pm:34 pm

    Tirando o fato de que esta notícia é a síntese da safadeza e corrupção que impera neste país onde o importante é “se dar bem”, fico estarrecida que uma pessoa que entendo haver terminado o ensino universitário cometa erros de Português tais como “infelismente” e “mais”. Laine, sugiro numa boa que leia mais e procure melhorar os seus conhecimentos da nossa língua.

  • Laine  On maio 5, 2010 at am:31 am

    Olá vai aqui meu comentário sobre o que o Márcio franco disse:
    “Mais uma faculdadesina, que surgiu do nada, beira de estrada… É a decadncia do ensino brasileiro.”

    Beira de estrada a UEM tbm é, pois está na mesma Rodovia que a Uningá, e isso não quer dizer com a decadência do ensino brasileiro e sim em se aproveitar de benefícios públicos oferecidos a pessoas que realmente precisam.

    Estudei na Uningá sem beneficio nenhum, paguei todas minhas mensalidades em dia, infelismente por causa das 3 estudantes mais a coordenadora mãe e tia das meninas, mais o Ney diretor do curso de fono pai de uma delas e mais o Dr. Ricardo diretor geral, denigriram a imagem da faculdade, fora eles existem excelentes professoras e professores nesta Instituição, só não podemos generalizar.

  • Márcio Franco  On maio 4, 2010 at pm:45 pm

    Mais uma faculdadesina, que surgiu do nada, beira de estrada… É a decadncia do ensino brasileiro.

    • Victor Hugo  On maio 25, 2010 at pm:35 pm

      Apesar deste caso ISOLADO, a Uningá é uma excelente faculdade que em apenas 10 anos se destaca nos cursos na área da saúde.
      A Uningá não está só em Maringá-PR, ela possui mais de 20 extensões no Brasil, com cursos de especialização e mestrado.
      Antes de falarmos algo, devemos ponderar muito bem.
      Márcio, me permita ser “franco”, decadência sofre a língua portuguesa quanto tão mal digitada como você o fez. (Em qual faculdade você se formou?)

  • Thalita  On maio 4, 2010 at am:58 am

    “O futuro de todos os alunos de medicina da Uningá é incerto. O MEC considera que o curso – criado em 2007 – é deficiente e não pode funcionar. Apesar disso, a faculdade conseguiu um mandado de segurança. Mês passado, a Justiça decidiu pelo fechamento do curso de medicina. A faculdade recorre.”

    A pergunta que fica é, como o MEC continua liberando bolsas para um curso que ele mesmo julga deficiente?

    Ou seja, o curso não tem condições de formar profissionais capacitados, mas vamos continuar mantendo alunos estudando nele e com dinheiro público. O próprio Ministério da Educação, que deveria exigir uma educação de qualidade das instituições vinculadas ao Prouni, incentiva estas faculdades a continuar com curso e, o que é mais contraditório, em faculdades particulares que os alunos pagam para obter um diploma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: