Saúde: internet vira consultório


Estudantes de medicina trocam livros por ferramentas virtuais para auxiliar seus diagnósticos. No entanto, a divergência de informações em páginas como a ‘Wikipédia’ pode ser uma ameaça para profissionais e pacientes.

A internet invade os consultórios Estudantes de medicina vêm usando páginas como a Wikipédia e o Google como fonte de pesquisa para assuntos médicos (foto: Júlia Dias Carneiro).

A internet tem servido a cada dia mais como importante instrumento de pesquisa, principalmente entre os alunos. Recente estudo da Universidade de Melbourne, na Austrália, avaliou a relação de estudantes de medicina com a internet, procurando entender os impactos desse novo comportamento.

Os resultados mostram que páginas como Google e Wikipédia são as mais acessadas, apesar de serem consideradas as menos confiáveis. No Brasil, especialistas garantem que a situação é similar e sugerem que a solução está em páginas avaliadas pelos próprios profissionais.

O artigo, publicado no British Journal of Educational Technology pelos pesquisadores Terry Judd e Gregory Kennedy, observou a maneira como os estudantes de diferentes períodos acadêmicos utilizam as ferramentas em questão. Esses jovens, classificados por eles como a “Geração Internet”, vêm desenvolvendo uma conduta autodidata, recorrendo à busca de informações na rede mundial de computadores. Um dos problemas apontados está na distância entre essa geração e a anterior, de seus professores, menos acostumados a essa prática.

Periódicos on-line são fontes menos procuradas, enquanto o Google e Wikipédia ocupam o topo da lista

Os pesquisadores analisadas aproximadamente quatro mil sessões de navegação na internet, coletadas a partir dos computadores da universidade e referentes às consultas feitas por cerca de 840 estudantes.

A conclusão foi de que os periódicos on-line são as fontes menos procuradas, enquanto endereços como Google, Wikipédia e eMedicine ocupam o topo da lista. Ao contrário dos periódicos, que têm conteúdo analisado por pesquisadores de áreas específicas, essas páginas fornecem informações sem qualquer garantia sobre a qualidade do conteúdo.

Prejuízo na formação dos médicos

Judd e Kennedy explicam, em seu artigo, que a preocupação é de que essas fontes generalizadas possam alterar a informação mais especializada, interferindo em futuros diagnósticos e na formação desses estudantes.

“Os estudantes de medicina devem receber orientações sobre como apurar as fontes e selecionar dados, de modo que possam usar as informações disponíveis na internet da melhor forma”, alertam os autores.

Os questionários revelaram que os estudantes têm acesso amplo a várias fontes de pesquisa relacionadas à medicina. No entanto, na análise das sessões de navegação, elas geralmente apareceram como sugestões apontadas pelas páginas de pesquisa mais genéricas. A tese é de que há uma preocupação maior com a praticidade do que com a qualidade e confiabilidade dos recursos.

O caso brasileiro e a solução

O perigo do acesso imediato à informação está na falta de análise criteriosa da qualidade

No Brasil, a mesma situação tem sido observada nas aulas de medicina. Mauro Schechter, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), acredita que o perigo do acesso imediato à informação está na falta de uma análise criteriosa em relação à qualidade. “Assim como as revistas impressas avaliam e publicam as produções médicas mais relevantes, é preciso pensar em adaptações para analisar o que circula na internet”, salienta.

As consequências de se usar a internet como fonte para diagnósticos são observadas inclusive nas próprias consultas, às quais os pacientes já chegam com uma série de informações. Pensando na nova relação entre os profissionais de saúde e pacientes, a Fundação Oswaldo Cruz criou, no fim do ano passado, o Laboratório Internet, Saúde e Sociedade (Laiss), com o objetivo de indicar páginas eletrônicas que possam servir de referência na área da saúde.

Ao contrário de ferramentas como o MedPedia, uma espécie de Wikipédia restrita a conteúdo médico, a proposta do laboratório é desenvolver mecanismos que ajudem a selecionar informações, sobretudo para portais de saúde.

Ferramentas para analisar conteúdo, transparência e clareza na abordagem dos temas

André Pereira, que coordena o Laiss, explica que essas páginas seriam destinadas àqueles que já são filiados às sociedades médicas, que repassariam os resultados aos pacientes.

Essas ferramentas de avaliação devem analisar aspectos como conteúdo, transparência das fontes, facilidade de navegação dos usuários e clareza na abordagem dos temas. Dessa forma, André Pereira garante que médicos e pacientes serão bem informados.

“O médico do futuro precisa indicar não apenas os remédios ou diagnósticos, mas também páginas de internet a serem consultadas”, reflete.


Larissa Rangel

Ciência Hoje On-line

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • Pedro Brito  On abril 15, 2010 at pm:40 pm

    Olá amigo, trabalho na oficina dos bits uma das maiores lojas de hardware do Brasil: http://www.oficinadosbits.com.br e estou aqui para lhe oferecer patrocinio, fazer com que o seu blog se transforme em um site de grande sucesso e você possa ganhar dinheiro e muitos prêmios, sem nenhum custo para você, tudo isso em troca de um banner, caso tenha interesse favor entrar em contato ou pelo e-mail descrito acima ou pelo MSN: phbrito@widowslive.com

    Atenciosamente,
    Pedro Brito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: