Arquivo do dia: março 8, 2010

Hebe e Roberto: o encontro

O momento mais esperado do programa Hebe, que será exibido logo mais, às 23 horas, no SBT, foi o encontro dela com Roberto Carlos. A apresentadora exibiu uma entrevista que gravou com o Rei na última sexta-feira, num hotel em São Paulo. Animadíssima, Hebe deixou até mesmo Roberto Carlos encabulado. “Você está bárbaro, está gostoso”, disse ela.

* Depois de algumas brincadeiras e de deixar clara a admiração que tem pelo cantor, que, segundo ela, agora é seu noivo, Hebe viu Roberto Carlos cantar “Como é Grande o Meu Amor por Você”, só pra ela. A emoção foi inevitável, inclusive para quem estava na plateia e no palco, como Maria Rita, Ivete Sangalo, Ana Maria Braga e a própria Hebe. E não é que o Rei também chorou? No final da música, a voz travou e ele só conseguiu terminá-la abraçado à amiga. Um belo presente de aniversário…

Hebe e Roberto Carlos: muitas emoções
Glamurama

Vencedora do Oscar fará filme sobre Brasil-Argentina-Paraguai

Primeira mulher da história do prêmio a levar a estatueta, a ex-mulher do diretor James Cameron já tem um novo projeto para o cinema que, inclusive, envolve o Brasil.

A noite desse domingo (7) foi de Kathryn Bigelow. Seu filme, Guerra ao Terror, abocanhou seis Oscars, incluindo Melhor Filme e Direção.

Kathryn será agora diretora  de Triple Frontier, que vai mostrar a violência na tríplice fronteira Brasil-Argentina-Paraguai e deverá ter recursos similares ao oscarizado filme da diretora, que retrata a guerra do Iraque.

O roteiro de Triple Frontier será de Mark Boal – roteirista também oscarizado por Guerra ao Terror – e vai mostrar os conflitos causados pelo crime organizado na região.

Sem previsão de início das filmagens, o longa teria, ainda, colaboradores de peso como os astros Sean Penn, Javier Bardem, Denzel Washington e Christian Bale.

Plácido Domingo retira tumor no cólon

O tenor espanhol Plácido Domingo, 69 anos, passou por uma cirurgia para retirada de um tumor no cólon, na semana passada, e recebeu alta neste domingo do hospital Mount Sinai, em Nova York. Porta-voz do tenor, Nancy Seltzer, disse que Domingo se recupera bem da cirurgia e que o tumor não se espalhou.

Segundo Seltzer, Plácido Domingo deve retomar a agenda normal com apresentação no dia 16 de abril no Teatro all Scala, em Milão. O tenor deve continuar no posto de diretor da Ópera Nacional de Washington, nos Estados Unidos.

Hormônio feminino para câncer de próstata

O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens brasileiros (atrás apenas do de pele não-melanoma) e a estimativa é de 52.350 novos casos em 2010, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Um alento para os números é que existe a possibilidade de aumentar as opções de tratamento. Uma pesquisa australiana concluiu que o hormônio feminino estrogênio pode ser um grande aliado.

Os tumores do órgão masculino carregam dois receptores de estrogênio. Um deles, o beta, faz com que as células cancerosas cometam suicídio assim que ativado. Os cientistas trabalham em um medicamento que atinja seletivamente os receptores de estrogênio beta.

– A droga não só inibe o crescimento do câncer de próstata, mas também mata as células cancerosas que são resistentes ao tratamento convencional, como a terapia da privação do andrógeno, mais comumente conhecida como terapia de castração – disse Gail Risbridger, da Universidade de Monash e um dos líderes do estudo, ao jornal Daily Mail.

Helen Rippon, diretora de administração de pesquisa da Instituição de Câncer de Próstata, do Reino Unido, afirmou que medicamentos à base de estrogênio poderiam ser desenvolvidos e testados especificamente para o estágio avançado do tratamento. – Embora a terapia para bloquear as ações dos andrógenos possa controlar o câncer por muitos anos, os tumores eventualmente param de responder e retomam o crescimento – ressaltou.

Os resultados foram divulgados na publicação especializada Proceedings of the National Academy of Sciences.

Cerca de três quartos dos casos de câncer de próstata no mundo ocorrem a partir dos 65 anos, segundo o Inca. Como informou a Sociedade Brasileira de Urologia, o diagnóstico precoce é fundamental. Caso a doença não seja detectada a tempo, pode causar infertilidade, impotência sexual, infecção generalizada, problemas urinários e até a morte.

Os homens têm de fazer o exame periódico (toque retal e dosagem do antígeno prostático específico) depois dos 45 anos e, se houver casos na família, a partir dos 40 anos.

OUTRA NOVIDADE:

A American Cancer Society revisou suas diretrizes para a identificação do câncer de próstata. A principal novidade é que o exame de toque retal não é eria obrigação para identificação da doença.

Para entender o câncer e o risco que os homens correm, veja um guia prático de perguntas e respostas sobre o assunto:

Qual é o conselho central?
A questão de fundo é a mesma: Exames de rotina não são recomendados para a maioria dos homens. Antes de qualquer teste, os médicos devem discutir os prós e contras do rastreio e tratamento. Pela primeira vez, a conversa com o médico entra como uma questão importante.

Quando é que os homens devem ter essa conversa com o médico?
A. A partir de 50 anos para os homens em situação de risco médio, de 45 para aqueles com maior risco, incluindo afro-americanos e os homens com um parente com câncer de próstata antes dos 65 e a partir dos 40 para aqueles com mais de um parente com câncer de próstata antes dos 65.

Como funciona o exame?
É geralmente feito com um exame de sangue e um exame físico. Não é perfeito e não há prova de que a detecção precoce salva vidas. Os testes podem levar ao excesso de diagnósticos e tratamento excessivo de tumores de crescimento lento que pode não causar problema algum.
O exame de sangue mede uma substância chamada de antígeno prostático específico ou PSA. Mas os níveis de PSA podem ser elevados, por muitas razões, incluindo um tumor benigno da próstata ou infecções, e uma biópsia é necessária para confirmar o tumor.
Mesmo se o câncer for encontrado, não há acordo sobre a melhor abordagem de tratamento – observação a cirurgia, terapia hormonal ou radioterapia. Os tratamentos podem levar à impotência e incontinência.

E se o meu médico não tem tempo para responder todas as minhas perguntas?
A sociedade contra o câncer sugere que os médicos usem “apoios de decisão do paciente”, como folhetos, vídeos e sites, para explicar os prós e contras dos testes e do tratamento

OK, eu tenho considerado tudo isso. E se eu quiser ser testado?
A triagem deve incluir um exame de sangue PSA, diz a sociedade contra o câncer. Em uma mudança de suas orientações, o grupo de médicos diz que um exame de toque retal é hoje opcional e não uma parte padrão de qualquer exame.

AG JB

Auxilio-reclusão causa polêmica

A Previdência Social foi inundada, nos últimos dias, com e-mails irados de contribuintes, indignados com o pagamento do auxílio-reclusão, já apelidado por muitos de bolsa-bandido.

Tudo isso porque a Previdência paga o benefício para os dependentes do segurado de baixa renda preso, desde que ele se enquadre nas regras estabelecidas em lei, o que significa que tenha contribuído para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) como os demais contribuintes, antes de cometer o delito.

Segundo a Previdência, o que motivou a indignação dos cidadãos foi um e-mail tendencioso, mandado para todo mundo por uma entidade. Pelo mensagem, as pessoas são informadas que “todo presidiário tem direito a essa bolsa, de R$ 798,30 por filho, enquanto estiver na cadeia”.

A informação está errada, garante a Previdência Social. O auxílio-reclusão existe desde os anos 1960, com o objetivo de amparar a família do preso. Na Constituição de 1988, o benefício passou a ser restrito aos dependentes de presos de baixa renda.

Apenas tem direito ao auxílio-reclusão os dependentes do segurado preso, contribuinte do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), cuja remuneração máxima não ultrapassar a R$ 798,30 (salário de contribuição).

A Previdência informa que o valor médio dos benefícios concedidos é de R$ 544,04. A família do presidiário recebe esse benefício, independente de quantas pessoas dependam dele (o valor é rateado). De acordo, com o Boletim Estatístico da Previdência Social (Beps), o INSS pagou, em dezembro passado, 26.645 benefícios de auxílio-reclusão gastando, para isso, R$ 14.495.920.

Fim da ajuda
O auxílio reclusão é pago aos dependentes durante o período em que o segurado está preso sob regime fechado ou semi-aberto. O presidiário também não pode estar recebendo qualquer remuneração da empresa para a qual trabalhava, nem auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço. Os dependentes do segurado que estiver em liberdade condicional ou em regime aberto não recebem o auxílio-reclusão.

O benefício também deixa de ser pago no caso de fuga, liberdade condicional ou cumprimento da pena em regime aberto. O pagamento também é suspenso quando o dependente do presidiário perde essa condição. É o caso, por exemplo, de filho ou irmão emancipado, que completou 21 anos de idade. No caso de óbtido do segurado presidiário, o auxílio-reclusão é convertido em pensão por morte para os dependentes.

Para que o benefício que está sendo pago não seja interrompido, a Previdência exige que os dependentes apresentem, de três em três meses, atestado de que o segurado continua preso, emitido por autoridade competente.

Correio Braziliense

TV Brasil terá canal no exterior

A TV Brasil, emissora operada pela estatal Empresa Brasil de Comunicação (EBC), lançará ainda este ano um canal internacional voltado para parte dos cerca de 3 milhões de brasileiros que vivem no exterior.

A estação quer inicialmente atingir brasileiros que vivem em outros países da América Latina, EUA, África e Península Ibérica. A ideia é substituir o Canal Integración que será extinto  por uma programação por assinatura exclusivamente em língua portuguesa, transmitida por cabo.

“O Canal Integración serviu muito à ideia de integração latino-americana, mas já cumpriu o seu papel”, diz a presidente da EBC, Tereza Cruvinel. Segundo ela, há uma “enorme demanda” de emigrantes brasileiros por um canal de TV a preços baixos no exterior.

As redes Globo e Record já disputam o público emigrante brasileiro, mas há reclamações na comunidade com relação às tarifas cobradas. “O Brasil virou um país de emigração. Já foram realizadas duas conferências de emigrados. Na última, no Rio, comparecemos, e o assunto canal internacional foi mais palpitante.”

O novo canal está sendo montado por uma equipe chefiada pela jornalista Marilena Chiarelli e usará o New Skies, mesmo satélite atualmente utilizado pelo Integración por isso, a empresa avalia que não terá custo adicional nesse item, de pouco menos de R$ 500 mil anuais.

A transmissão começará até julho, pela África, onde a EBC está mais perto de fechar acordo para distribuição de programação. A empresa escolhida, a Multi-Choice, atinge 90% do continente e pode colocar a emissora nos Palops (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), como Angola e Moçambique. “A TV a cabo está chegando à África, é uma boa oportunidade”, diz Tereza.

Para os EUA, há negociações para distribuir o novo canal com a empresa Dish Network; para a América Latina, com a DirectTV; e para a Península Ibérica, com o grupo Prisa, que edita o jornal espanhol El País. Todas essas regiões já são cobertas pela órbita seguida pelo New Skies. Outras áreas, como o resto da Europa continental, o Reino Unido e o Oriente, ficarão para depois, devido a questões técnicas e financeiras. No Japão, país com uma grande comunidade brasileira, a primeira negociação empacou no alto preço que o transmissor local queria cobrar pelo serviço de distribuição.

A programação terá de sofrer alterações para ser adaptada aos fusos horários locais e porque há, na grade atual, programas de outras emissoras, licenciados exclusivamente para transmissão no País.
ORÇAMENTO

A TV Brasil Internacional é um dos projetos de expansão da EBC para 2010, quando terá um Orçamento de R$ 453 milhões, o maior de sua curta história, iniciada em dezembro de 2007. Proibida de veicular publicidade comercial, a estatal é sustentada por verbas que recebe diretamente da União, por dinheiro de patrocínios culturais (em 2009, chegou a receber dinheiro da Vale do Rio Doce), recursos por prestação de serviços a entidades federais e, este ano, espera receber ainda R$ 116 milhões da Contribuição para a Comunicação Pública, prevista na lei que criou a empresa, mas contestada na Justiça por empresas de telecomunicação.

Outros projetos são previstos para 2010 pela EBC, que aprovou seu Plano de Trabalho em seu Conselho Curador no início do ano. Um é a criação de uma rede de rádios públicas, reunindo as oito emissoras federais e estações dos governos estaduais, com possibilidade de transmitir um jornal radiofônico nacional. Outro é a expansão de atividades da TV Brasil, incluindo a criação de gerências executivas no Nordeste (São Luís), Centro-Oeste (Brasília), Norte (já tem escritório em Manaus) e no Sul (Porto Alegre). A emissora, além de mudar seu correspondente na África de Angola para Moçambique, mandará profissionais permanentes para Washington, nos EUA, e Buenos Aires, na Argentina. Tem ainda a meta de ampliar sua transmissão diária de 20 para 24 horas.

A televisão estatal também quer ampliar suas transmissões na Região Sul, onde enfrenta dificuldades que se refletem em audiência de 6%, abaixo da média nacional de 10% apontada em pesquisa DataFolha no ano passado. A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), veta a participação da TV Educativa gaúcha na rede nacional de TVs públicas, por considerá-la instrumento político do governo federal. Prefere pagar por programação produzida pela TV Cultura, emissora estadual de São Paulo, a receber o material gratuito da TV Brasil.

A EBC, que comprou por R$ 400 mil o prédio onde fica a TV gaúcha, vai instalar lá sua sede no Estado, com repetidoras em Porto Alegre e em outras quatro cidades gaúchas para levar o seu sinal aos gaúchos. A EBC ofereceu ao governo estadual a oportunidade de manter lá a emissora estadual.

%d blogueiros gostam disto: