Arquivo do dia: fevereiro 13, 2010

Veja o novo “We Are The World For Haiti”

Gravado no dia 1º de fevereiro de 2010, no mesmo estúdio que o original a 25 anos atrás (Henson Recording Studios, ou A&M Recording Studios) “We Are The World 25 For Haiti” em que Quincy Jones e Lionel Richie são novamente os produtores executivos.

Repetindo o feito de 1985, onde Michael Jackson e Lionel Richie convidaram Quincy Jones para produzir o megahit “We Are The World”.

Contando ainda com a  colaboração dos produtores executivos Wyclef Jean, Randy Phillips e Peter Tortorici, produtores Humberto Gattica e RedOne, e co-produtores Rickey Minor Mervyn Warren e Patti Austen para beneficiar os esforços na reconstrução do Haiti após o terremoto

Academy Award-winning roteirista e diretor Paul Haggis (Bater, Million Dollar Baby), cujos próprios esforços pessoais, bem como aqueles de Artistas pela Paz e a Justiça já salvou inúmeras vidas no Haiti, filmou a sessão da gravação privada eme estudio para criar o vídeo de acompanhamento e por trás das cenas no Haiti feutas pelos diretores de cinema Jones, Richie, Jean, Phillips e Tortorici.

O 25º aniversário de gravação traz cerca de 80 artista e performances. A regravação “We Are The World 25 For Haiti” mantém o mesmo entusiasmo, senso de propósito e generosidade que o original gravado há 25 anos atrás.

Cada um dos artistas que participaram, independente do gênero ou geração, entrou no estúdio com seus corações e almas completamente aberta para ajudara o povo do Haiti. Entre eles identificamos na gravação:

Carlos Santana, Orianthi, Jennifer Hudson, Jamie Foxx, Sugarland, Adam Levine, Jason Mraz, Earth Wind & Fire, Natalie Cole, The Jonas Brothers, T-Pain, Brian Wilson, Justin Bieber, Nicole Scherzinger, India.Arie, Julianne Hough , Mary Mary, Melanie Fiona, BeBe Winans, Mya, Tyrese Gibson, Anthony Hamilton, Raphael Saadiq, Gladys Knight, Keri Hilson, Joel e Benji Madden, Coração, Brandy, Pink, Musiq Soulchild, Miley Cyrus, Akon, Jordin Sparks, Celine Dion, Rob Thomas, Katharine McPhee, Jeff Bridges, Randy Jackson, Patti Austin, Kid Cudi, Usher, Will.i.am, Kanye West, LL Cool J, Isaac Slade (The Fray), Snoop Dogg, Nicole Richie, Trey Songz, Ethan Bortnick Taryll Jackson Taj Jackson, TJ Jackson, Vince Vaughn, Drake, Freda Payne, Faith Evans, Robin Thicke, Rashida Jones, Barbra Streisand, Jimmy Jean Louis, Enrique Iglesias, Zac Brown, Lil Wayne, Tony Bennett, Josh Groban, Sean Garrett, Harry Connick Jr., Al Jardine, Bone Thugs-N-Harmony (Bizzy Bone) e ARRahman

Liberada soja transgênica nacional

Depois de 10 anos, a Basf e a Embrapa anunciaram finalmente que receberam a aprovação da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança para comercializar a soja tolerante a herbicidas desenvolvida em parceria pelas duas empresas. O novo transgênico é o primeiro 100% desenvolvido no Brasil.

É também o primeiro lançamento mundial de um produto geneticamente modificado com a marca Basf  – que desenvolve parcerias com outras empresas na área de transgênicos, mas que ainda não resultaram em produtos aprovados. “O Brasil é o país da agricultura e fazia todo o sentido criar um produto do zero aqui”, diz Walter Dissinger, presidente da Basf no Brasil. Até hoje, todos os lançamentos de transgênicos no país eram adaptações de produtos criados para outros mercados agrícolas. A soja da Basf e da Embrapa irá fazer o caminho contrário. Está previsto o lançamento da variedade tolerante a herbicidas na Argentina, Bolívia, Colômbia e Paraguai.

A nova variedade, que custou 20 milhões de dólares para ser desenvolvida, chega para valer ao mercado em 2012 (a safra 2011 será reservada para a produção das sementes). A expectativa da Basf é que ela atinja cerca de 20% do mercado de sementes transgênicas de soja nos próximos seis anos – o que equivaleria a plantar 3 milhões de hectares.

A estratégia da empresa alemã é vender a nova soja como uma alternativa complementar à tecnologia Roundup Ready da Monsanto, líder absoluta nas lavouras geneticamente modificadas do Brasil. “Nenhuma variedade transgênica consegue atacar 100% das plantas invasoras, que no caso da soja são mais de 30. É importante o agricultor alternar as tecnologias em campo”, diz Luiz Louzano, diretor de biotecnologia da empresa alemã.

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) aprovou na quinta-feira o plantio comercial no Brasil de duas variedades de soja transgênica.

As duas variedades contam com a mesma tecnologia e são tolerantes ao herbicida glufosinato de amônio, mas uma é adaptada para o Centro-Oeste brasileiro e outra para o Sul, segundo a Bayer.

As aprovações, de acordo com a CTNBio, contaram com 18 votos favoráveis. Três membros da comissão votaram contra.

A Bayer, detentora da tecnologia, agora vai trabalhar o plano de negócios para o lançamento das cultivares, informou nesta sexta-feira a assessoria de imprensa da companhia alemã no Brasil, que não forneceu mais detalhes sobre quando espera colocar as variedades no mercado brasileiro.

Agora, o Brasil, segundo produtor mundial de soja, passa a ter quatro variedades de soja transgênica aprovadas.

A primeira delas, já utilizada em larga escala no Brasil, é a Roundup Ready, da Monsanto, tolerante ao herbicida glifosato.

A segunda variedade de soja autorizada no Brasil, após anos de domínio da Roundup Ready, foi aprovada pela CTNBio somente no final do ano passado, uma semente desenvolvida em parceria entre a Embrapa e a Basf, tolerante a herbicidas do grupo químico das imidazolinas.

Com a aprovação das sojas da Bayer, o Brasil passa a ter 21 sementes transgênicas aprovadas, considerando 11 de milho e seis de algodão, além das outras duas de soja.

Algumas variedades, entretanto, ainda não estão no mercado, pois boa parte das aprovações pela CTNBio -especialmente de milho- ocorreu em 2009 e não houve tempo para a multiplicação das sementes.

Roberto Samora/OGlobo

Iguatemi afasta Eliana Tranchesi da Daslu

A decisão da construtora WTorre de impor o Grupo Iguatemi como novo administrador da Villa Daslu revela muito mais do que a substituição da administração do empreendimento, até então tocada pela BR Malls. A empresária Eliana Tranchesi foi totalmente afastada das decisões do empreendimento comercial que criou. A Daslu passa a ser apenas uma loja dentro da Villa, que ganha cada vez mais cara de shopping de luxo.

A marca Daslu, entretanto, continua em posse de Eliana – e comenta-se no mercado que sua venda estaria sendo negociada para o banco Pactual. Procurada pelo Estado, Eliana Tranchesi, que esta em NY assistindo aos desfiles de moda daquela cidade, não foi encontrada para comentários.

A WTorre, dona do imóvel, é quem de fato vinha dando as cartas do negócio e agora, ao que tudo indica, assume oficialmente a figura de controlador da Villa. Um sinal claro disso é o comunicado enviado ontem à noite ao mercado e à imprensa. Apenas o presidente da da WTorre, Paulo Remy Gillet Neto, e o presidente do Iguatemi, Carlos Jereissati, assinam o documento. Não há nenhuma menção ao nome de Eliana Tranchesi.

Uma fonte ligada ao Iguatemi diz que, possivelmente, o nome Villa Daslu será extinto no decorrer dos próximos meses. A decisão sobre o nome deveria ter sido tomada junto com o anúncio do novo administrador, mas a saída antes do previsto da BR Malls precipitou a chegada do Iguatemi e o assunto do novo batismo não foi resolvido.

A Daslu enfrenta uma séria crise financeira. Está com o aluguel do imóvel atrasado há meses, suspendeu a publicação da revista que levava sua marca e, pela primeira vez desde a a inauguração da loja, não realizou um pomposo desfile de lançamento de coleção. Houve apenas uma apresentação, tímida se comparada às dos anos anteriores, de uma nova coleção também bem mais enxuta.

AE

%d blogueiros gostam disto: