Óleo de copaíba no tratamento da tuberculose


Desde os primórdios da raça humana, a tuberculose preocupa a população mundial. Com o avanço tecnológico, algumas curas foram desvendadas. Mas, o processo de estudo nunca acaba para aprimorar os tratamentos medicinais.

Uma equipe de cientistas do Laboratório de Farmacologia Aplicada do Instituto de Tecnologia em Fármacos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) acredita que existem formas mais eficazes de curar a doença que já afligiu tanto o mundo e é transmitida pelo ar. Os pesquisadores analisam o óleo de copaíba como potente remédio para combater a tuberculose.

Os testes são realizados primeiro em animais com a bactéria Mycobacterium bovis  – derivada da Mycobacterium tuberculosis, causadora da moléstia. A opção pela bactéria bovis é em razão da grande capacidade de infecção da tuberculosis, provocando riscos aos pesquisadores.

A copaíba é uma planta nativa da região amazônica e seu óleo é usado popularmente no tratamento de gripes, tosses, bronquites, inflamação da garganta e artrite. O estudo vai comprovar se a planta realmente combate essas doenças e, principalmente, a tuberculose. A ideia é certificar o produto como um fármaco. Atualmente, a copaíba é comercializada em farmácias como produto natural.

A bióloga Maria das Graças Henriques explica que os primeiros resultados são promissores e que foi verificada a morte da bactéria nos animais.  De acordo com ela, ainda serão estudados os efeitos da ingestão do produto no corpo humano. “Estamos verificando se ele é tóxico por via oral e o tempo de circulação do produto no organismo”. A previsão  é de terminar as análises toxicológicas em 2011. “Dependendo do resultado desses estudos vamos avaliar a possibilidade de evoluir os testes para humanos”.

Segundo a bióloga, o estudo visa a utilização sustentável da planta. “Apenas o óleo é extraído da árvore, que continua na floresta para uma próxima coleta da seiva”. A pesquisadora alerta que nem toda árvore produz o óleo eficaz no tratamento de inflamações. Por existirem várias espécies de copaíba, os elementos químicos da resina extraída podem variar conforme a região e o solo que a árvore é plantada.

Tuberculose

A tuberculose é transmitida de uma pessoa para outra pelo ar. Os sintomas são febre persistente com suores e calafrios, perda de apetite, emagrecimento e fraqueza. A tosse ocorre quando a bactéria causa infecção nos pulmões. O bacilo pode ficar alojado por muitos anos no organismo e não se manifestar. Quando a imunidade sofre uma queda, os sintomas aparecem. Algumas pessoas chegam a não desenvolver o problema nunca.

No caso da tuberculose pulmonar, o diagnóstico é feito por meio das coletas de secreções respiratórias (catarro) ou do material recolhido no pulmão.  Poucos sabem que outros órgãos do corpo, como a pele, os rins, os ossos, o fígado e até os olhos podem ser atacados pelo bacilo. Nesses casos, geralmente, é feita a biópsia para comprovar a presença da bactéria. Se não tratada a tempo, a tuberculose leva a morte.

Dados do Ministério da Saúde revelam que, no Brasil, cerca de 50 milhões de brasileiros podem estar infectados. Anualmente 80 mil novos casos da doença são registrados com 5 mil óbitos.
Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • jane  On novembro 25, 2010 at pm:25 pm

    USo óleo de copa´ba p/ dor de garganta,me recupero logo mas agora n~estou encontrando,estou tomando remédio da farmácia mas n~esta adiantando.

    • Marly  On maio 4, 2011 at pm:33 pm

      Vc quer óleo de copaíba?
      Em que cidade vc reside?

      Envie email para maria.ely@globo.com, vou lhe indicar.
      Abçs.
      Boa Saúde para todos nós.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: