Dr. Roger Abdelmassih é preso por abuso sexual


A Polícia Civil prendeu nesta segunda-feira (17) o médico Roger Abdelmassih, especialista em reprodução assistida, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

A prisão ocorreu por volta das 15h30 na clínica mantida pelo profissional na Avenida Brasil, na Zona Sul de São Paulo. Ele foi levado para a 1ª Delegacia Seccional, na Rua Aurora, no Centro.

A prisão foi decretada pelo juiz Bruno Paes Stranforini, da 16ª Vara Criminal da capital paulista. De acordo com o TJ, a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo foi recebida pelo juiz, que instaurou processo criminal para análise das acusações contra Abdelmassih.

O médico foi indiciado em junho pela Polícia Civil, sob suspeita de estupro e atentado violento ao pudor contra suas pacientes.

O advogado José Luis Oliveira Lima, que defende Abdelmassih, confirmou a prisão e disse que vai conceder coletiva à imprensa no fim da tarde na delegacia onde o cliente está detido. Ele não quis adiantar comentários sobre a prisão.

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) abriu 51 processos ético-profissionais contra profissional. De acordo com a assessoria de imprensa do Cremesp, a abertura dos processos foi decidida na sexta-feira (7), em reunião plenária do conselho.

Os processos, todos individuais, estão relacionados a cada uma das vítimas que apresentaram denúncia ao Cremesp. Até terça-feira (11), o conselho informou que não tinha informações sobre se o médico foi notificado de cada um dos processos.

Eles foram originados de sindicâncias abertas conforme as pacientes que relataram ter sofrido abusos procuraram o conselho. As vítimas foram encaminhadas pelo Ministério Público durante as investigações do caso.

Na terça-feira, o advogado José Luis Oliveira Lima informou que a transformação das sindicâncias em processos é um movimento normal e que ele e seu cliente estão tranquilos em relação ao andamento dos processos.

Histórico

As investigações começaram a ser feitas no início do ano passado, quando ex-pacientes procuraram o Gaeco, um grupo especial do Ministério Público. A maior parte das pacientes tem idades entre 30 e 45 anos e são de vários estados do país. O relato mais antigo é de 1994 e há outros de 2005, 2006 e 2007. Algumas chegaram a procurar a polícia na época, mas a maioria só se manifestou após ver os relatos na imprensa.

De acordo com a Promotoria, os relatos das pacientes são muito parecidos quanto à forma de abordagem no consultório. Os supostos ataques ocorreriam quando as pacientes estavam voltando da sedação ou até mesmo sem estarem sedadas e em momentos quando não havia outra pessoa na sala. Os promotores tentaram denunciar o médico no ano passado, mas a Justiça não aceitou a denúncia justificando que os promotores não tinham poder para investigar. O caso foi encaminhado para a polícia, naquela ocasião.

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • Francini  On agosto 25, 2009 at pm:18 pm

    Ué os médicos são sempre os “perfeitos” para a população!!!!
    Bem feito pra essa classe nojenta!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: