Protetora de Anne Frank faz 100 anos


Miep Gies

Miep Gies encontrou o diário de Anne Frank e o transformou em livro

A principal protetora da menina judia Anne Frank e sua família completa 100 anos neste domingo. Miep Gies é a única sobrevivente do pequeno grupo de pessoas que conheciam o esconderijo onde os Frank viveram por dois anos, em Amsterdã, na Holanda, durante a Segunda Guerra Mundial.

Nascida em Viena, na Áustria, com o nome de Hermine Santrouschitz, Miep foi trazida de Viena para Leiden, na Holanda, em dezembro de 1920, para escapar da falta de alimentos que assolava a Áustria após a Primeira Guerra Mundial. Em 1922, ela se mudou com sua família adotiva para Amsterdã. Em 1933, conheceu Otto Frank quando solicitou emprego como secretária em sua empresa de especiarias, Opekta.

Gies era secretária do pai de Anne Frank  e ajudou sua família e outras quatro pessoas a se manterem escondidas dos nazistas, levando comida, jornais e outros mantimentos, de 1942 a 1944. Depois que uma denúncia anônima levou os alemães à descoberta do esconderijo e à prisão dos Frank e seus companheiros, Gies encontrou no local o diário e outras anotações de Anne, cujo conteúdo virou um dos livros mais lidos do mundo.

‘Tranquila’ Em uma entrevista na semana passada, Miep Gies, que ainda vive em Amsterdã, disse que vai comemorar seu aniversário tranquilamente, com amigos e familiares. Ela afirmou que não merece toda a atenção dada a ela e lembrou que outras pessoas fizeram muito mais para proteger os judeus holandeses durante a Segunda Guerra.

Com seu marido, Jan Gies, Miep ajudou a esconder Edith e Otto Frank, suas duas filhas, Margot e Anne Frank, Hermann e Auguste van Pels, seu filho Peter, e Fritz Pfeffer nos quartos dos fundos do prédio da empresa de Otto Frank no Prinsengracht, em Amsterdã, de julho de 1942 a agosto de 1944. O local é hoje o Museu Anne Frank.

Por dois anos, junto com outros ajudantes, ela se certificou de que as pessoas que estavam se escondendo tivessem comida e outros itens essenciais, colocando sua própria vida em risco.
Depois que o grupo foi traído e preso em agosto de 1944, Miep Gies encontrou os diários de Anne Frank. Ela guardou os manuscritos em uma gaveta, esperando a volta de Anne. Quando a guerra terminou e foi confirmado que Anne havia morrido no campo de concentração de Bergen-Belsen, ela entregou os diários a seu pai, Otto Frank, o único membro da família que sobreviveu aos campos de concentração nazistas. Ele conseguiu a publicação dos diários em 1947.

Em suas declarações, Miep diz: “Eu não sou uma heroína. Não foi uma coisa que planejei fazer, simplesmente fiz o que pude para ajudar.”

Gies virou uma espécie de “porta-voz” dos Frank, viajando pelo mundo para falar de Anne e para fazer campanha contra a negação do Holocausto e contra boatos de que o diário teria sido inventado. Nunca se descobriu quem fez a denúncia anônima sobre o esconderijo.

Anne Frank morreu de tifo no campo de concentração de Bergen-Belsen poucos meses antes do fim da guerra. Seu pai foi o único da família a sobreviver. Junto com Gies, ele compilou as anotações da filha em um livro que foi publicado em 1947.

A obra foi traduzida para vários idiomas e vendeu dezenas de milhares de cópias até hoje.

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • Tahh*  On dezembro 1, 2009 at pm:53 pm

    Adorei tudo e admiro muito o trbalho dessa mulher como o de todos os corajosos que permaneceram no anexo…agora que fiquei sabendo do Museu Anne Frank com certeza o Amsterdã vai ser um local visitado por mim!!!:);)

  • Fatima  On junho 16, 2009 at am:53 am

    gostaria de receber por email trechos do diario de ANNE fRANK

  • Victoria Breda  On junho 13, 2009 at pm:30 pm

    eu estou estudando sobre Anne Frank e achei muito interessante esta reportagem!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Elis  On março 4, 2009 at pm:18 pm

    Sem comentários, a senhora é uma mulher incrível e o diário de Anne Frank um dos relatos mais emocionantes sobre a segunda guerra mundial.
    Um grande abraço!

  • Sara  On março 4, 2009 at am:11 am

    Parabéns, pelo seu trabalho!
    De lembrar a memoria de uma menina que sofreu muito na 2ªguerra mundial
    !!!!!!!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: