Brasil e Vaticano fazem acordo juridico histórico


O Brasil e a Santa Sé assinaram acordo histórico sobre as relações jurídicas entre o Estado e a Igreja Católica. Ele abrange questões que vão do ensino da religião nas escolas até a validade das sentenças eclesiásticas em matéria matrimonial e também a inserção de espaços para prédios religiosos e o reconhecimento de títulos acadêmicos eclesiásticos. A embaixadora do Brasil na Santa Sé é Vera Machado.

O acordo foi firmado pelo ministro do Exterior da Santa Sé, Dom Dominique Mamberti, e pelo chanceler Celso Amorim. O ministro brasileiro destacou o papel da Igreja na redemocratização do Brasil, em especial na defesa e promoção dos direitos humanos.

Click aqui para ler na Íntegra todo o acordo:

Celso Amorim também destacou o papel do catolicismo na conscientização dos brasileiros em relação a desigualdades sociais e o Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Scherer, explicou que o Brasil vai reconhecer as decisões sobre matrimônios dos tribunais eclesiásticos.

O presidente da CNBB, dom Geraldo Lyrio Rocha, assinalou que o acordo não privilegiou a Igreja Católica, nem discrimina outras religiões. Ele entende que o novo estatuto vai substituir documentos precários e acabar com embaraços em cartórios, bancos e repartições públicas.

Vaticano/JP

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • Washington Fernandes  On maio 4, 2010 at pm:59 pm

    Provavelmente ofereceram um cantinho no ceu para estes filhos da puta!!!

  • Jefferson Miranda dos Reis Cury  On outubro 20, 2009 at am:14 am

    Vejam em que está dando esse acordo:
    Ontem vi uma propaganda eleitoral, na qual o “garoto propaganda” dizia: “Toda cidade tem uma praça, uma igreja e um comitê do PMDB.”
    Vejam para onde as coisas estão indo!!
    Qual é a denominação que possui uma construção numa praça em toda cidade do Brasil? Só existe uma.
    Os partidos ou a política não estão se identificando com a Igreja de Jesus, que é composta por todos os cristãos fiéis à Palava de Deus, sejam de que denominação for, inclusive de igrejas sem nome, ou com a religiosidade do povo. Não. Estão se identificando com uma única denominação: Igreja Católica Apostólica Romana.
    Ou seja, o PMDB é o partido da Igreja Católica Apostólica Romana!!
    Se essa moda pega!!!…

  • jefferson miranda dos reis cury  On outubro 8, 2009 at pm:02 pm

    Há pessoas que não sabem ler.
    Eu jamais disse que o ensino católico estava sendo imposto e nem que seria ele o exclusivo para os estudantes.
    Eu disse que o ensino religioso católico está sendo garantido pelo acordo e que qualquer outro tipo de ensino religioso não foi garantido especificamente em lei ou acordo algum.
    A forma expressa, isto é, escrita, no mundo jurídico tem muito valor. Daí a forte discriminação com as demais igrejas e religiões.

  • jefferson miranda dos reis cury  On outubro 8, 2009 at am:14 am

    ENTENDE, MAS NÃO PRATICA.

    CHAMAR AS PESSOAS DE RIDÍCULAS, PATÉTICAS E AGORA DE COMENTÁRIO PÉRFIDO NÃO É NADA ÉTICO E TAMBÉM É IMORAL EM NOSSO BRASIL.

    TENTA IRRITAR O ESPÍRITO E AS EMOÇÕES DAS PESSOAS E DEPOIS LHES DESEJA A PAZ… A PESSOA EU NÃO SEI, MAS O TEXTO É HIPOCRITA.

  • Alcineide  On outubro 8, 2009 at am:09 am

    Qto ao ex-presidente Fernando Collor, realmente ele é um crápola.
    Qto a este projeto da lei das religiões, terá um outro projeto que deverá ser aprovado antes, pq se querem fazer uma lei das religiçoes, o Congresso tem que definir o que entendo por religião, se não a lei não vai pegar.

    Pax vobis.

  • jefferson miranda dos reis cury  On outubro 8, 2009 at am:05 am

    E foi aprovado pelo Senado…

    Quarta-feira passada a maioria dos senadores, injustamente e inconstitucionalmente, aprovou o acordo.
    Os parlamentares de outras religiões haviam feito movimento que impedisse a aprovação do acordo com o Vaticano, mas adotaram outra estratégia nos últimos meses: desistiram de derrubar a concordata e estão defendendo seu próprio acordo, o qual resultará na Lei Geral das Religiões, cujo projeto já foi aprovado na Câmara dos Deputados.
    Na prática, é uma cópia do acordo com o Vaticano, trocando-se o termo “Igreja Católica” pela expressão “todas as religiões”.
    Segundo o deputado federal Ivan Valente (PSOL-PT) o tema foi pouco discutido e “de forma equivocada”, na Câmara. Segundo ele “Virou uma guerra de religiões, com os deputados votando cada um de acordo com as suas próprias crenças. O mérito jurídico, técnico, ficou de lado”.

    Advinha quem foi o relator do projeto que aprovou o acordo? – Quem? – Quem? – Quem? – Quem? – Quem?!!! – FERNANDO COLLOR (PTB – ALAGOAS). O ex-Presidente do Brasil, cuja mãe morreu de desgosto, cujo irmão Pedro morreu de desgosto, que passou a mão na poupança e no dinheiro de todo mundo, pelo que muitas pessoas até suicidaram, que depois abriu as torneiras do dinheiro para a Igreja Católica (quando o líder anterior da mesma veio ao Brasil pedir esse favor) e que foi posto prá fora pelo justo impeachetment.

  • Alcineide  On outubro 7, 2009 at pm:59 pm

    Quanto a este péfido comentário sobre moral e ética, só quero dizer que de fato a moral é baseada em regras, qua não fazem bem somente para um grupo de pessoas, não existe essa relação nescessária, sendo assim eu digo : Não matar, matar um Homem é crime, isto é uma norma, é moral é lei, agora eu digo respeite a vida, isso é um preceito é ética. A ética tem preceito universal e diz respeito à atitude particular. A moral tem normas comunitárias e diz respeito a atitudes igualmente comunitários.
    Contrário ao que diz a IGNORÃNCIA do mesmo comentário diz a nossa Constituição que o Estado é responsável pela formação completa do indivíduo etem o dever de proporcionar o desenvolvimento de todas as suas capacidades, isso passa pelo desenvolvimento de sua espiritualidade, e eu disse espeiritualidade e não da religião Católica ou qualquer outra, pq isto é da família. No entanto esse ensino religioso, que de maneira lastimosa é facultativo é a disciplina responsável por este desenvolvimento espiritual.
    Os professores, em sua maioria não têm clareza do que seja a ética e os valores que passam é a competitividade, olho por olho e coisas dessa natureza.
    De ética e moral eu entendo.

    O Senhor vos dê a PAZ.

  • Nelson  On outubro 7, 2009 at pm:06 pm

    Eu simplesmente não acredito que depois de tantas melhorias em nosso País. Nós podemos nos deparar com uma situação tão absurda como esta, e deixar que voltemos no tempo, e sejamos monopolizados mais uma vez por uma religião que só traz desgraças para a humanidade. Não devemos aceitar que uma “merda” como o Vaticano (Papa), possa interferir na nossa Lei maior. Somos um País laico, leigo e não confessional.

    • João  On fevereiro 11, 2011 at am:30 am

      Boca suja. Coração Infeliz..

  • jefferson miranda dos reis cury  On setembro 30, 2009 at pm:54 pm

    O acordo em questão pode ter cunho moral, pois atende aos interesses de uma classe, àquilo que essa categoria de pessoas acha que é bom.
    A palavra moral vem do latim mores e quer dizer costume.
    Aqui em Minas Gerais, temos o costume de comer tutu de feijão e torresmo, ou então frango com quiabo e angu, ou escondidinho de moranga com carne de sol. Mas lá no Japão eles não têm esses costumes. Lá eles costumam comer peixe cru e misturam comida salgada com doce. Vocês já experimentaram comer feijão com açúcar? Há pessoas que gostam. Eu detesto. Nós temos o costume de comer com garfo e faca. Lá no Japão e na China eles têm o costume de comer com palitinhos.
    A moral é composta de regras que atendem ao interesse individual ou grupal, mas não a todos. A moral diz: -Não chegue em casa depois das vinte e duas horas. Você pergunta: – Por que? A moral responde: – Porque é bom prá você. A ética, por sua vez, está sempre perguntando. A ética pergunta: – É bom prá mim por que? Faz bem prá mim porque faz bem prá você? Faz bem pra nós, mas faz bem prá todos?
    Então, a moral afirma, faz a regra: Acordo entre o Brasil e o Vaticano. Você pergunta: Por que? A moral responde: Porque o acordo faz bem prá você. Você pergunta: Faz bem prá mim por que? Faz bem prá mim porque faz bem para os políticos brasileiros perante o eleitorado católico? Faz bem prá mim porque faz bem para a categoria hierárquica do catolicismo? Faz bem prá mim por que? Eu não sou católico apostólico romano. Faz bem para os políticos perante os católicos e para o catolicismo ou faz bem para todos? Ou seja, faz bem também para os ateus, os espíritas, os umbandistas, os índios, os budistas, os evangélicos, as Testemunhas de Jeová, os mórmons, os adventistas de sétimo dia, os seisho no iê, etc.? Faz bem para todos ao mesmo tempo? Se faz bem para todos, que bem é esse?
    A resposta é óbvia: FAZ BEM PARA A CÚPULA DO CATOLICISMO, PARA SEUS SUBORDINADOS HIERÁRQUICOS, PARA ELES E OS POLÍTICOS BRASILEIROS QUE APOIAM O PRESIDENTE LULA NESSE ACORDO, PERANTE O ELEITORADO CATOLICO. Ou seja, o acordo satisfaz aos interesses de três grupos: corporação hierárquica católica (que também são políticos do Vaticano), muitos políticos brasileiros e aqueles católicos que apóiam o acordo.
    Alguém dirá: – Ora, se não faz bem aos demais grupos, mal também não faz. Mas a questão não é apenas o mal que se comete. A questão é o bem que não se faz. Uma conduta ou atitude pode ser feita por ação ou por omissão. Assim, há a conduta comissiva e a conduta omissiva. No livro de Tiago, na Bíblia, está escrito que “aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz está pecando”. No caso em tela, os representantes brasileiros não estão fazendo o bem e sabem que devem fazê-lo aos demais grupos religiosos, igrejas e ateus. Estão fazendo mal aos demais grupos, pela omissão. Estão omitindo os privilégios concedidos ao Vaticano aos demais grupos.
    Para ser ético o Brasil deveria dizer: Não vamos fazer acordo porque tudo o que deveríamos dizer sobre igrejas, cultos, organizações religiosas e ensino religioso já está previsto em nosso ordenamento jurídico, sem discriminação, vedado todo proselitismo.
    Mas o acordo foi com o Estado do Vaticano! Um outro país! Oh, sim, foi. Mas o conteúdo do acordo trata de assistência religiosa, missão religiosa, espaços para cultos religiosos, ensino religioso, etc.. Então, o acordo é de cunho religioso. Isto não é ético, pois desrespeita todas as demais religiões, igrejas e aos ateus.
    A moral de alguns é o desrespeito a outros.
    A ética não desrespeita a ninguém.
    Quero esclarecer que Educação Moral e Cívica foi uma estratégia pseudoeducacional que serviu aos interesses da ditadura militar.
    A educação hoje não é moralista, mas se preocupa em transmitir valores éticos.
    Todos os professores, hoje, sejam de que matéria for, devem passar valores éticos aos seus alunos. Não devem passar a sua religião, mas valores éticos.
    Ética é algo que faz bem para todos, sem distinção. Moral é algo que propicia o bem ou satisfaz ao interesse somente de um indivíduo ou de algum grupo ou classe de indivíduos e não para toda e qualquer classe ou para todos os indivíduos.
    A moral de alguns leva-os a práticas que aos seus olhos lhes faz bem, pois essa é a sua moral, mas a ética pode aferir o mal que fazem a eles mesmos. Por exemplo: é moral entre certa tribo indígena do Brasil que para um menino passar a ser considerado adulto ele precisa manter uma de suas mãos e o braço enfiados em um formigueiro e suportar as mordidas das formigas por certo tempo. Isso é moral? Para nós é imoral! Mas para eles é moral! Mas é ético? Faz bem ao menino? Destarte, há regras morais que não são éticas e há regras morais que são éticas.
    A educação era moral porque atendia aos ditames morais da classe dos militares que, então, era autoritária. Era a ditadura moral militar. Agora, a moral do governo vigente, da situação (Partido dos Trabalhadores e seus aliados) e do Vaticano, quer se impor como norma ética para todo o País. Isso é imoral!Mas para eles é moral! Mas é ético?
    O tratamento ético que a Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988 e as demais leis vigentes, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional derem ao assunto basta.
    Se o acordo não cria vínculo nenhum entre o Brasil e o Vaticano e conseqüentemente com a denominação Igreja Católica Apostólica Romana, então o Brasil não fez acordo nenhum. Mas se cria tais vínculos, uma vez que o acordo é eminentemente de cunho religioso, como expusemos retro, a ética dada ao assunto pela Constituição e demais leis brasileiras foi alijada, abandonada no ostracismo, na sarjeta, na lama, banalizada publicamente pela troca da moral costumeira de serem imorais nossos infiéis representantes.

    • jefferson miranda dos reis cury  On outubro 2, 2009 at am:50 am

      Brasil faz acordo histórico com a Arábia Saudita e outros países muçulmanos
      Íntegra do Acordo entre o Brasil e a Arábia Saudita
      Ato assinado por ocasião da Audiência Privada do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva com Sua Majestade o Rei Abdullah Bin Abdel Aziz Al Saud – Palácio Real de Riad, 16 de maio de 2009
      ACORDO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A ARÁBIA SAUDITA RELATIVO AO ESTATUTO JURÍDICO DO ISLAM NO BRASIL
      A República Federativa do Brasil e o Reino da Arábia Saudita (doravante denominados Altas Partes Contratantes),
      Considerando que o Islam é a suprema autoridade do Islamismo ou Religião Muçulmana, no que tange ao Reino da Arábia Saudita, regida pelo Direito Teocrático Islâmico da Arábia Saudita; Considerando as relações históricas entre o Islamismo e o Brasil e suas respectivas responsabilidades a serviço da sociedade e do bem integral da pessoa humana;
      Afirmando que as Altas Partes Contratantes são, cada uma na própria ordem, autônomas, independentes e soberanas e cooperam para a construção de uma sociedade mais justa, pacífica e fraterna;
      Baseando-se, o Islam, nos documentos do Alcorão e das leis do Reino da Arábia Saudita, e a República Federativa do Brasil, no seu ordenamento jurídico;
      Reafirmando a adesão ao princípio, internacionalmente reconhecido, de liberdade religiosa;
      Reconhecendo que a Constituição brasileira garante o livre exercício dos cultos religiosos;
      Animados da intenção de fortalecer e incentivar as mútuas relações já existentes;
      Convieram no seguinte:
      Artigo 1º
      As Altas Partes Contratantes continuarão a ser representadas, em suas relações diplomáticas, por um Sheik acreditado junto à República Federativa do Brasil e por um Embaixador(a) do Brasil acreditado(a) junto ao Islã, em Riad, com as imunidades e garantias asseguradas pela Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, de 18 de abril de 1961, e demais regras internacionais.
      Artigo 2º
      A República Federativa do Brasil, com fundamento no direito de liberdade religiosa, reconhece ao Islamismo, neste acordo também denominado Religião Muçulmana, o direito de desempenhar a sua missão muçulmana, garantindo o exercício público de suas atividades, observado o ordenamento jurídico brasileiro.
      Artigo 3º
      A República Federativa do Brasil reafirma a personalidade jurídica da Religião Muçulmana e de todas as Instituições Islâmicas que possuem tal personalidade em conformidade com o direito islâmico, desde que não contrarie o sistema constitucional e as leis brasileiras, tais como o Conselho dos Sheiks, Mesquitas Centrais, Mesquitas Inteiores, Liga Islâmica Árabe, Liga Árabe para a Divulgação do Islamismo para os Fiéis de Outros Ritos.
      § 1º. A Religião Muçulmana pode livremente criar, modificar ou extinguir todas as Instituições Islâmicas mencionadas no caput deste artigo.
      § 2º. A personalidade jurídica das Instituições Islâmicas será reconhecida pela República Federativa do Brasil mediante a inscrição no respectivo registro do ato de criação, nos termos da legislação brasileira, vedado ao poder público negar-lhes reconhecimento ou registro do ato de criação, devendo também ser averbadas todas as alterações por que passar o ato.
      Artigo 4º
      O Islam declara que nenhuma circunscrição islâmica do Brasil dependerá de Sheik cuja sede esteja fixada em território estrangeiro.
      Artigo 5º
      As pessoas jurídicas islâmicas, reconhecidas nos termos do Artigo 3º, que, além de fins religiosos, persigam fins de assistência e solidariedade social, desenvolverão a própria atividade e gozarão de todos os direitos, imunidades, isenções e benefícios atribuídos às entidades com fins de natureza semelhante previstos no ordenamento jurídico brasileiro, desde que observados os requisitos e obrigações exigidos pela legislação brasileira.
      Artigo 6º
      As Altas Partes reconhecem que o patrimônio histórico, artístico e cultural da Religião Muçulmana, assim como os documentos custodiados nos seus arquivos e bibliotecas, constituem parte relevante do patrimônio cultural brasileiro, e continuarão a cooperar para Religião Islâmica ou de outras pessoas jurídicas islâmicas, que sejam considerados pelo Brasil como parte de seu patrimônio cultural e artístico.
      § 1º. A República Federativa do Brasil, em atenção ao princípio da cooperação, reconhece que a finalidade própria dos bens islâmicos mencionados no caput deste artigo deve ser salvaguardada pelo ordenamento jurídico brasileiro, sem prejuízo de outras finalidades que possam surgir da sua natureza cultural.
      § 2º. A Religião Muçulmana, ciente do valor do seu patrimônio cultural, compromete-se a facilitar o acesso a ele para todos os que o queiram conhecer e estudar, salvaguardadas as suas finalidades religiosas e as exigências de sua proteção e da tutela dos arquivos.
      Artigo 7º
      A República Federativa do Brasil assegura, nos termos do seu ordenamento jurídico, as medidas necessárias para garantir a proteção dos lugares de culto do Islamismo ou e de suas liturgias, símbolos, imagens e objetos cultuais, contra toda forma de violação, desrespeito e uso ilegítimo.
      § 1º. Nenhum edifício, dependência ou objeto afeto ao culto muçulmano, observada a função social da propriedade e a legislação, pode ser demolido, ocupado, transportado, sujeito a obras ou destinado pelo Estado e entidades públicas a outro fim, salvo por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, nos termos da Constituição brasileira.
      Artigo 8º
      A Religião Muçulmana, em vista do bem comum da sociedade brasileira, especialmente dos cidadãos mais necessitados, compromete-se, observadas as exigências da lei, a dar assistência espiritual aos fiéis internados em estabelecimentos de saúde, de assistência social, de educação ou similar, ou detidos em estabelecimento prisional ou similar, observadas as normas de cada estabelecimento, e que, por essa razão, estejam impedidos de exercer em condições normais a prática religiosa e a requeiram. A República Federativa do Brasil garante ao Islamismo o direito de exercer este serviço, inerente à sua própria missão.
      Artigo 9º
      O reconhecimento recíproco de títulos e qualificações em nível de Graduação e Pós-Graduação estará sujeito, respectivamente, às exigências dos ordenamentos jurídicos brasileiro e do Islam, através do Reino da Arábia Saudita.
      Artigo 10
      O Islamismo, em atenção ao princípio de cooperação com o Estado, continuará a colocar suas instituições de ensino, em todos os níveis, a serviço da sociedade, em conformidade com seus fins e com as exigências do ordenamento jurídico brasileiro.
      § 1º. A República Federativa do Brasil reconhece ao Islamismo o direito de constituir e administrar Seminários e outros Institutos islâmicos de formação e cultura.
      § 2º. O reconhecimento dos efeitos civis dos estudos, graus e títulos obtidos nos Seminários e Institutos antes mencionados é regulado pelo ordenamento jurídico brasileiro, em condição de paridade com estudos de idêntica natureza.
      Artigo 11
      A República Federativa do Brasil, em observância ao direito de liberdade religiosa, da diversidade cultural e da pluralidade confessional do País, respeita a importância do ensino religioso em vista da formação integral da pessoa.
      §1º. O ensino religioso, muçulmano e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação.
      Artigo 12
      O casamento celebrado em conformidade com as leis islâmicas, que atender também às exigências estabelecidas pelo direito brasileiro para contrair o casamento, produz os efeitos civis, desde que registrado no registro próprio, produzindo efeitos a partir da data de sua celebração.
      § 1º. A homologação das sentenças islâmicas em matéria matrimonial, confirmadas pelo órgão de controle superior do Islam, no que concerne ao Reino da Arábia Saudita,, será efetuada nos termos da legislação brasileira sobre homologação de sentenças estrangeiras.
      Artigo 13
      É garantido o oficio de direção das orações pelos imãs e o direito do muçulmano de orar cinco vezes ao dia, voltado para Meca.
      Artigo 14
      A República Federativa do Brasil declara o seu empenho na destinação de espaços a fins religiosos, que deverão ser previstos nos instrumentos de planejamento urbano a serem estabelecidos no respectivo Plano Diretor.
      Artigo 15
      Às pessoas jurídicas islâmicas, assim como ao patrimônio, renda e serviços relacionados com as suas finalidades essenciais, é reconhecida a garantia de imunidade tributária referente aos impostos, em conformidade com a Constituição brasileira.
      § Unico. Para fins tributários, as pessoas jurídicas do Islamismo que exerçam atividade social e educacional sem finalidade lucrativa receberão o mesmo tratamento e benefícios outorgados às entidades filantrópicas reconhecidas pelo ordenamento jurídico brasileiro, inclusive, em termos de requisitos e obrigações exigidos para fins de imunidade e isenção.
      Artigo 16
      Dado o caráter peculiar religioso e beneficente da Religião Muçulmana e de suas instituições:
      I – O vínculo entre os Sheiks, imãs e Ulemás consagrados mediante votos e as Mesquitas ou Institutos Religiosos e equiparados é de caráter religioso e portanto, observado o disposto na legislação trabalhista brasileira, não gera, por si mesmo, vínculo empregatício, a não ser que seja provado o desvirtuamento da instituição eclesiástica.
      II – As tarefas de índole islâmica ou muçulmana, do imã, litúrgica, dos Ulemás, assistencial, de promoção humana e semelhantes poderão ser realizadas a título voluntário, observado o disposto na legislação trabalhista brasileira.
      Artigo 17
      Os Sheiks, no exercício de sua missão islâmica, poderão convidar Sheiks, imãs, Ulemás, membros de institutos religiosos islâmicos e leigos, que não tenham nacionalidade brasileira, para servir no território de suas mesquitas, e pedir às autoridades brasileiras, em nome deles, a concessão do visto para exercer atividade islâmica no Brasil.
      § Único. Em conseqüência do pedido formal do Sheik , de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro, poderá ser concedido o visto permanente ou temporário, conforme o caso, pelos motivos acima expostos.
      Artigo 18
      O presente acordo poderá ser complementado por ajustes concluídos entre as Altas Partes Contratantes.
      § Unico. Órgãos do Governo brasileiro, no âmbito de suas respectivas competências e o Conselho dos Sheiks do Brasil, devidamente autorizado pelo Islam, no que tange ao Reino da Arábia Saudita, poderão celebrar convênio sobre matérias específicas, para implementação do presente Acordo.
      Artigo 19
      Quaisquer divergências na aplicação ou interpretação do presente acordo serão resolvidas por negociações diplomáticas diretas.
      Artigo 20
      Será celebrado acordo entre a República Federativa do Brasil e o Reino da Arábia Saudita, representando o Islam, para assistência religiosa às Forças Armadas.
      Artigo 21
      O presente acordo entrará em vigor na data da troca dos instrumentos de ratificação, ressalvadas as situações jurídicas existentes e constituídas ao abrigo do Decreto nº 119-A, de 7 de janeiro de 1890
      Feito na Cidade de Riad, aos 16 dias do mês de maio do ano de 2009, em dois originais, nos idiomas português e árabe, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

  • jefferson miranda dos reis cury  On setembro 29, 2009 at am:58 am

    Não há acordo entre a justiça e a injustiça.
    Não há acordo entre a luz e as trevas.
    Não há acordo entre Cristo e Belial.
    Não há acordo entre o fiel e o infiel.
    Não há acordo entre o templo de Deus e os ídolos.
    2ª Coríntios 6:14-18
    Há acordo entre partes que são ‘farinha do mesmo saco” ou “gatos do mesmo balaio”.
    “Um gambá cheira o outro.”

    A bíblia declara que o nosso corpo é o templo do Deus vivo, o templo do Espírito Santo e que não pertencemos a nós mesmos.
    1ª Coríntios 6:19-20 “Ou näo sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?
    Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.”

    Leiam Êxodo 20:1-6:
    “Entäo falou Deus todas estas palavras, dizendo:
    Eu sou o SENHOR teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidäo.
    Näo terás outros deuses diante de mim.
    Näo farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
    Näo te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geraçäo daqueles que me odeiam.
    E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.”

    “NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM.” Êxodo 20:3

    Portanto, idólatra não é apenas quem adora uma imagem, quem se encurva perante ela ou quem a serve. A primeira ênfase está no verbo “terás”, isto é, “Não terás outros deuses”. Portanto, basta ter um ídolo para ser considerado idólatra, de acordo com as Escrituras. Idólatra é quem consente no ídolo, quem consente na presença do ídolo.
    Ídolo é tudo aquilo que, seja material ou imaterial, colocamos entre nós e Deus, acima da Sua vontade, acima da Sua Palavra. Sua Palavra é categórica e clara: “NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM.” “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”, “NÃO TERÁS”.

    É melhor obedecer do que sacrificar. A desobediência trás consequência.
    Está escrito na Palavra de Deus que a desobediência é como a idolatria e o porfiar, isto é, teimar e insistir na desobediência é como o pecado de feitiçaria e prostituição. São os prostitutos cultuais. Disse Jesus: “A TUA PALAVRA É A VERDADE.”

    E você? Tem algum ídolo no seu coração? Ou você só tem Deus? Hoje, na chamada pós modernidade, é moda cada um criar ou inventar o seu próprio deus. Você faz isso? O seu Deus é amoldado ou emoldurado à sua vontade? Ou o seu Deus é o que está descrito na Bíblia? Você se submete a Ele como Seu Dono? Você O obedece? O seu Deus é Deus? Ou o seu Deus é light? A Bíblia diz que Deus é a Rocha. O seu Deus é uma Rocha? Ou o seu Deus é uma massinha que você amolda de acordo com as suas conveniências? Você trocaria a sua religião por Deus, ou por Jesus Cristo, se Ele requisitasse isso de você? Ou não? Você não tem nenhum ídolo? Você faz parte de uma organização que tem ídolo ou ídolos?
    Se você faz parte de algo que tem alguma coisa, então, você tem essa coisa, pois que você integra, faz parte daquilo que tem essa coisa.
    A minha mão esquerda faz parte do meu corpo, minha mão direita, os meus pés e o meu nariz também. Portanto, qualquer coisa que a minha mão esquerda possua, a minha mão direita, os meus pés e o meu nariz também possuem, pois o que a minha mão esquerda possui o meu corpo possui e minha mão direita, meus pés e o meu nariz fazem parte do meu corpo, o compõem. Assim, qualquer coisa que meu corpo possua, seja em que parte for, todas as partes do meu corpo possuem. E aonde o meu nariz se meter todo o meu corpo estará se metendo. Se tenho um grave machucado na mão o meu rosto se contrai, minha garganta geme, fecho os olhos e todo o corpo sente e até entra em febre. O cérebro não poderá dizer que não perceberá a dor do machucado na mão.
    Portanto, não podemos nos eximir da responsabilidade que temos se fizermos parte de uma organização que viva em pecado, porque estamos consentindo e dando apoio e sustentado aquele pecado. Fazemos parte daquele corpo, esteja ele só doente ou esteja ele morto.
    As Escrituras afirmam que a Igreja é o Corpo de Cristo. Por acaso Cristo seria idólatra? Por acaso Cristo está morto? Ele não ressuscitou?! Consentiria no ídolo? Por acaso você já ouviu falar que por não existir fotografia naquela época Jesus ou seus discípulos tinham quadros pintados ou esculturas de Moisés, de Daniel, de Elias, de Eliseu, de Débora, de Sansão, Samuel, Davi, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias, Malaquias, ou de Noé, Enoque, Raquel, Ana, Jacó, Isaque, Abraão, Enos, Eva ou Adão? Por acaso algum ou alguns desses personagens são estranhos a você? Por que? Você não lê as Escrituras? Que conhecimento você tem de Deus, então? E mais: você já leu as Escrituras todas? E mais: você conhece apenas a letra das Escrituras ou as Escrituras são reveladas a você além do que está na letra? E mais: as Escrituras lhe dão vida eterna ou são apenas livros de histórias, poesias ou um conjunto de regras do tipo isso pode e aquilo não pode? E mais: você conhece apenas a letra das Escrituras ou você já teve um encontro com Deus? E mais: você só teve um encontro com Deus ou você se encontra com Ele todos os dias? E mais: Você se encontra com Ele todos os dias ou você está cercado por Ele, envolto por ele? E mais: você está envolto por Ele ou Ele lhe envolve e habita em você? Você tem comunhão com Deus? Você acha que comunga ou tem certeza que comunga mesmo com Ele? Você comunga com as idéias d’Ele? Você concorda com todas elas? Você tem em comum com Deus (comunga) a idéia de que “NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM”? Ou você vive arrumando uma desculpa esfarrapada para as suas idéias próprias, esculpindo o seu Deusinho de massinha? Ah que gracinha… o menino Deus… pobrezinho…
    Religião é isto: Mamãe! Mamãe1 Mamãe! Mamãe… Mamãe… Esse emocionalismo sem fruto. Religião é isto: Jesus nasceu: peru com farofa; Jesus morreu: bacalhau com batata, palmito…; Jesus ressuscitou: ovo de páscoa, chocolate. Religião é essa porcaria. Não tem revelação. A diferença entre a religião e a revelação é esta: você coloca uma formiga e um elefante numa peneira e chacoalha; o que ficar é a religião. Ou seja, não tem nada a ver uma coisa com a outra. Há pessoas que acham que história é religião; outros acham que discurso é pregação; outros acham que religião é revelação. A revelação só pode ser dada pelo próprio Deus, mais especificamente, pelo Espírito Santo de Deus. Jamais pela interpretação ou pela razão humana. A gente pode ensinar uma pessoa, mas só o espírito Santo pode convencê-la. Está escrito que o Espírito Santo “convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo”. Logo, quem não está convertido, ou pelo menos convencido, está afastado do Espírito Santo de Deus. É só por isso que não entendem. E porque não entendem não obedecem. Então, não adianta querer convencer. Isto é obra do Espírito Santo. A gente dá o recado, entrega a mensagem de Deus, entrega a revelação para a pessoa e deixa o resto com o Espírito Santo. Se a pessoa abrir seu coração, seu espírito, então o Espírito Santo agirá. O Espírito Santo não força ou toca na vontade de ninguém. Ele está batendo na porta dos corações: “Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em seu coração e cearei com ele e ele comigo.”
    Só em Cristo há salvação. Só em Cristo há revelação. Jamais na religião.
    “Obedecer é mais que importante: é prova de amor. Com alegria vou obedecer ao Senhor.”
    Quando o inferno escancarar a sua boca – e já está escancarada – e você perceber e for salvo, arrependendo-se antes que seja tarde, então você não reclamará, não desprezará, não dirá que é soberba e nem zombará mais da dura e “arrogante” pregação dos crentes evangélicos. “Raça de víboras! Quem vos induziu a fugir da ira vindoura? Produzi frutos dignos de arrependimento.” Então João batista era um soberbo e arrogante? Agora, se você não tem certeza de que está salvo ou se tem complexo de inferioridade exatamente por causa disso é porque você está precisando urgentemente de Jesus Cristo. Jesus te ama e pode te dar uma nova vida. Receba-O como seu único e suficiente Senhor (Dono) e Salvador e será salvo.
    Está escrito: “Melhor é a repreensão aberta do que o amor encoberto.” Fiéis são as feridas dum amigo; mas os beijos dum inimigo são enganosos.” Provérbios 27:5-6. Também está escrito: “Fira-me o justo, será isso uma benignidade; e repreenda-me, isso será como óleo sobre a minha cabeça; não o recuse a minha cabeça; mas continuarei a orar contra os feitos dos ímpios.” Salmo 141:5
    Quem são ímpios para nós os evangélicos? São as pessoas perdidas? Não!!! Porque a nossa luta não e contra a carne nem contra o sangue, mas contra as hostes espirituais da maldade, os principados e potestades malignos que infestam os ares, contra os príncipes das trevas deste século, nas regiões celestes. Efésios 6:12. Para nós, os evangélicos, os ímpios são os demônios, os seres espirituais malignos e não as pessoas, nossos semelhantes, seres humanos, carentes do nosso amor e nossa compaixão em Cristo.

  • frank m mota  On setembro 24, 2009 at pm:26 pm

    Não podemos aceitar esse acordo do BRASIL e VATICANO
    PORQUE? não existe uma teligião oficial no Brasil, então isso trais privilégios para uma unica só religião,
    Não comcordo com isso porque todos temos o livre arbrito de escolher a Religião que devemos seguir.
    o Lula não tem se quer o de descultir isso.
    Pois sou Evangelico e Estudante de uma escola publica, se esse
    acordo acontecer nos sofreremos preconceitos pelos católicistas
    e isso vai trazer conflitos entre religiões.
    e mais nõs que vamos arca com os impostos para manter os professores de ensino religioso.
    o Lula deside algo é quem paga é a sociedade.

  • jefferson miranda dos reis cury  On setembro 24, 2009 at pm:13 pm

    Em 2ª Timóteo 2:23-26 está escrito:

    23 E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas.
    24 E ao servo do Senhor não convém contender, mas, sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor;
    25 Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade,
    26 E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos.
    “Ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor…” (2 Timóteo 2:24). “Todos os que recebem a Jesus Cristo como seu Senhor fazem-se Seus servos. Esta deve ser a atitude de todos nós. “Contender” é discutir de forma agressiva. Argumentar com mansidão é construtivo se temos aptidão para ensinar, mas envolve paciência e mesmo sofrimento às vezes.”
    Engraçado: uma vez uma irmã, ainda muito inexperiente, disse para um Pastor: – Pastor, eu tenho um dom. Ao que o Pastor perguntou: – Qual dom, minha irmã? A irmãzinha respondeu: – Eu tenho o dom de enxergar os defeitos dos outros. Ao que o Pastor lhe disse: – Amada irmã, então, jogue logo isso fora porque isso não é um dom, isso é um “dão”.
    Podemos trocar idéias jurídicas a respeito do acordo com o Vaticano, perquerindo se é constitucional ou não, se contradiz letra de lei federal ou não e até se houve um tratamento ético para com as demais religiões, igrejas e ateus. Mas esse negócio de debater contenciosamente, ofendendo essa ou aquela pessoa, ou todo um grupo de pessoas, por ser de igreja ou religião diferente, ou mesmo não ter religião alguma é uma discussão inútil e muito chata. Aliás, ofender alguém é crime previsto no Código Penal. É crime contra a pessoa, contextualizado entre os crimes contra a honra, entre os quais estão a difamação e a calúnia, denominando-se crime de injúria.
    Portanto, cuidado!! Se você ofende alguém, citando, inclusive, o nome da pessoa e depois ainda faz prova do crime assinando seu nome embaixo, mesmo alegando desconhecimento da lei, você pode ser processado e penalizado criminalmente!! “IGNORANTIA LEGIS NEMINEM EXCUSAT”.
    A propósito: ético é aquilo que favorece a todos ao mesmo tempo, é algo que proporciona o bem comum e não apenas para um individuo, ou apenas para um grupo de pessoas, ainda que esse grupo seja composto de milhões ou bilhões de pessoas. A regra só será ética se proporcionar o bem para todos os seres humanos de toda a face da terra ao mesmo tempo.
    Quer um exemplo de regras éticas? Estão lá no Sermão da Montanha. Jesus foi o único homem perfeitamente ético. Todas as suas regras são éticas. É óbvio que são também ou antes espirituais e cheias de vida eterna, mas que são éticas são, pois proporcionam o bem para toda a humanidade e não apenas para um grupo.
    A diferença entre o que é ético e o que é moral é, basicamente, esta: A moral diz: Faça isto. Você pergunta: Por que? A moral responde: Porque é bom para você. Aí você pergunta: É bom para mim por que? Porque é bom para você? A ética continua perguntando: É bom para ele somente? É bom para você somente? É bom só para os dois? É bom só para um grupo de pessoas ou é bom para todas as pessoas? Então, a moral trata de regras, enquanto a ética trata de princípios, de valores. Para a ética uma regra só tem sentido se fizer o bem para todos. Para a ética a resposta de que algo é para o bem só tem sentido se esse “bem” vier adjetivado pela palavra “comum”. Ou seja, quando a ética pergunta “isso é para o bem de quem?” a resposta ética é aquela que verdadeiramente possa responder: isso é para o bem comum.
    É uma regra moral, entre nós, que casemos somente com uma pessoa. A moral diz que isso é bom para nós. (Principalmente quando é pessoa do sexo oposto, não é mesmo?) Mas há lugares em que a regra moral lhes permite casar com quatro mulheres, ou com dois homens, com várias mulheres, etc.. Há muitas morais, mas uma só ética.
    Por isso, não devemos ser moralistas. Há muitas morais. A moral defende interesses pessoais, interesses corporativos, grupais, de determinadas classes. A ética defende o interesse de todos, visa o bem comum e atinge o comum.
    Neste aspecto, podemos dizer que o acordo entre o Brasil e o Vaticano foi não foi ético.

  • jefferson miranda dos reis cury  On setembro 21, 2009 at pm:29 pm

    Nas entrelinhas do Acordo
    Li todos os comentários anteriores e exprimo a seguinte opinião:
    DA EXISTÊNCIA INCONSTITUCIONAL DO ACORDO
    Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;
    O próprio acordo em si já é inconstitucional. Não importa qual seja o teor ou conteúdo expresso no acordo. A simples existência do acordo (sinônimo de aliança) já é contrária ao texto expresso da Constituição de 5 de outubro. Se não, vejamos:
    O Artigo 19 da CF/88 proíbe à União, aos Estados, ao distrito Federal e aos Municípios estabelecer ou manter relações de aliança com igrejas ou seus representantes. Ora, o Vaticano é representante da denominada Igreja Católica e, portanto, a União não pode estabelecer ou manter aliança (acordo) com o Vaticano ou com a denominada Igreja Católica. Está evidente no texto constitucional: “É vedado à União (…) estabelecer (…) ou manter (…) aliança (…)” com aqueles entes, não importa qual seja o credo.
    DA SUBVENÇÃO E ESTABELECIMENTO DE CULTOS RELIGIOSOS OU IGREJAS
    Outrossim, reza no mesmo artigo 19, de nosso diploma legal máximo, ser vedado à União “estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los”.
    Ora, as partes do acordo em tela são o Brasil e o Vaticano. Sendo assim, ao “declarar o seu empenho na destinação de espaços a fins religiosos, que deverão ser previstos nos instrumentos de planejamento urbano a serem estabelecidos no respectivo Plano Diretor” de cada Município, o Brasil está subvencionando a denominada Igreja Católica ou seu representante, ou o Vaticano ou seus representantes, estes também representantes da Igreja Católica, com bens materiais, de altíssimo valor monetário, como sói ser o espaço territorial ou lote de cada Município brasileiro. Nesta mesma esteira, por via de conseqüência, o Brasil estaria estabelecendo fisicamente a presença da Igreja Católica naqueles locais e forçosamente estabelecendo o tipo de culto que nos mesmos seriam realizados, pois que a Igreja Católica não realizaria ali um culto aos orixás, nem uma reunião no estilo Kardecista, ou uma reunião budista e muito menos islâmica ou protestante, ou qualquer outra que contrariasse sua interpretação das Escrituras, seus dogmas e tradições. Mesmo que tal estabelecimento de culto seja por via oblíqua, indireta, é inegável o fato. Leia-se o texto do artigo14 do acordo ora impugnado:
    “Artigo 14. A República Federativa do Brasil declara o seu empenho na destinação de espaços a fins religiosos, que deverão ser previstos nos instrumentos de planejamento urbano a serem estabelecidos no respectivo Plano Diretor.”
    DO EMBARAÇO
    É letra do artigo 19 de nossa Lei Maior: “É vedado à União (…) estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento”.
    Ao subvencionar o espaço para a denominada Igreja católica, O Brasil estaria estabelecendo locais de construção exclusiva dos prédios da mesma e excluindo as demais religiões daquele local, em cada Município do país, embaraçando o funcionamento de outras Igrejas e demais religiões naqueles espaços.
    DAS RELAÇÕES DE DEPENDÊNCIA
    A Constituição Cidadã fixa ainda, no mesmo artigo. 19, que é “vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios (…) estabelecer cultos religiosos ou igreja (…) ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público”.
    Se o indigitado acordo for aprovado pelo Egrégio Colegiado da câmara alta, o Brasil haverá estabelecido e estará mantendo com a denominada Igreja Católica e seus representantes, daqui ou do Vaticano, relações de dependência, uma vez que estará sujeito a obedecer aos termos do acordo, inclusive aos eventuais acréscimos que vierem a ser feitos no mesmo. Essas relações de dependência são vedadas pela Magna Carta.
    DA DESIGUALDADE
    Para quem gosta de reza, aí vai:
    Reza a nossa Constituição: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
    VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
    VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
    Ao formalizar o referido acordo os representantes do Brasil estão proporcionando um tratamento desigual aos brasileiros e estrangeiros residentes no País. Isso é evidente no tratamento diferenciado que o acordo proporciona à denominada Igreja Católica, o que assaz expusemos e demonstramos acima, consistindo tudo isso uma questão só de direito, bastando ver e entender os textos constitucionais que antagonizam com o acordo, sem necessidade de demonstração de provas fáticas, pois não é uma questão de direito e de fato. Destarte, ao ensejar o estabelecimento cultos religiosos ou igrejas, sua subvenção, o embaraço do funcionamento de muitos cultos e igrejas, ao ensejar a manutenção de ter com a denomina da Igreja Católica ou seus representantes relações de dependência ou aliança, os representantes do Brasil estão dilacerando o inciso VIII, do artigo 5º no qual reza: “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa”. Ora, procedendo como estão, os tais representantes do Brasil estão privando de direitos por motivo de crença religiosa aos demais brasileiros e estrangeiros residentes no País que não são da denominada Igreja Católica, pois que estão sendo privados da doação pelo Estado de espaços para construção de seus templos, da realização de cultos religiosos nos mesmos espaços denegados, privados da subvenção estatal, privados pelo embaraço no funcionamento de seus estabelecimentos e cultos naqueles mesmos espaços. Mas alguém dirá: ora, conceder essas regalias às demais religiões ou igrejas é inconstitucional! Perguntamos: e por que não é inconstitucional para a denominada Igreja Católica?!
    Veja-se agora a notória desigualdade de tratamento, estampada no artigo 19 do acordo em pauta: “Quaisquer divergências na aplicação ou interpretação do presente acordo serão resolvidas por negociações diplomáticas diretas.”
    Negociações diplomáticas diretas?! Por que não submeter ao Poder Judiciário? Quando alguém possui alguma divergência contra outrem, seja pessoa física ou pessoa jurídica, inclusive contra qualquer outra religião ou igreja não recorre ao Poder Judiciário? Não consta em nossa Constituição, em seu artigo 5º, inciso XXXV que “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito” ? Como, pois, resolver-se-ia toda controvérsia sobre o indigitado inconstitucional acordo com negociações diplomáticas diretas?!!!
    DA DISTORÇÃO E ALEIJAMENTO DA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL E DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
    Analisando com mais vagar, mais detidamente, o Artigo 11 do acordo, cheguei às conclusões que passo a aduzir:
    Que a letra do §1º do artigo 11 impõe a existência do ensino religioso católico nas escolas públicas de ensino fundamental estaduais e municipais de todo o País. É óbvio que o mesmo parágrafo menciona o ensino religioso de outras religiões, mas soa como algo desprezível, ou seja, enfatiza-se o ensino religioso católico e depois faz-se mera alusão àquelas outras quaisquer que sejam “religiões”… A gente lê assim: §1º. O ensino religioso, CATÓLICO e de outras confissões religiosas” (grifo do autor). Sejam quais forem as outras confissões religiosas, nenhuma delas é citada de forma expressa, porém, “o ensino religioso, CATÓLICO (…) constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas”. Ou seja, o ensino religioso CATÓLICO está garantido pelo acordo. Já o ensino religioso de cada uma das “outras confissões religiosas” não está garantido de forma expressa, porque não se disse que tipos de ensinos religiosos seriam. Nenhum outro tipo de confissão religiosa ou de ensino religioso foi especificado, exceto o católico. O ensino católico está expresso, escrito, especificado: ensino religioso católico. Este ensino católico está expressamente garantido.
    Que pelo citado parágrafo há de ter ensino religioso nas escolas públicas de ensino fundamental, mas, seja qual for o ensino religioso que se adote, o ensino religioso católico já está garantido.
    Que o §1º do artigo 11 do acordo nada mais é que uma distorção de uma lei federal brasileira, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação , Lei nº 9.334, de 20 de dezembro de 1996, com redação dada pela Lei nº 9.475, de22 de julho de 1997, que legisla sobre este assunto da seguinte maneira, em seu artigo 33: “O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo.”
    Que a letra do §1º do artigo 11 do acordo evidencia acréscimos e omissões ao artigo 33 da citada lei federal supra, forçando um proselitismo ao catolicismo romano. Compare-se a seguir os dois textos superpostos (artigo 33 mencionado e §1º do artigo 11 do acordo), estando em negrito o que foi acrescentado e sublinhado o que foi omitido: “O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação, vedadas quaisquer formas de proselitismo.” O texto do acordo acrescentou especificamente o termo “católico” e depois os termos “e de outras confissões religiosas”, omitiu os termos “parte integrante da formação básica do cidadão”, acrescentou “em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes” e omitiu os termos “vedadas quaisquer formas de proselitismo”.
    Que os termos do acordo “em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes” jamais poderão subsistir em nosso ordenamento jurídico, porque a constituição Federal veda, proíbe especificar o tipo de ensino religioso a ser aplicado nas escolas públicas e a LDBEN, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, vedou “quaisquer formas de proselitismo” e por isso mesmo não citou especificamente qualquer tipo de ensino religioso em seu texto, mas apenas determinou “O ensino religioso, de matrícula facultativa”. Não há no texto da lei federal o termo “católico” nem o de qualquer outro seguimento religioso. Isto sim, refere-se a ensino ecumênico e não o texto do acordo.
    Que a LDBEN submeteu-se à Constituição Federal, respeitando nossa Lei Maior, obedecendo ao princípio da hierarquia das leis, não vinculando seu texto a qualquer seguimento religioso específico. Ora, o texto da Constituição Federal, em seu artigo 210 e §1 determina, “in verbis”: “Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais. § 1º – O ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental.” É notório que o texto constitucional também não especifica qualquer tipo de ensino ou seguimento religioso. A LDBEN obedeceu ao texto constitucional. Ao contrário disso, o acordo especificou o ensino religioso católico. O acordo foi, mais uma vez, contra a Constituição, mais uma vez foi inconstitucional, não se submeteu ao texto da Constituição, antes, rebelou-se contra ela. O acordo não diz que o ensino religioso seria só o católico, mas garante que seja qual for o tipo ou tipos de ensino religioso o ensino religioso católico haverá que ter a sua vez, obrigatoriamente, não obstante a matrícula seja facultativa.
    Que na proclamação da República já se pôs um basta nesses absurdos, nesse “crear differenças entre os habitantes do paiz”. Vejam quem figurava ali: Ruy Barbosa, Benjamim Constant, Campos Salles, Quintino Bocaiúva entre outros ilustres da história brasileira. Não podemos regressar ao século XVIII, mesmo porque envergonharíamos nossos antepassados que assinam o Decreto Nº 119-A, de 7 de janeiro de 1890.

    Leiamos, pois, o Decreto mencionado no referido acordo. O referido Decreto está em vigor.
    Presidência da RepúblicaCasa CivilSubchefia para Assuntos Jurídicos
    DECRETO Nº 119-A, DE 7 DE JANEIRO DE 1890.
    Vigência restabelecida pelo Decreto nº 4.496 de 2002 Prohibe a intervenção da autoridade federal e dos Estados federados em materia religiosa, consagra a plena liberdade de cultos, extingue o padroado e estabelece outras providencias.
    O Marechal Manoel Deodoro da Fonseca, Chefe do Governo Provisorio da Republica dos Estados Unidos do Brasil, constituido pelo Exercito e Armada, em nome da Nação,
    decreta:
    Art. 1º E’ prohibido á autoridade federal, assim como á dos Estados federados, expedir leis, regulamentos, ou actos administrativos, estabelecendo alguma religião, ou vedando-a, e crear differenças entre os habitantes do paiz, ou nos serviços sustentados á custa do orçamento, por motivo de crenças, ou opiniões philosophicas ou religiosas.
    Art. 2º a todas as confissões religiosas pertence por igual a faculdade de exercerem o seu culto, regerem-se segundo a sua fé e não serem contrariadas nos actos particulares ou publicos, que interessem o exercicio deste decreto.
    Art. 3º A liberdade aqui instituida abrange não só os individuos nos actos individuaes, sinão tabem as igrejas, associações e institutos em que se acharem agremiados; cabendo a todos o pleno direito de se constituirem e viverem collectivamente, segundo o seu credo e a sua disciplina, sem intervenção do poder publico.
    Art. 4º Fica extincto o padroado com todas as suas instituições, recursos e prerogativas.
    Art. 5º A todas as igrejas e confissões religiosas se reconhece a personalidade juridica, para adquirirem bens e os administrarem, sob os limites postos pelas leis concernentes á propriedade de mão-morta, mantendo-se a cada uma o dominio de seus haveres actuaes, bem como dos seus edificios de culto.
    Art. 6º O Governo Federal continúa a prover á congrua, sustentação dos actuaes serventuarios do culto catholico e subvencionará por anno as cadeiras dos seminarios; ficando livre a cada Estado o arbitrio de manter os futuros ministros desse ou de outro culto, sem contravenção do disposto nos artigos antecedentes.
    Art. 7º Revogam-se as disposições em contrario.
    Sala das sessões do Governo Provisorio, 7 de janeiro de 1890, 2° da Republica.
    Manoel Deodoro da Fonseca.
    Aristides da Silveira Lobo.
    Ruy Barbosa.
    Benjamin Constant Botelho de Magalhães.
    Eduardo Wandenkolk. – M. Ferraz de Campos Salles.
    Demetrio Nunes Ribeiro.
    Q. Bocayuva
    Que se o acordo foi aprovado pela câmara alta, o Senado Federal, merecerá por ato da mais lídima justiça uma ADIN, Ação Direta de Inconstitucionalidade, ajuizada por qualquer pessoa ou órgão competente.
    DA CONCLUSÃO
    EX POSITIS,
    Protesto contra essa injustiça que veio se desenrolando na surdina, contra esse acordo antijurídico, ilícito, inconstitucional e que agora veio a lume. Tomo a liberdade, como cristão evangélico, em primeiro lugar, depois como brasileiro, patriota e por ultimo na condição, com muita galhardia, de Advogado, de protestar contra essa injustiça, usando as palavras do grande literato de nossa língua, o Pe. Antônio Vieira, inclusive como prova de que não tenho preconceito religioso:
    “Não hei de pedir pedindo, senão protestando e argumentando; pois esta é a licença e liberdade que tem quem não pede favor, senão justiça.”
    Brasileiros!! A Constituição Federal é o nosso maior acordo, é o nosso maior contrato, é o nosso maior pacto para garantir a paz social e a nossa soberania. Queimemos com nossos protestos essa bula injusta!!!
    “PACTA SUNT SERVANDA”: OS CONTRATOS DEVEM SER CUMPRIDOS.
    Nada mais tenho a dizer sobre o tal “acordo” feito na surdina. O resto são falácias.
    GLÓRIA AO DEUS ALTÍSSIMO QUE REMOVE REIS E ESTABELECE REIS, DÁ SABEDORIA AOS SÁBIOS E ENTENDIMENTO AOS ENTENDIDOS, COMO ESTÁ ESCRITO NO LIVRO DE DANIEL QUE, JUNTO COM SEUS TRÊS AMIGOS MOSTRARAM-SE DEZ VEZES MAIS SÁBIOS QUE OS SÁBIOS DE BABILÔNIA.
    AMO A TODOS OS CATÓLICOS, BUDISTAS, ESPÍRITAS, UMBANDISTAS, ATEUS, EVANGÉLICOS E A TODOS OS DEMAIS ISTAS, ÓLICOS, ÉLICOS E EUS QUE EXISTEM POR AÍ.
    SÓ JESUS CRISTO SALVA.
    A PAZ DO SENHOR JESUS CRISTO AOS AMADOS IRMÃOS EM CRISTO E A QUANTOS MAIS QUEIRAM RECEBÊ-LA.

  • tayla  On setembro 20, 2009 at pm:52 pm

    Isso é absolutament inconstitucional, absurdo, isso fere o principio da liberdade religiosa.
    Tenho vergonha do presidente, gracas a Deus ta acabando o mandato mas as consequencias infelizmente o povo brasileiro tem que arcar!
    Que vergonha

  • Iomar  On setembro 19, 2009 at pm:48 pm

    Gostaria de salientar que toda essa conversa e troca de acusações desproporcionais é fruto do desamor e da falta de conhecimento da palavra de Deus. Só saber textos de versículos e capítulos da bíblia para atcar os outros não garantem o céu. Então, aconselho que aprofundem no conhecimento e na vivência do amor… (Deus é amor).

  • IVONE MARIA GAIO  On setembro 18, 2009 at am:23 am

    Sou evangélica, e não concordo com esse acordo, pois Igreja e Estado já sabemos no que dá, temo uma nova Inquisissão. A Igreja Católica querendo ser CRISTÃ não deveria usar de idolatria pois o Salmo 115 proibe esse ato e ela é odólatra. Não quero que meus netos aprendam a rezar em fremte a imagens.
    Acho um absurdo apresentarem essas imagens como sendo de Maria mãe de Jesus,pois sabemos que não ficou retrato dela para poder se copiar, ainda mais vendendo medalhas milagrosas como sendo retrato de Maria,sem perguntar a ela se isso é de responsabilidade dela fazer os milagres que eles (os que vendem as medalhas) prometem.
    Igreja Cristã é Igreja que faz como está na Bíblia. Muitos são enganados pois não conhecem a palavra de Deus e sem pensar acreditam em mentiras. Ivone

  • Edwilson  On setembro 15, 2009 at pm:38 pm

    É caros leitores esta é mais uma das artimanhas de Babilonia a Grande o Imperio Mundial da Religião Falsa e de um governo que não respeita ninguem.

  • Theli  On setembro 15, 2009 at am:58 am

    Simplesmente uma piada, como tudo neste país. E mais uma vez a igreja mostra sua verdadeira face, mais uma vez tentando por em prática o massacre e a put4ri4 que eles fizeram por anos a fim (e ainda o fazem, só que por outros meios). É simples perceber porque a igreja perde fiéis, não somente católicos..o homem está pouco a pouco descobrindo que a verdade não está nas religiões e sim nele mesmo. Tantos milênios olhando pra cima e esperando algum “pai” se manifestar e nada dá nisso. O mundo não precisa de religiões, repudio tais atos e por mim o jogavam uma bomba no Vaticano com toda a corja dentro.

  • Luíza  On setembro 14, 2009 at pm:23 pm

    o Brasil não seria mais um pais democrático e tbm não seguiria suas próprias leis…país sem palavras

  • raquel alves de sousa  On setembro 14, 2009 at am:29 am

    ha meus irmaos sou catolica porem simpatizo com outras religioes como o protestante o budismo o ortodoxo ate o envangelico pois cerio que todas as religioes levam a um so deus e atrave s de jesus apesasr de setwe outras crenças vamos e estudar a biblia nada mais creio na liberdade de religiao em nosso pais

    • Anderson Morbeck Vieira  On setembro 14, 2009 at am:00 am

      Fim dos tempos…

      Então é selado o acordo entre o que era, não é e será, com um dos 10 reis da terra.

      Conforme Apocalipse 17 diz pouco durara o Reinado do 7º papa, não que ele morrerá, mas em breve ele se proclamará rei das nações e não mais será um papa.

      Dai então virá o anti-cristo e reinará as nações.

      Não resta nada a ser feito (meu ponto de vista [não sou teólogo]).
      Melhor é deixar acontecer o inevitável, pois quantos tentaram evitar a morte de Cristo; é inevitavel e não é seguro contratiar pois os bons da terra morrem, não seja vc ou eu um deles.

  • Padre Antônio Marcos  On setembro 13, 2009 at pm:21 pm

    Sou Padre Católico Carismatico, e não Romano, vejo esse acordo, ou melhor essa pouca vergonha um pouco triste. Pois através deste “acordo” a igreja Romana quer de alguma maneira tentar enfraquecer as outras denominações Cristãs, pois assim acham que terão devolta os fiés perdidos ao logo dos anos. Ouvi de uma jovem a poucos dias assim, fui catequista por muito tempo mas decidi parar pois não entedia o porque de tantas contradições entre os dogmas da igreja romana e o que esta na Santa Bíblia, e ela me disse mais, ia as missas e sentia um grande vazio, por isso não vou mais. Veja, a igreja como um todo não pode de maneira alguma impor que as pessoas sejam suas frequentadoras ou devotas, membros etc, a igreja tem que conquistar as pessoas como o Senhor Jesus Fazia e ainda Faz, conquistar com ensinamentos Bíblicos e o Carisma que é a Marca de Jesus. É triste ver uma Igreja tão grande e rica como a igreja romana usar destes artificios para querer ter a soberania religiosa em nosso Pais. MAS O QUE EU ACHO MESMO É QUE ESTÁ FALTANDO ORAÇÃO SINCERA E LEITURA DA PALAVRA DE DEUS A BÍBLIA SAGRADA, SE BUSCAREM MAIS A DEUS EM ORAÇÃO, JEJUM, FIDELIDADE AOS ENSINAMENTO BÍBLICOS A IGREJA ROMANA NÃO PRECISARIA DISTO EU GARANTO. AH! UMA OPNIÃO MINHA, ACHO QUE A IGREJA ROMANA FORMA BONS PROFESSORES MAS NAS QUESTÃO DE PASTORES DO REBANHO DE CRISTO DEIXAM A DESEJAR. QUE DEUS NOS ABENÇOE E ABENÇOE OS NOSSO SENADORES.

    • Balaguer  On fevereiro 16, 2010 at pm:48 pm

      Meu caro, para ser Padre é necessário ser católico apostólico e Romano, pois é uma denominação eclesial catolica romana, você é um pastor de uma qualquer igreja brasileira.

  • neto  On setembro 13, 2009 at pm:06 pm

    Queridos irmãos, sou evangélico, mas amo católicos, espiritas, budistas, muçulmanos e praticantes de todas as outras religiões porque Deus é amor e, portanto, amo todos vocês! Como em qualquer área da sociedade nas diferentes religiões existem boas e más pessoas, justamente porque o ser humano é humano e falho. O próprio Senhor Jesus Cristo em diversas passagens criticava os fariseus e escribas porque sabiam da lei, mas não praticavam o amor, a justiça e a misericórdia! O que acho que todo mundo que é contra o acordo está querendo dizer aqui é que, por mais que se ensinem diversas religiões nas escolas, sempre se correrá o risco de os professores serem tendenciosos naquilo que acreditam, na doutrina que praticam porque justamente são seres humanos e o ser humano defende aquilo em que acredita, defende as suas convicções e, por isso pode influenciar sim as crianças a seguirem por essa ou aquela religião. Lembremos que se tratam de crianças que podem sim ser influenciadas por alguns desses professores para seguirem aquilo que acreditam. Acho sinceramente que religião é uma escolha muita intima e pessoal que deve ser tratada dentro de casa entre os familiares e não dentro de uma escola para que justamente não ocorra o que está acontecendo aqui que nada mais é do que intolerância religiosa! Já pensaram se um aluno católico ou evangélico ou espirita, etc, não concordar com aquilo que está sendo ensinado? Ele não será obrigado a assistir a aula, mas o fato de sair por si só já é constrangedor e já é uma forma de tratamento diferenciado. Amo a vida de todos vocês e em nome de Jesus Cristo peço a todos que pratiquemos aqui o segundo maior mandamento, segundo Jesus Cristo que é “amar ao próximo como a ti mesmo” e não se esqueça Deus é amor. Amo todos vocês, que Deus abençoe a todos. Neto

  • Priscila  On setembro 13, 2009 at pm:50 pm

    Sou católica e não concordo com o acordo entre Brasil e Vaticano.Como pensar em um ‘mundo ecumênico’ se estamos valorizando uma religião e a colocando “sobre” as outras. Ninguém é obrigado a estudar essa nem outra religião, para isso existem grupos e catequeses.E como exigir que as crianças estudem determinado conceito se as mesmas MAL possuem escolas???
    Querido Presidente e companheiro Lula, para de se preocupar com a religião.Já passou da hora de pensarmos nas crianças morrendo de fome, na precariedade das escolas, no mst,nos escândalos do senado… Acorda Presidente!!!

  • ferreira  On setembro 13, 2009 at pm:25 pm

    a inquisição 2009,abram alas pra ela minha gente.ainda bem que ja fiz minhas economias,qualquer coisa corro pra israel.

  • luiz carlos kusminski  On setembro 7, 2009 at pm:00 pm

    boa tarde, emfim,em particular nao estou nem um pouco preocupado com tudo isso que esta acontecendo ,no brasil e no mundo.pois sabemos que o senhor jesus esta pronto pra vim buscar a sua igreja a sua noiva escolhida.feliz essim quem ele encontrar preparado,para encontrar com o senhor,e ouvir sua voz.quem conhece mateus 24?entao sabe que mais uma vez esta se cunprindo a santa palavra de Jesus,ele disse que viria grande aperto na terra,entao o que faser combater contra o homem?nao adianta de nada o que a de vir virá e nao tardará só existe um reinado perfeito,que e o ceu a eternidade,com o criador pois o que esta acontecendo e invasaõ de demonios,e o seus adeptos,vigiai e horai sem cesar.estais preparados,os que adoraõ Deus o verdadeiro nao idolos,mas sim o unico fote e verdadeiro e senhor Deus..

  • Elenilton  On agosto 28, 2009 at am:56 am

    vc sabia Jesus está voltando?

    É por isso que o diabo está lutando para trazer confusão entre os homens, mas para os que servem a Deus e deixou a idolatria a mentira e o engano
    serão arrebatados e verão nascer o novo sol da justica Divina.
    conheca a verdade e ela vos libertará. LEIA A BIBLIA A VERDADEIRA PALAVRA DE DEUS.
    SÓ JESUS SALVA……..

  • Natanael  On agosto 27, 2009 at pm:29 pm

    eu nao acredito tao estupidez que ocorre no brasa, so pudia acontecer la mesmo, bem primeiro quero colocar o meu parecer que um acordo como esse fere a constituicao, e tambem da privilegios a igreja catolica e o que e pior, o governo agora vai ter de arcar com todas as despesas de reconstrucao quem a salario, vamo ver se entendi essa sera tambem uma forma de quem estiver no governo pra conseguir desviar algum juntamente com padres fleiras papas o diabo a quatro, todos uns bandos de medilcres, achao que o povo ainda sao uns iletrados sem saber ter opiniao em nada so pagar os altos impostos, deixe me ver na casa dos 70% de tudo o que consumimos e de imposto, e agora parte disse ja que se nao bastava ir so pra mao dos corrupitos tambem pra igreja, isso nao existe, sem contar que o ensino catolico em escola publia, so no brasil mesmo!!!!!!!!!!!! eu nao concordo com os milhoes de anos que a ciencia prega nos livros de educacao porque hoje em dia nao pode ser provado pelas diferentes questoes que se tem hoje, de nao se nao ser uma evolucao e sim varios e diferentes disigners, mais tambem nao concordo que na escola se siga uma doutrina de uma especifica igreja no caso da igreja catolica, como no brasil todos sao livres por sua propria religiao, nao seria racional impor uma como sendo uma base de fe em um orgao estatal, estado e religiao nao se mistura.

  • Marcio Roberto  On agosto 27, 2009 at pm:32 pm

    Boa tarde! O que podemos perceber nesse acordo é a troca de favores para obter poderes, ou continuar nele, o que muitas pessoas precisam saber é que todos os finais de meses, o governo federal deposita milhões de dinheiro nos cofres da igreja catolica, a pergunta por que o governo faz isso, se nem todos são catolicos? sabemos que no Brasil nem todos são catolicos, então por que estão entregando o nosso dinheiro sem a nossa permissão, a Constiituição diz que todos tem direito a liberdade de religião, o que precisamos nas escolas não é dá igreja catolica, de seus ensinos ultrapassados, e idolatras, mas sim que o humanismo saia e entre Deus, Deus não é religião e nem criou a religião, mas o homem na sua infinita ambição pelo pecado, sim pecado, enquanto ainda posso falar, pois o homem quer acabar com o pecado, normalizando e dizendo que tudo agora é preconceito. que Deus abençoe e abra o entendimento do povo, pois quem coloca eles somos nós.

  • Aline  On agosto 12, 2009 at pm:29 pm

    Estamos voltando à idade média?
    religião é uma coisa, política é outra totalmente diferente.
    não deveria existir aula de religião nas escolas, e sim aula de ética e cidadania.
    daqui a pouco o Brasil está que nem o Oriente Médio.

  • Ronaldo  On agosto 10, 2009 at am:54 am

    O presidente Lula esta deixando claro a que veio, assinar um acordo desta natureza? o PT sempre se mostrou contrario ao segmento evangélico no Brasil. O proximo ato do presidente vai ser encaminhar para as esferas do poder público um projeto de lei para regulamentar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, sem contar o disfarçado apoio a descriminação as drogas e aborto, isso sim que é “presidente” e lembrar que a CGADB (Convenção Geral das Assembléias de Deus no(do) Brasil) apoiou a sua candidatura, como diz a Bíblia “maldito o homem que confia no homem”.

  • Fabio Gunkel  On agosto 1, 2009 at pm:28 pm

    Li todo o acordo e em certas partes ficam óbvias as vantagens que o vaticano adquiriu, e também a incostitucionalidade deste acordo. No entanto, vejo tambem que a reação dos membros das outras igrejas não é desejar uma igualdade entre os credos, e sim que as suas crenças recebam tais benefícios ao invés da igreja católica, o que é triste…

    • Ronald  On agosto 10, 2009 at am:30 am

      O acordo fere totalmente a constituição brasileira, o que eu não entendi na sua reposta é aonde esta o interesse de outros segmentos religiosos pois se houvesse tais interesses as igrejas prostetantes, os espiritas e tudo mais tentariam algum acordo o que até hoje nunca ocorreu…

  • Nelson Gomes  On julho 12, 2009 at am:12 am

    Meus irmãozinhos adolescentes.

    Estão vendo como se encaminha a nossa liberdade relogiosa? Os homens estão entrando em acordospara fortazer determinada religião, a BABILONICA.
    Com deuses falsos e suas imagens.
    Jovens crentes, no SENHOR JESUS:

    Não desperdicem o vigor de suas mocidades. Empreguem toda esta energia no trabalhar para o SENHOR; evangelizando, evangelizando, evangelizando… até ganharmos muitas almas para CRISTO.
    Não se preocupem com nada nesta Terra, nosso tesouro está nos Ceus. Podemos até passar aperto aqui; porém, a riquissima vida eterna nos aguarda.

  • Nelson Gomes  On julho 12, 2009 at am:36 am

    Caríssimos irmãos evangélicos do nosso Brasil!!!

    Vocês, que têm a Harpa Cristã, procurem o Hino 224 ( É O TEMPO DE SEGAR), louvem ao Nosso DEUS com ele e meditem.

  • Nelson Gomes  On julho 11, 2009 at am:54 am

    O mais importante não será polemizarmos o acordo entre Governo Brasileiro e o moderno reinado de Babilonia (Vaticano).
    De um lado tem um pequeno Presidente ( em relação a DEUS) que não conhece as Palavras de DEUS.
    Do outro lado tem um falso representante de DEUS que, se conhece a Palavra de DEUS,não a publica; por isso O CRIADOR não realiza nenhum milagre através dele.
    Nos, ao contrario, somos filhos do DEUS ALTISSIMO, anunciamos o EVANGELHO DA SALVAÇÃO. Combatemos os deuses falsos e suas imagens e as mentiras de uma doutrina que está levando milhões ao inferno.
    O Diabo, criador dos deuses falsos e suas imagens, que contraria a BÍblia ( Baruc Cap 6; Salmo 14 ou 15; Isaias 45,V.20; Jeremias Cap 7 e 44; Exodo cap. 20; Apocalipse Cap. 22, etc), está preocupado com o crescimento do verdadeiro EVANGELHO DE CRISTO; por isso está inquietando seus servos para fazerem acordos com o objetivo de dar uma segurança baseada nas leis dos homens para a falsa religião.
    Nos somos os verdadeiros servos de DEUS, pois anuciamos novas de SALVAÇÃO ETERNA, como CRISTO mandou. O Papa, os cardeais, os bispos e os padres não conseguem nenhum milagre. DEUS não os houve porque a doutrina que eles professam não tem fundamento bíblico, contraria a Palavra de DEUS. A doutrina da ICAR proibe casamentos de seus lideres religiosos; não permite que os mesmos obedeçam aos mandamentos divinos, adoram as criaturas, em lugar do CRIADOR; por isso muitos deles praticam a prostituição, a pedofilia e
    fazem acordo com homens; pois não conseguem resposta do DEUS ALTISSIMO.
    Nossa luta contra esse acordo não será dizendo ao nosso Presidente que ele perdeu mais de 30% dos votos dos brasileiros, pois nós temos parentes e amigos que, apesar de não serem servos de DEUS, nos ouvem e nos obedecem.
    Prossigamos na luta para evangelizar todo o povo que se encaminha para o lago de fogo; onde será lançado o inferno, o diabo com seus anjos e todos aqueles que contrariaram os mandamentos de DEUS. A Bíblia é clara. Em Apocalipse Cap. 22, diz que os idolatras não herdarão os reinos dos CEUS. Serão lançados no lago de fogo que arde eternamento e de onde ninguem conseguirá escapar, nem o fogo se apaga. Eternidade com DEUS é felicidade constante para nunca acabar. Eternidade com o DIABO e seus anjos é sofrimento eterno.
    Quantos trilhões de anos este povo desobediente a Palavra de DEUS irá passar no fogo infernal? Não serão trilhões de anos, eles jamais sairão de tal sofrimento. Vamos avisar a eles. Devemos nos preocupar com eles, mesmo com quem faz acordos contra o verdadeiro EVANGELHO.
    Somos filhos do DEUS CRIADOR DOS CEUS E DA TERRA. Este DEUS é PAI DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO, o “REI DOS REIS”. Então não devemos nos preocupar com acordo dos homens.
    Vamos orar ao NOSSO DEUS que é dono de tudo. Que manda em tudo. Que não se curva para ninguem. Que não tem autoridade superior a ELE e que tem os astros como pó de seus pés. ELE é grandioso, majestoso, magnifico, esplendoroso, maravilhoso e não será Maria, Lula e o Benedito que irão nos tirar do sério. O que é o Reinado da Babilonia e a Presidencia da Republica de qualquer país para o VERDADEIRO DEUS?
    O Rei David, ungido de DEUS, temeu ao gigante Golias?
    Vamos orar e evangelizar católicos e espiritas, para que eles tambem desfrutem da alegre e feliz certeza de irem morar nos CEUS, com Maria, Pedro, João, José, todos os salvos, parentes ou não; todos nossos irmãos. Maria, mulher escolhida por DEUS para ser mãe de Jesus é nossa irmã e não nossa mãe. Ela é santa pois sempre obedeceu a DEUS. Vai ser chamada por DEUS, de seu sono mortal, para morar com DEUS, seus anjos e todos aquelees que obedeceram a Palavra de DEUS. Os que adoram a Maria não entrarão nos ceus.

    Nelson Gomes – Cambuci, Maceió, Al.

    • Annabelle  On agosto 17, 2009 at pm:40 pm

      A humildade foi a maior característica do Jesus Cristo!!! me parece que vcs estão bem longe dEle nesse aspecto!!!
      Desculpem heim? não me lembro de haver em qualquer lugar a informação de que os evangélicos compraram a propriedade de Deus!!

  • Raimundo Oliveira  On março 26, 2009 at am:13 am

    Quero expressar minha desconfiança no ato assinado pelo governo brasileiro e o vaticano, de vez que esse acordo, que tem prevalência jurídica sobre as leis nacionais, visa, aos olhos abertos, restaurar valores jurídicos envelhecidos à igreja católica. Até ai tudo bem, do ponto de vista jurídico imediato. Entretanto, o que nos causa medo é que, como o Lula nada entende nem de religião, nem de política, muito menos de leis, tenha assinado um acordo levado por seus juristas mais açodados pela discriminação, do que para o objetivo ali colima. Tememos sim que seja criada uma jurisprudência no Brasil que tramita direitos aos padres católicos em interferir nas outras religiões, além de outros desmandos que porventura nasceriam com a perpetração desse malsinado acordo. De fato já existe o que na prática foi assinado, o que o Lula quis foi apenas amaciar o ego da igreja católica em detrimento de outros seguimentos religiosos no Brasil que atingem a marca de mais de 70 milhões de fieis.
    Temos que ter vigilância e cuidado com os desdobramentos desse entendimento, que levará o Brasil a deixar de ser um país constitucionalmente laico, para um país de dominação católica, nos moldes da Idade Média.
    Nota 0 ao Lula e aos seus ministros.

    • lau  On setembro 24, 2009 at am:43 am

      Não acredito q/ o país vai voltar a era da inquizição, onde prevalecia o que a igreja determinava. Num pais que muitos morreram p/ que alcançassemos a democracia, a libedade reliciosa, o respeito a liberdade de ir e vir…., agora vem os rei de roma, camuflado atraves de uma acordo obrigar q/ o cidadão brasileiro seja obrigado a sentar no banco de escola p/ estudar uma religiosidade que não professa, não acredita em imagem mas vai ser abrigado estudar sobre nazare, maria que são idolos que a igreja catolica insiste incutir na mente humana, e os padres que eu acredito que tevem conhecer a bilblia sabem que ela condena os idolos, só existe um Deus q/ deve ser estuda e referenciado. Que vergonha ter um presidente que não respeita a constituição de seu pais e nega o juramento que fez na posse.
      Hoje no Brasil não devemos lutar apenas p/ fudamentar direitos mas principalmente p/ protege-los. digo não ao acordo que de acordo não tem nada porque eu e a maioria dos cidadões brasileiros que deveriamos se consultado não nos chamarão p/ este “acordo”.

  • Franklin  On fevereiro 11, 2009 at am:03 am

    ¬¬” cara! o Lula nem sabe soletrar Igreja Católica, nunca soube, não sabe, e jamais saberá o que está fazendo mesmo depois que deixar a presidencia, na minha opinião presidentes são meras marionetes de seus respectivos partidos, partidos esses meras marionetes de interesses de empresas maiores, empresas maiores meras marionetes de poucos poderosos, homens poderosos meras marionetes do Diabo, logo, se vc não ta com Deus vc ta do outro lado. e tambem concordo com o Douglas, “que bom seria estudar a Bíblia”.

  • milton  On dezembro 13, 2008 at am:58 am

    isso é o maior absurdo de todos os tempos, que beneficio faz essa religião para a humanidade. O presidente não conhece a hitória ? Tinha de ser no Brasil mesmo.

  • douglas  On novembro 14, 2008 at pm:57 pm

    que bom seria estudar a biblia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: