Arquivo do dia: novembro 6, 2008

Militares resistem à alteração no Plano de Defesa

Integrantes das Forças Armadas se opõem à intenção do governo em revisar o plano de defesa estratégica e adotar critérios estritos para a aquisição de armas, afirmou o ministro de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger.

O governo brasileiro deveria ter divulgado há dois meses atrás um documento traçando as linhas gerais de uma mudança nas prioridades do setor de defesa, cujo eixo de atenção se deslocaria da fronteira sul do País para a porosa fronteira amazônica, englobando ainda toda a extensão dos novos campos de petróleo marítimo, e também o imenso espaço aéreo brasileiro.

A proposta de converter todo o Exército em uma força de mobilização rápida para responder prontamente as ameaças à segurança nacional foi duramente criticada, disse o ministro. “Isso seria ambíguo demais, caro demais e difícil de realizar — tecnicamente ou culturalmente; nós não precisaríamos disso porque não somos ameaçados por ninguém”, afirmou o ministro, ex-professor de direito na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

O plano sugerido prevê a aquisição de armas que satisfaçam estritamente às necessidades da área de defesa, e não projetos de poderio internacional, como ocorreu nas décadas recentes.

A resistência dos militares às propostas diminuiu, mas ainda continua a existir, segundo o ministro. “Ninguém quer ser transformado. Quando a liderança civil propõe uma reforma em suas fileiras, eles (militares) se fecham, e fecham as portas”, disse.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encarregou Mangabeira Unger de obter mais opiniões e apoio para o plano. Na terceira semana de novembro, o documento com o detalhamento deve ser analisado pelo Conselho Nacional de Defesa, formado por líderes do Congresso, pelos comandantes da três Forças Armadas e por ministros do governo.

O documento determina que o Brasil desenvolva seu próprio setor armamentista por meio de incentivos fiscais e de encomendas do poder público, que garantiriam às empresas as manutenções dos pedidos independentemente de restrições orçamentárias.

A França, segundo Unger, seria o país mais bem qualificado para transferir a tecnologia de que o Brasil precisa.

Reuters/Gazeta

Putin pode voltar a presidencia da Rússia

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, pode renunciar ao cargo em 2009, para permitir que Vladimir Putin volte ao Kremlin, disse o jornal Vedomosti na quinta-feira, citando uma fonte não-identificada próxima ao Kremlin.

Na quarta-feira, Medvedev propôs aumentar o mandato presidencial de quatro para seis anos, medida que, segundo o jornal, faz parte de um plano criado por Vladislav Surkov, que atua como primeiro vice-chefe de gabinete de Medvedev no governo.

“Segundo o plano, Medvedev pode renunciar alegando mudanças na Constituição e, então, as eleições presidenciais podem acontecer em 2009”, informou o jornal, citando a fonte não-identificada.

O jornal disse que Putin, que atualmente ocupa o cargo de primeiro-ministro, poderia assumir a Presidência por dois mandatos de seis anos, de 2009 a 2021. Um porta-voz de Putin, no entanto, disse ao jornal que não há motivos para o ex-presidente voltar ao poder em 2009.

Os investidores, já abalados pelo impacto da crise financeira sobre a economia russa, estão tentando entender quem realmente está no poder no país –esta é a maior questão para quem precisa calcular o risco político da Rússia.

Eles agora estão estudando detalhes de como a atual configuração do poder –com Medvedev na Presidência e Putin como premiê– pode ser mudada. Na quarta-feira, um duro discurso de Medvedev fez a bolsa russa zerar os ganhos que tinha obtido no começo do dia.

(Por Guy Falconbridge/Reuters)

Michelle usou vestido de estilista cubano

A futura primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, usou ontem um vestido do cubano Narciso Rodríguez, na festa que seu marido, Barack Obama, promoveu para comemorar sua vitória nas eleições presidenciais americanas.

Michelle, de 44 anos e advogada de formação, usou no Grant Park de Chicago, um vestido preto e vermelho, muito comentado hoje pelos especialistas em moda na imprensa americana.

Michele, que este ano foi eleita pela revista Vanity Fair a mulher mais bem vestida de 2008, costuma usar roupas de grifes pouco conhecidas e de corte clássico. Por conta de seu guarda-roupa bem cuidado, o estilo de Michelle Obama já tem sido comparado com o de outra primeira-dama dos EUA: o da célebre Jackie Kennedy.

Espanha nega asilo ao filho de Bin Laden

Omar Bin Laden, um dos 19 filhos do terrorista Osama Bin Laden, teve o seu pedido de asilo político rejeitado pelo governo espanhol, que considerou que sua vida não correria um “autêntico risco” no Egito.

Omar se opõe à pregação e práticas violentas de seu pai, e já manifestou o desejo de se tornar um “embaixador da paz” da ONU. No momento, está preso na sala dos não-admitidos do aeroporto de Barajas, em Madri, e tem 24 horas para apelar da decisão do Ministério do Interior espanhol.

CH

Aprovado projeto que recupera valor de benefícios do INSS

Os 26 milhões de beneficiários do INSS deram, ontem, mais um passo para obter a recomposição do valor de seus benefícios. Por unanimidade, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou o Projeto de Lei 58/2003, que garante a correção de aposentadorias e pensões para que voltem a corresponder ao número de salários mínimos que tinham à época da concessão. De autoria do senador Paulo Paim (PT-RS), a proposta visa a recuperar perdas de até 75%.

Segundo Paim, o texto foi aprovado em caráter terminativo (sem necessidade de ir ao plenário do Senado), mas, antes de seguir para a Câmara dos Deputados, passará por votação simbólica na própria CAS, no próximo dia 12. O substitutivo é do senador Rodolfo Tourinho e prevê o ajuste dos benefícios ao longo de cinco anos. Não havendo alterações, o texto vai para a Câmara – disse Paim.

No dia anterior, o ministro da Previdência Social, José Pimentel, esteve na Casa, pedindo cautela aos senadores. Ontem, ele não quis comentar a aprovação. Os representantes dos aposentados, agora, se preparam para a batalha na Câmara, onde o governo tem um apoio mais amplo.

– Teremos problemas para aprovar a proposta na Câmara. Começaremos a visitar gabinetes em busca de apoio ainda esta semana – avisou Yeda Gaspar, presidente da Federação dos Aposentados e Pensionistas do Rio (Faperj).

Segundo cálculos do consultor previdenciário Newton Conde, um segurado que recebia dois mínimos, em 1994, o equivalente a R$ 129,58, hoje ganha R$ 474,27, em vez de R$ 830 – valor atual de dois mínimos -, o que corresponde a uma diferença de 75%.

Na Câmara, o PL 58 se juntará a outras propostas de Paim que beneficiam os inativos, como a Emenda 42, que concede o mesmo aumento do salário mínimo aos segurados, independentemente do valor dos benefícios; e ao PL 399, que acaba com o fator previdenciário (espécie de redutor das aposentadorias).

A primeira comissão da Câmara a analisar o projeto será a de Seguridade Social. Depois, virão as de Finanças e Tributação; e Constituição e Justiça.

Max Leone – Extra

%d blogueiros gostam disto: