Cirurgia Plástica: alerta para excesso de cirurgias


A beleza física, o emagrecimento e o rejuvenescimento são uma constante preocupação dos a ficcionados pelo corpo e pela saúde, que não pensam duas vezes na hora de recorrer a cirurgia plástica e a lipoaspiração. No Brasil, o mercado de cirurgia plástica movimenta mais de R$ 4 bilhões por ano, colocando o país em terceiro lugar entre os países que mais realizam cirurgias desse tipo, perdendo apenas para EUA e México.

Ainda são os adolescentes os que mais procuram pelas cirurgias para corrigir certos “defeitos”. Nos últimos três anos, cerca de 15% dos pacientes que buscam um especialista têm entre 14 e 18 anos, quase o dobro do registrado em território americano. Em 2006, dos 105 mil jovens submetidos às cirurgias estéticas, 70% eram meninas a procura mamoplastia (diminuição de mamas), liporaspiração, rinoplastia (plástica no nariz), dentre outras. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica do Rio de Janeiro (SBCP-RJ), o médico Sergio Levy, a procura é tão grande que muitos cirurgiões recusam-se a operar cerca de 20% dos pacientes, pois julgam que eles têm autocrítica exagerada em relação aos pequenos defeitos e em muitos casos baixa auto-estima, comum nesta idade.

Contudo, essa mania de beleza não se restringe mais somente as mulheres. Ela já atingiu também aos homens. Muitos empresários e executivos estão buscando manter uma boa aparência para crescerem na carreira, já que a competitividade do mercado é cada vez maior. “A cirurgia plástica tem sido a saída encontrada por muitos executivos cansados daquela barriguinha de chope ou daquele indesejável queixo duplo. São operações simples, que duram de uma a três horas, não exigindo um tempo de recuperação que possa atrapalhar o desempenho profissional dos pacientes. Para se ter uma idéia, a busca dos homens por cirurgias estéticas teve um aumento de 20%”, diz Levy.

Esses dados apontam uma indiferença dos pacientes às conseqüências de um procedimento cirúrgico e os danos que o mesmo pode causar a saúde, como paralisia dos músculos, deslocamento de próteses e até necroses. “As pessoas acham que é tudo simples como ir ao salão de beleza”, afirma Levy, que já atendeu caso de necrose na barriga, resultante de uma hidrolipo malfeita.

O alto número de cirurgia plástica no país deve ao aumento da concorrência de cirurgiões altamente treinados, a redução do tempo de internação, a variação dos preços cobrados entre as clínicas e o parcelamento do preço das cirurgias. O que é condenado pela SBCP-RJ. “Atualmente muitos médicos e consultórios que se utilizam de propaganda enganosa, prometendo “milagres”. Há, por exemplo, quem ofereça serviços com valores muito abaixo da tabela e parcelados em até 36 vezes, fazendo da cirurgia plástica um verdadeiro “varejão”, condena Levy.
Bonde

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: