Alzheimer: Um acerto de contas


A escritora carioca Heloisa Seixas lançou o livro “O lugar escuro – uma história de sensibilidade e loucura” (Ed. Objetiva), em que relata o convívio com sua mãe, vítima do mal de Alzheimer.

A convite da revista CLAUDIA, ela escreveu este artigo ( que reproduzo parte abaixo)sobre sua experiência pessoal com uma das doenças mais perturbadoras do nosso tempo:

” Um dia peguei uma revista americana para folhear, mas não consegui abri-la. Meus olhos se prenderam à fotografia da capa. Era uma foto de um lobo ou cão de pêlo escuro, com os dentes à mostra e os olhos arregalados. Aquela imagem não era a tradução do medo – mas, sim, de outro sentimento, poderoso e destruidor. Pensei, num delírio, que, se ele o fizesse, eu não me deixaria morrer de forma passiva, mas o agarraria pelo pescoço e apertaria com toda a força. Seria uma luta encarniçada. E, nesse instante, veio a compreensão do sentimento que me evocava a fotografia: não era medo, era ódio.

A constatação me deixou inquieta. Havia uma razão: minha mãe começava a mostrar os primeiros sintomas do mal de Alzheimer. O Alzheimer costuma provocar misericórdia – mas também suscita sentimentos menos nobres, como a revolta, a raiva e, em conseqüência, a culpa. Era o que acontecia comigo.

Mamãe, que sempre fora uma mulher forte, independente e decidida, tornara-se um ser frágil, carente, emocionalmente desequilibrada. E eu com dificuldade de conviver com a pessoa desconhecida que surgia. Baixei a cabeça e tornei a observar os olhos cor de fogo do lobo preto na revista. Havia um animal igual àquele dentro de mim.

Quando se manifesta, o mal de Alzheimer traz consigo vários males, que se infiltram na vida do doente e de todos que convivem com ele. A raiva é um desses males. Os parentes não conseguem compreender o que está acontecendo, negam a doença – ou simplesmente a desconhecem – e com isso acabam sendo tomados por um sentimento de revolta. Hoje, depois de conviver com a doença de minha mãe por mais de dez anos, eu me arriscaria a dizer que, se houvesse um maior esclarecimento sobre o problema, os casos de violência contra os idosos diminuiriam.

A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) divulgou uma previsão assustadora: em dez anos, vai quase dobrar o número de pessoas com essa doença no Brasil. Hoje, há cerca de 16 milhões de brasileiros com mais de 80 anos, faixa etária em que a porcentagem de casos de Alzheimer pode chegar a 40%.  Em 2 017, serão 24 milhões de idosos acima dessa faixa etária.  São projeções, mas já dá para pressentir o alcance desses números.

É raro falarmos no assunto Alzheimer sem ouvir o interlocutor dizer que tem um caso na família ou que sabe de alguém que tem. O mal parece estar em toda parte. E continuamos sabendo tão pouco sobre ele.

O mal de Alzheimer não é simplesmente a perda da memória. Todas as dores mal trabalhadas, todas as mágoas acumuladas ao longo de anos – coisas naturais nas convivências familiares – começam a aflorar. Os pequenos nós, os pontos doloridos, se fazem sentir com mais agudeza, e isso torna as relações entre o doente e seus parentes quase insuportáveis.

Em 1906, o neuropatologista alemão Alois Alzheimer pesquisou o cérebro de uma paciente sua, morta aos 55 anos com demência precoce, e descobriu emaranhados fibrosos dentro de seus neurônios, ele estava inscrevendo seu nome na história da medicina.

Mas o que até hoje ninguém sabe é por que esses emaranhados neurofibrilares e placas neuríticas – que, grosso modo, apagam os neurônios – aparecem. Há um inegável fator genético, mas a doença tem sido também associada a fatores externos, como impulsos elétricos, stress e alimentação (a incidência de alumínio encontrada em cérebros de portadores da doença é altíssima).

Uma pesquisa mostrou que entre os portadores de demências senis há uma grande porcentagem de pessoas solitárias – ou melhor, que se dizem solitárias, mesmo não sendo. O mal de Alzheimer é mais comum entre pessoas incapazes de superar as próprias perdas, pessoas que guardam mágoas e alimentam o sofrimento. Será?

Devemos deixar aos cientistas a busca dessas respostas. Mas, enquanto isso, temos de aprender a conviver com o problema da melhor forma possível. Em meio ao turbilhão de horrores, nem sempre é fácil ter compaixão. Em geral, o que eu mais sentia era raiva. Era o lobo selvagem dentro de mim, mostrando seus dentes. Não me envergonho de dizer isso.

Houve momentos, durante o processo de esfacelamento da mente de minha mãe, em que senti que me degradava também, que me desfazia, que ameaçava resvalar perigosamente para o outro lado – o lado da insanidade. Penso que essa foi uma das razões que me levaram a escrever um livro sobre o mal de Alzheimer. “O LUGAR ESCURO – UMA HISTÓRIA DE SENILIDADE E LOUCURA” é um relato da minha convivência com a doença e também uma viagem ao fundo da mente de minha mãe. Uma catarse que me ajudou a entender e, principalmente, a aceitar muitas coisas.

Acho que esta é a palavra-chave: aceitação. Não é fácil ver alguém com quem se conviveu por toda a vida se transformar em outra pessoa. Aceitar esse processo de entendimento e aceitação talvez seja ainda mais difícil. Porque as relações entre pais e filhos são muito fortes, viscerais, e por isso mesmo quase sempre difíceis.

Quando me convenci de que era um caso de demência senil, a raiva e a revolta deram lugar à compaixão. Eu me reconciliei com minha mãe. Hoje, converso com ela, mesmo sabendo-a incapaz de compreender o que estou dizendo;  falo de mágoas, equívocos, ciúmes, sentimentos que por muitos anos tinham ficado sufocados – nela ou em mim. E ela, às vezes, em rasgos de lucidez, diz frases pertinentes, que me tocam e surpreendem. Mas o importante é que hoje consigo acariciá-la, ficar a seu lado, brincar com ela – muito mais do que antes. No fim, o mal de Alzheimer foi para nós duas um acerto de contas. No bom sentido.

Fonte:  Revista Claudia Dez 07

Comente ou deixe um trackback: URL do Trackback.

Comentários

  • gladis rejane gomes mazara  On maio 22, 2009 at pm:56 pm

    faz 2 anos que minha mãe está com alzheimer, confesso que é muito dificil, ela caminha com dificuldade, faz suas nescessidades, mas banho preciso ajudá-la, além diso tenho um irmão com 41 e é alcolatra, confesso que não estou tendo mais paciencia com nenhum, pois tenho que driblar tudo e todos, então o que faço, mas me sinto culpada, coloco a mão numa clínica por 30 dias, seu convênio cobre, e quinze a vinte fica em casa, mas nesses dias, tenho que chavear a geladeira, pois ela tem diabete, problemas cardiacos, e uma fome descontroladda, sei lá desculpe, acho que foi um desabafo.
    brigada,

  • Sekhmet Rosa  On abril 3, 2008 at pm:46 pm

    Oi… preciso de sua ajuda…
    Quando criança, ganhei um livro da Heloisa, para ser mais exata, o livro A PORTA…
    E nele, encontrei um poema bem na primeira pág.
    A única informação que contem nele é que foi escrito por A.Júlia…
    Queria muito saber quem é, e se ela tem outras obras…
    Nunca ouvi falar, nunca encontrei nada sobre ela…

    Se puder me responder, serei muito grata!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: